Fábio Júnior bisa frente aos juniores



A Naval venceu ontem a equipa de juniores por um concludente 6-0. Os golos foram apontados por Michel Simplício, Manuel Curto, Lucas, Godemèche e um bis de Fábio Junior (na foto).

No jogo-treino à porta fechada, o avançado brasileiro deu indicações positivas, sendo quase certo que será titular na recepção ao Paços de Ferreira. Regressado de Madrid, o presidente Aprígio dos Santos assistiu ao treino, reiterando, uma vez mais, a confiança ao técnico Fernando Mira. 

Fonte: O Jogo

Naval: Mira prepara mudanças para domingo

Treinador interino dos figueirenses testou o novo onze frente aos juniores

A Naval vai apresentar-se com algumas mudanças no onze no próximo domingo, quando enfrentar o Paços de Ferreira na Figueira da Foz. Nesta quarta-feira, o treinador interino Fernando Mira aproveitou para realizar um jogo com a equipa de juniores, que terminou com uma vitória farta dos mais velhos, e revelou algumas das alterações em perspectiva.
Desde logo na defesa, a aposta foi para a dupla de centrais Gomis/Rogério Conceição enquanto Camora, habitualmente utilizado como extremo na era Zvunka, actuou como lateral pelo flanco esquerdo mas há que ter em conta que Daniel Cruz, o titular da posição, tem evoluído com limitações.
Orestes, que saltou do centro da defesa, fixou-se no meio-campo, que contou com Godemèche e o regresso de Hugo Machado. Na frente, saliência para a possível estreia de Fábio Júnior a titular, com Bolívia e João Pedro pelas alas.
Significa isso que um jogador que apenas foi titular uma vez com o técnico francês, como Gomis, poderá agora ter uma nova oportunidade, ao passo que um dos «indiscutíveis» (só falhou uma partida), caso de Previtali, deverá começar desta feita no banco.
Fernando Mira irá orientar o seu 15º jogo da Naval na Liga, tendo, até agora, vencido apenas por duas vezes, ambas no Restelo, em 2005/06, por 3-2, e em 2008/09, por 2-1.

Fonte: Mais Futebol


Preços dos Bilhetes para o Naval - Paços de Ferreira

Naval 1º de Maio - Paços de Ferreira




Sócios:

Descoberta - 5,00€ | Coberta - 10,00€

Não Sócios:

Superior - 5,00€ | Descoberta - 15,00€ | Coberta - 20,00€


Vem apoiar a Naval 1º de Maio!!

Jogos da Terceira Eliminatória da Taça de Portugal

Os jogos desta terceira eliminatória disputam-se a 16 e 17 de Outubro.

U. Leiria-U. Madeira
Pinhalonovense-Fafe
Benfica-Arouca
Ribeirão-Belenenses
F.C. Porto-Limianos
Estoril-Sporting
Rio Ave-E. Amadora
Merelinense-Farense
Carregado-Fátima
Lagoa-Torreense
Nacional-Padroense
Bombarralense-Louletano
Tirsense-Sampedrense
P. Ferreira-São João Ver
Espinho-Pontassolense
1º Dezembro-Sp. Braga
Sertanense-Olhanense
V. Guimarães-Malveira
Anadia-Feirense
Naval-Marítimo
Leixões-Mafra
Mondinense-Coimbrões
Portimonense-Cinfães
Juv. Évora-Santa Clara
Varzim-Gondomar
Operário-Moreirense
Gil Vicente-V. Setúbal
Cesarense-Académica
Santa Maria-Penalva Castelo
Mirandela-Beira Mar
Atlético-Macedo Cavaleiros
Tourizense-Aliados Lordelo 

Fonte: Diário de Coimbra

Mira procura segunda vitória


Frente ao P. Ferreira

Fernando Mira apresta-se para dirigir a Naval pela 14.ª vez em jogos da Liga, mas frente ao P. Ferreira, domingo, o ex-adjunto de Victor Zvunka procura aquela que será a sua segunda vitória no comando da equipa figueirense. No escalão principal, o único triunfo do técnico, de 48 anos, aconteceu na deslocação ao Restelo, na temporada 2005/06 (3-2).
Indiferente à troca de treinador, a equipa figueirense efetuou ontem nova sessão de trabalho e hoje realiza um jogo-treino com a equipa de juniores (17 horas).

Fonte: Record

«Não há nomes em cima da mesa» - Aprígio Santos

O presidente da Naval releva plena confiança em Fernando Mira e assegura que não tem nomes em carteira para o cargo de treinador da Naval. Admite «falhanço» na constituição da equipa técnica liderada por Vitor Zvunka, ontem demitido por Aprígio Santos.

«Nada será decidido esta semana. Tenho confiança em Fernando Mira e será ele que estará à frente da equipa. Depois na próxima semana logo se verá o que vai acontecer. Não há nomes em cima da mesa. Não havia antes e não há hoje», assegurou em declarações à Renascença.

O líder máximo do conjunto da Figueira da Foz admitiu falhas na formação da equipa técnica liderada por Vitor Zvunka, mas afirmou que não se arrepende de ter apostado no técnico francês: «Nunca me arrependo nada do que faço porque, o que faço, é com intuito de melhorar as coisas. A decisão está tomada e ponto final no assunto. Corremos riscos todos os dias. Queria mudar algumas coisas e escolhi um francês. Acho que a equipa técnica devia ter sido mais alargada e o treinador mais apoiado. Penso que aí, houve um falhanço da minha parte.»

Fonte: A Bola

Zvunka «surpreendido» com demissão

Victor Zvunka remeteu-se ao silêncio em Portugal, mas acedeu a comentar à imprensa francesa, ainda que em poucas palavras, o seu despedimento do cargo de treinador da Naval.

«Fiquei surpreendido com o que aconteceu», disse o técnico gaulês ao L´Equipe, escusando-se a tecer mais comentários. «Não quero dizer mais nada», finalizou.

Ainda na passada semana, Zvunka mostrara-se entusiasmado com a experiência no futebol português, onde descobriu «um campeonato e uma língua diferentes».

O treinador francês deixa a Naval na 14.ª posição da Liga com quatro pontos, fruto de uma vitória, um empate e quatro derrotas.

Fonte: A Bola

Naval sem pressa de arranjar treinador

Fernando Mira à frente da equipa pelo menos até ao jogo com o Paços

A Naval não tem pressa para arranjar novo treinador. Com um jogo para preparar já este domingo, na Figueira, frente ao Paços de Ferreira, a equipa ficou entregue a Fernando Mira, homem da casa habituadíssimo a assegurar períodos de transição, que se manterá no comando pelo menos até ao encontro.
Aprígio Santos tem confiança absoluta no técnico, a tal ponto que sempre recusou dar-lhe um papel principal, preferindo mantê-lo como adjunto justamente para não ter, alguma vez, de o despedir como acaba de acontecer com Victor Zvunka.
É por isso que o presidente ainda não contactou ninguém e só o fará depois da partida com o Paços. Alguns dos nomes ventilados, casos de Lito Vidigal e de Rogério Gonçalves, mostram-se, todavia, disponíveis para agarrar na equipa.
Dados concretos, só mesmo na próxima semana, tal como o acerto pela rescisão com Zvunka, que, recorde-se, tinha contrato até 2012.


Diogo Pinheiro convocado para Selecção Nacional

O remador da Naval - Diogo Pinheiro - foi hoje convocado para o 1º estágio da época de 2010/11 do Grupo de Apuramento da Selecção Nacional de Seniores Pesos Ligeiros.
O estágio terá lugar de 5 a 10 de Outubro no Centro de Alto Rendimento no Pocinho.

 Fonte: Facebook Oficial da Naval 1º de Maio


Lito no topo da lista

O divórcio com Victor Zvunka já se adivinhava e Aprígio Santos já se encontra em campo para encontrar um sucessor. Existem alguns nomes referenciados, porém, no topo da lista, ao que A BOLA apurou, está Lito Vidigal.

O técnico que, recorde-se, ainda iniciou esta época no comando do União de Leiria é o alvo preferencial do presidente navalista. As negociações poderão avançar nos próximos dias, estando, porém, outros nomes em equação.

Apesar de Lito Vidigal se encontrar bem posicionado para ocupar o cargo deixado vago por Victor Zvunka, Aprígio Santos está atento a outras possibilidades. Uma delas, aliás, gera confiança entre alguns dirigentes e adeptos, é o de Rogério Gonçalves.

O regresso do técnico à Figueira da Foz é um dos cenários também possíveis. Recorde-se que foi sob o seu comando que a equipa figueirense regressou à Liga em 2004/2005. Assim, para já, adivinha-se uma corrida a dois para a sucessão do técnico francês, que no início desta temporada havia assinado um contrato por duas temporadas. Um processo que, ao que tudo indica, ficará definido durante a próxima semana.

Fonte: A Bola

Fernando Mira dirige primeiro treino

Após despedimento de Victor Zvunka
O adjunto Fernando Mira, nomeado interinamente como treinador da Naval 1.º de Maio, sucedendo a Victor Zvunka, dirigiu esta terça-feira o treino da equipa figueirense realizado no Centro Estágio de Quiaios.
Fernando Mira, que está na Naval desde 1994, volta a assumir a liderança técnica da equipa após o despedimento do treinador francês, devendo dirigir a equipa no jogo da 7.ª jornada da Liga frente ao Paços de Ferreira (16.00). António Caetano, membro da equipa técnica de Zvunka, vai também continuar em funções.

Fonte: Record

Manuel Curto procura espaço

O resultado não agradou, é certo, mas teve um sabor especial para Manuel Curto, médio da Naval, que se estreou na Liga com uma derrota frente ao Sporting de Braga (1-3).

Segue-se o jogo com o Paços de Ferreira e Manuel Curto espera ser de novo chamado por Zvunka. «Não existe felicidade numa estreia quando se perde. Consegui dar mais um passo na carreira e quero continuar a ser uma aposta e em contribuir com algo para a equipa», disse o médio, que espera inverter o ciclo: «Vamos jogar em casa diante de um adversário directo e tudo iremos fazer para oferecer uma vitória aos nossos adeptos neste jogo com o Paços de Ferreira.» 

Fonte: A Bola

Nove meses sem ganhar em casa

Equipa tenta quebrar jejum diante do Paços


A Naval vai tentar terminar com um jejum de nove meses sem ganhar em casa, domingo, na receção ao P. Ferreira. Um encontro de grande importância também para o técnico francês Viktor Zvunka, que venceu apenas um dos primeiros 6 jogos do campeonato, e que em caso de novo desaire pode ver mesmo a sua continuidade à frente da equipa navalista ameaçada.
O último triunfo dos figueirenses no Estádio José Bento Pessoa remonta a 12 de março, quando derrotaram a U. Leiria (1-0). Seguiram-se derrotas com Benfica (2-4), Sp. Braga (0-4), Académica (0-1), FC Porto (0-1) e Sporting (1-3), além de empates diante de Nacional (0-0) e V. Setúbal (0-0), uma série negativa a fazer soar o alarme na Figueira.
Treino
Depois da folga, o plantel da Naval regressa hoje de manhã aos treinos, com uma sessão marcada para as 10 horas no Estádio Municipal da Figueira da Foz.
O lateral-esquerdo Daniel Cruz e o médio Godemèche vão ser reavaliados pelo departamento médico da SAD figueirense, estando assim em dúvida para o jogo com o Paços de Ferreira.

Fonte: Record 

Nota: Pelas contas certas, serão 6 meses e não nove, como o Jornal Record anuncia!

Victor Zunka despedido

ADJUNTO FERNANDO MIRA DEVERÁ SER O SUBSTITUTO

O treinador francês da Naval, Victor Zvunka, foi esta segunda-feira despedido. O cargo deverá ficar entregue ao adjunto Fernando Mira, confirmou à Agência Lusa o presidente do clube, Aprígio Santos.
"Acabei de despedir o treinador", disse o dirigente, acrescentando: "Em princípio a equipa fica entregue a Fernando Mira".
A formação da Figueira da Foz perdeu na passada sexta-feira no terreno do Sp. Braga, por 3-1, ocupando a 14.ª posição da Liga, com quatro pontos, quando estão decorridas seis jornadas.

Fonte: Record


Aumenta pressão sobre Zvunka


TREINADOR obrigado a ganhar na próxima jornada 

O mau início de época da Naval coloca maior pressão sobre Viktor Zvunka, o técnico francês que Aprígio Santos escolheu para tomar o lugar de Augusto Inácio. Decorridas seis jornadas, a equipa figueirense soma apenas 4 pontos, está no fundo da tabela, ainda não venceu em casa e apresenta um “score” de golos altamente negativo: 3 golos marcados e 10 sofridos.

Foi neste cenário negativo que Zvunka começou ontem a preparar a importante receção ao P. Ferreira. Um jogo no qual os figueirenses apenas podem pensar na vitória, para arrepiar caminho na tabela classificativa e iniciar um ciclo positivo nas próximas quatro rondas, quando a Naval enfrenta adversários da mesma igualha.

Apesar dos maus resultados, não deixa de ser conveniente perceber que o calendário com que o treinador francês, de 58 anos, se deparou no arranque da Liga foi tudo menos favorável, já que recebeu FC Porto e Sporting e teve deslocações difíceis a Coimbra e Braga. A vitória no reduto do Portimonense foi o melhor registo da temporada.

Ausências. Após o jogo no Axa, a Naval efetuou ontem uma sessão de treino, na qual não participaram Godemèche e Daniel Cruz, que ficaram pelo ginásio. Hoje, a equipa está de folga.

Fonte: Record

Godemèche: «Não nos envergonhamos de perder em Braga»


Godemèche, jogador da Naval, em declarações no final da derrota (1-3) em Braga: «Tivemos algumas falhas individuais, mas na primeira parte tivemos uma boa fase em que podíamos ter marcado algumas oportunidades.

Estamos numa fase difícil, em que é complicado marcar golos.

Conseguimos reagir ao terceiro golo, o que serve para mostrar que temos humildade para continuar a trabalhar.

Contra um adversário como o Sp. Braga não há nenhuma vergonha em relação ao jogo que fizemos.»

Victor Zvunka: «O resultado é demasiado penalizador»


Victor Zvunka, treinador da Naval, em declarações na sala de imprensa no final da derrota às mãos do Sp. Braga, por 3-1: «O resultado ao intervalo já me tinha deixado desiludido, porque o fizemos na primeira parte era merecedor de outro resultado.

O Sp. Braga no primeiro tempo só tem duas oportunidades. Têm o golo e a bola na trave, quase de seguida, e, por isso, ao intervalo julgo que o resultado já era um pouco penalizador para a minha equipa.

Depois o segundo golo aos 50 minutos, e mesmo a forma como o sofremos, acabou com o jogo. O 3-0 foi a sanção para algum relaxamento que houve nesse período. A equipa ainda reagiu para alcançar um golo que compensa de alguma forma o esforço que tivemos aqui.

Não merecíamos este resultado, é demasiado penalizador para o que fizemos aqui hoje.» 

Sp. Braga-Naval, 3-1 (destaques)

Foi o Luís que (a)guiou no regresso de Mossoró

Mossoró: seja bem reaparecido
Noite da chamada matança do borrego. O calvário já lá vai e é altura de recuperar o tempo perdido. Voltou a ser titular, quando já não era desde Março, na azarada visita à Luz. E coroou o regresso com...outro regresso. Este, aos golos. Já não marcava desde o dia 2 de Fevereiro de 2009. Era Jorge Jesus o treinador do Sp. Braga e Mossoró ajudou os minhotos a vencer em Alvalade por 2-3. Hoje voltou a festejar, aproveitando da melhor maneira um lance em que as duas defesas de Salín se tornaram infrutíferas. O jogo até nem lhe estava a correr muito bem, apesar de alguns bons momentos de entendimento com Alan. A vontade não mascarou algum desacerto no passe, por exemplo.

Luís Aguiar, o motor
O melhor elemento do meio-campo do Sp. Braga esta noite. É verdade que não realizou uma exibição de encher o olho, ao nível de outras já vividas, mas foi o principal responsável pelo que o Sp. Braga fez no ataque, a par de Alan. O médio uruguaio tem no pontapé uma virtude que vai tentando explorar, mas é na precisão de passe que brilha. Com o desacerto dos companheiros e sabendo que tem as costas forradas por Vandinho ousou desequilibrar. Quando o conseguiu, mexeu com o jogo.

Alan, em crescendo
O jogo até nem começou por lhe correr de feição, mas, aos poucos, Alan voltou a ser Alan. Actuando como falso extremo (na prática é muito mais que isso), o brasileiro embrulhou o azar inicial numa bola que deixou de lado a cada movimento de ruptura que iniciava. Esteve quase a fazer um grande golo, mas a trave não deixou.

Paulão, uma opção credível
Está tapado pela eficácia da dupla Moisés-Rodriguez mas mostrou esta noite que apenas a qualidade dos companheiros de sector o afasta do onze. Previtali nem se viu e ainda foi muito a tempo de dobrar o inconstante Elderson. Por ele, esta noite, foi muito difícil passar.

João Pedro e Edivaldo, contra a maré
Numa equipa que tem sido, quase sempre, melhor a defender que a atacar, João Pedro e Edivaldo são como oásis. Peças soltas que parecem retiradas de um outro grupo e encaixadas ao lado de obreiros. Estes podem trabalhar menos, mas têm fantasia e rasgo para tentar algo diferente. Os companheiros é que não mostraram ritmo para os acompanhar.

Fábio Junior, outro regressado
Entrou no segundo tempo para render Previtali e, agora que está de volta, ainda por cima com um golo, a sentença é simples: no próximo jogo já deve ser ele a actuar no lugar do francês.

Fonte: Mais Futebol

Carlitos, Homem do Jogo para a Sport TV

Fábio Júnior: «Atraso deveu-se apenas a razões de cariz pessoal»


ESCLARECEU CHEGADA TARDIA À FIGUEIRA
 
De regresso à competição e aos golos, o avançado Fábio Júnior esclareceu o imbróglio em torno do seu atraso, garantindo que não houve desentendimento com os responsáveis da Naval e “foram questões de cariz pessoal que impossibilitaram a viagem para Portugal mais cedo”.
“O problema do meu atraso não teve nada a ver com dinheiro. Tudo o que a Naval prometeu, cumpriu. A questão foi pessoal”, garantiu Fábio Júnior, justificando-se: “A minha mãe adoeceu e, logo de seguida, a minha filha também teve um problema de saúde, pelo que não era fácil vir trabalhar com a cabeça dessa forma.”
Em relação ao desenrolar do jogo, o brasileiro gostou da atitude da Naval, mas assumiu os erros cometidos.
“Faltou alguma concentração, mas não está nada perdido e a única solução é levantar a cabeça, porque estamos determinados a cumprir os objetivos delineados”, afirmou Fábio Júnior, satisfeito com a eficácia demonstrada: “Graças a Deus entrei bem e fui feliz, mas isso foi insuficiente para o bem coletivo, pelo que saio triste pela derrota.”
 
Fonte: Record

Zvunka e o Sp.Braga: «Repetir empate do ano passado não era mau»

Treinador da Naval quer explorar eventual falta de frescura dos minhotos

Depois de não ter conseguido resistir a F.C. Porto e Sporting em casa, que argumentos terá a Naval, actual antepenúltima classificada da Liga, para surpreender os guerreiros do Minho em plena Pedreira? Victor Zvunka responde à questão do momento no universo figueirense com palavras de confiança e optimismo:

«É claro que queremos repetir o resultado do ano passado [um empate].

Fiquei contente com a equipa diante do V. Setúbal, só falhámos na finalização. Vamos tentar melhorar, mas em casa deles não será fácil.

Vi vários jogos dele e penso que podemos colocar-lhes problemas e trazer um bom resultado. Repetir o empate do ano passado, já não seria mau. Se me fiar no que produzimos com o Portimonense e em Coimbra, penso que podemos jogar bem fora.

Se não formos ingénuos, cometendo faltas desnecessárias, como aconteceu com a Académica, somos capazes de fazer um bom resultado», perspectiva o técnico francês.

Os bracarenses parecem atravessar uma fase de menor fulgor e Zvunka, atento a todos os sinais, acredita que há certos aspectos que podem ser explorados em favor da sua equipa: «É uma formação sólida, bem colocada no terreno, e que sabe gerir bem os ritmos de jogo. Precisamos de estar vigilantes e não perder bolas em zonas que nos podem ser fatais. Depois, temos de ver a frescura deles, porque começaram cedo a preparação, por causa das pré-eliminatórias da Liga dos Campeões. Já têm muitos jogos, e aqui não se trata tanto da quantidade mas da intensidade, nervos e pressão a que foram sujeitos para se qualificar. Agora que lá estão, importa perceber como vão reagir.»

Fábio Júnior é trunfo para lançar no jogo
 

Fábio Júnior é a grande novidade na lista de convocados para Braga. O avançado brasileiro, a despeito de ter faltado à pré-época e aos primeiros jogos do campeonato, foi chamado pelo treinador e poderá constituir um trunfo importante para lançar na partida.

«Ele vai jogar! Para já, está nos 18. Se o convoquei, é porque acho que ele já nos pode dar qualquer coisa. Há quase 15 dias que retomou os treinos e não começou propriamente do zero. Quando chegou, avaliei-o e vi que, fisicamente, ainda lhe faltava algum trabalho mas depois do programa que cumpriu, não direi que aguentará uma hora e meia, mas está pronto para jogar alguns bocados», revelou Zvunka.

Ao que tudo indica, por enquanto, o «dono» do lugar mais avançado da equipa continuará a ser Previtali, que foi o melhor marcador da equipa na pré-época mas tarda em estrear-se em matéria de golos em competições oficiais: «Há pressão, porque muitos esperam que ele marque. Vai melhorar. Já teve ocasiões mas infelizmente, por precipitação ou falta de destreza, não conseguiu marcar. Como nos treinos elas [as bolas] já começaram a bater nos postes, isto quer dizer que o primeiro deve estar prestes a entrar...»

Fonte: Mais Futebol

Fábio Júnior estreia-se nos convocados para Braga

Zé Mário e Simplício voltam a ser preteridos


A estreia de Fábio Júnior, jogador que protagonizou uma rábula durante a pré-época e nas primeiras jornadas da Liga, é a grande novidade na lista de convocados da Naval para a deslocação a Braga, esta sexta-feira. Apesar de se ter apresentado nos trabalhos com dois meses e meio de atraso, Victor Zvunka entendeu que o jogador já reunia condições mínimas para ser chamado para este jogo.


De fora, voltam a ficar Michel Simplício e Zé Mário, depois de terem regressado na última convocatória, registando-se ainda o retorno de Manuel Curto, que só tinha sido chamado para o jogo com o Sporting, mas acabou rendido, no dia do jogo, por Godinho devido a uma indisposição.

Lupède, apesar de voltar de castigo, continua de fora, assim como Hugo Machado, Bruno, Davide, Gomis, Jonathas e Lucas, todos por opção técnica.




Lista de convocados:

Guarda-redes - Salin e Jorge Batista;
Defesas - Orestes, Daniel Cruz, Carlitos, Real e Rogério Conceição;
Médios - Alex Hauw, Godemèche, Manuel Curto, Godinho e Giuliano;
Avançados - Fábio Júnior, Edivaldo, Previtali, João Pedro, Camora e Marinho. 


Godemèche: «O grupo está longe de pensar em crise»



EXPLICA POSIÇÃO NA TABELA POR CAUSA DE CICLO DIFÍCIL

A fechar um início de campeonato que dificilmente poderia ter sido mais exigente, a Naval defronta amanhã o Sp. Braga, vice-campeão da temporada passada, num jogo em que tentará juntar mais alguns pontos, aos 4 já conquistados.

Para Godemèche, não existem motivos para se falar em crise. “Penso que o grupo está longe de pensar em crise”, refere o médio navalista, que pede para que se observe o início de campeonato que o sorteio ditou: “Estão a esquecer-se que já jogámos contra dois candidatos ao título – Sporting e FC Porto –, e que agora vamos jogar contra o vice-campeão da temporada anterior? Além disso, a Naval tem 4 pontos, mas há quem tenha tantos ou menos e ainda não jogou contra estas equipas”.

Segundo o jogador, de 26 anos, “o Sp. Braga é uma equipa muito difícil”, e nem os últimos maus resultados dos bracarenses fazem o francês sorrir. “Não temos de pagar fatura nenhuma”, avisa Godemèche, para quem o momento atual do adversário não deve interferir na preparação da equipa de Zvunka. Os dois últimos empates no reduto do Braga – 1-1 na época 2008/09 e 0-0 na temporada anterior – são referências para este jogo, mas Godemèche quer mais: “Conquistar pontos é bom, mas a nossa intenção é vencer.”


Fonte: Record


João Pedro regressa a Braga


A partida da próxima jornada em Braga terá um sentimento especial para João Pedro, extremo-direito da Naval. Pela primeira vez na carreira irá jogar contra o clube que o formou.

«É especial este regresso. Será a primeira vez que vai acontecer. É uma equipa de grande nível, mas estou confiante. Podemos pontuar», disse o atacante, que ontem já trabalhou ao lado de Godinho, que regressou ao trabalho na equipa da Figueira da Foz, após falhar o treino do dia anterior devido a uma indisposição. 

Fonte: A Bola

Fábio Júnior às ordens


AVANÇADO FEZ PRIMEIRO TREINO DE CONJUNTO

Depois de uma semana de trabalho específico, Fábio Júnior integrou ontem, pela primeira vez, o treino juntamente com o restante plantel. Este é mais um indicador de que o treinador Victor Zvunka conta com o avançado, de 27 anos, apesar de toda a novela protagonizada neste início de temporada.

Recorde-se que o brasileiro só a meio deste mês regressou do Brasil, onde esteve sem autorização, enquanto o restante plantel já trabalha desde o início de Julho. As razões da ausência terão a ver com a vontade de sair do clube, embora tenha contrato até final da época 2012/13.

Sem a preparação adequada, Fábio Júnior tem feito duas sessões de corrida por dia, preparando-se para regressar à competição o quanto antes. Os resultados pouco animadores do início do campeonato são mais um motivo para que se acelere a recuperação do jogador que, na temporada passada, foi considerado a grande revelação da turma verde e branca.

Completa
Sem qualquer lesionado – o médio Godinho já regressou aos treinos –, Zvunka teve ontem todo o plantel disponível para preparar a viagem a Braga. Hoje, o grupo volta a juntar-se às 10 horas em Quiaios.

Fonte: Record

Fábio Júnior já assiste
A Naval treinou ontem, após o empate com o Setúbal, e o destaque vai para a integração de Fábio Júnior na peladinha. O avançado, que regressou na semana passada à Figueira da Foz, fez uma assistência, ainda que na equipa dos não titulares. Godemèche, Alex Hauw, João Pedro e Carlitos trabalharam à parte.

Fonte: O Jogo

"Mea culpa" de Edivaldo


O saldo de quatro pontos ao cabo de cinco jornadas está aquém das expectativas da Naval para este campeonato. Para o avançado Edivaldo, há culpa própria neste fraco arranque, e o jogo com o Setúbal é disso exemplo: "Criámos oportunidades suficientes para marcar.

Resultado justo teria sido vencermos, mas não fomos eficazes."

"Agora, só pensamos no próximo jogo", reagiu o atacante na ressaca do nulo com os sadinos e à partida para uma semana em que o calendário não permite pausas para folgar. O próximo teste à eficácia que a Naval tenta melhorar é já na sexta-feira, diante do Braga.

Fábio Júnior, a recuperar da ausência na pré-época, reforça a esperança de chegar aos golos quando estiver em forma. 

Fonte: A Bola

Marinho quer a titularidade



Apesar de "respeitar as opções do treinador"

Respeito, trabalho e otimismo. Estas são as palavras de ordem do extremo navalista Marinho. Trata-se de um dos jogadores mais acarinhados pelos adeptos da Naval, embora nem sempre se apresente na condição de titular na equipa de Victor Zvunka.

No jogo deste fim-de-semana, frente ao V. Setúbal, o extremo do emblema figueirense voltou a ser lançado pelo técnico já na segunda parte. No rescaldo do empate caseiro (0-0), o jogador, de 27 anos, garante “respeitar as opções do treinador” francês, mas assume que “gostava de jogar mais vezes a titular”.

Com a certeza de que “apenas com trabalho é possível estar bem para aproveitar as oportunidades que surgirem”, Marinho mostra-se otimista: “Vou dar uma resposta positiva.”

Fonte: Record

Viagem a Braga com o Coletivo Maravilhas

Sporting de Braga - Naval 1º de Maio

Sexta-Feira, dia 24 de Setembro, pelas 20h15

Preço de Bilhete + Viagem

15 Maravilhas Sócios Colectivo
20 Maravilhas Não Sócios

Saída do Estádio pelas 16h30

Divulga este evento aos teus amigos
Oportunidade de ver um belo estádio e um Grande Jogo de Futebol...

Info Line 96 292 59 88

Vem apoiar a Naval 1º de Maio

Entrevista a Diogo Pinheiro, Campeão Nacional de Skiff Pesos Ligeiros.


O Navalista esteve à conversa com Diogo Pinheiro, grande promessa do Remo Navalista e Nacional. Aqui vos deixamos a entrevista. Esperemos que gostem.




Nome?
Diogo Pinheiro 
 Idade?
23anos
 Naturalidade?
Coimbra


Gostos e Interesses

4.       Gostas de…
De estar no meio do rio, ouvir musica, passear sem destino.

5.       Não gostas de…
Estar sozinho, ficar parado durante muito tempo…

6.       Uma paixão…?
O remo e a minha namorada.

7.       Ainda estudas ou já trabalhas? (Se estudas, qual o curso e se trabalhas, qual a área?)
Estou no 4º ano de enfermagem.

8.       Qual a importância…
a)      …da tua família?
Grande apoio
b)      …dos teus amigos?
Escape!
9.      
    Como é que te auto-caracterizas?
Uma pessoa persistente.

10.   Se pudesses fugir durante um ano para uma ilha deserta levarias…? :)
Tudo o que precisasse. :)

11.   Até à data presente, fala-nos de algo que tenha tido bastante importância na tua vida?
O dia em que entrei para o remo, mudou muito a minha vida.

12.   Tiveste ou tens alguma alcunha? Se sim, qual e porquê?
Não tenho nenhuma alcunha, apenas sempre me chamaram Pinheiro devido a ser o meu último nome.

13.   Uma palavra para os figueirenses…
Que olhem mais para o remo e o apoiem, tanto o remo como outros desportos alem do futebol, porque não é apenas este que dá alegrias.

14.   Na tua opinião, o que é preciso para ser um bom remador?
Acima de tudo que se seja uma pessoa corajosa, porque não é qualquer pessoa que depois de experimentar fica para além da diversão! É preciso ter muita força de vontade e capacidade de sofrimento para se obter resultados, não só a nível nacional mas especialmente a nível internacional.

Passado

15.   Fala-nos um pouco do teu percurso no remo: por onde passaste, as dificuldades que encontraste, pessoas marcantes na tua formação, etc.
Comecei a remar no ginásio devido a este ficar perto de minha casa e na altura tinha 15 anos. Após a minha entrada na universidade começaram a surgir alguns problemas de compatibilidade e mudei-me para a Naval, onde sempre tive todo o apoio. Durante todos estes anos que remei, tive a sorte de remar com pessoas mais velhas e experientes, o qual me motivou sempre muito a treinar e talvez me tenha ajudado a evoluir como remador.

16.   Em termos de educação? Há alguma referência na tua vida? Se sim, porquê?
Tenho que agradecer aos meus pais toda a educação que me deram, tudo o que sou é graças a eles.

17.   E em termos escolares? Que tipo de aluno eras/és?
Era um aluno médio, já que sempre pus o remo à frente de tudo.

18.   Um treinador que te tenha marcado? Porquê?
Não tenho nenhum treinador para nomear, apenas posso dizer que por todos os treinadores que já trabalhei, todos me ajudaram muita na minha evolução como remador.

19.   Quais são as tuas referências em termos de remadores?
      Além de remadores internacionais que existem, posso referir dois atletas que admiro muito que são portugueses (Pedro e Nuno), pelo trabalho e resultados que tem vindo a fazer, já que são atletas que por vezes trabalho com eles de perto com muito prazer.

 
Presente

20
1.   Fala-se muito sobre o porquê de a Figueira da Foz não acompanhar com mais entusiasmo a Naval 1º de Maio em todas as modalidades? Tens alguma opinião formada sobre este assunto? 
     Talvez porque os figueirenses não sejam pessoas dadas ao clube da sua terra! Uma pergunta que é difícil de poder responder e que também gostaria de ter uma resposta mais concreta, do porquê de não haver grande apoio a nível das pessoas ou mesmo de empresas para certas modalidades como o caso do remo.

21.   Quais as dificuldades que, presentemente vês como barreiras para o crescimento do remo a nível nacional?
Talvez de falta de divulgação e de apoios, mais não me irei manifestar.

22.   Tivemos, há pouco tempo, o Campeonato Europeu de Remo em Montemor, onde conseguiste uma excelente classificação. Superaste as tuas próprias expectativas? Como te sentiste ao conseguires tão boa classificação?
Posso admitir que foi um bom resultado. Não superou as minhas expectativas devido a ser um pouco exigente comigo mesmo e tinha como objectivo os 6 primeiros. Mas fiquei bastante contente, já que tive como adversários grandes atletas que já foram campeões do mundo, que já foram a jogos olímpicos e outros que ainda são os actuais campeões do mundo e consegui andar ao nível deles e muito perto destes, o que significa que com mais trabalho e dedicação poderei andar no topo com eles. Nunca se sabe!

Futuro

23.   Tens obviamente projectos para o teu futuro pessoal? Queres falar aqui um pouco deles?
Ao nível desportivo tenho o sonho que qualquer atleta tem, que é a participação nos jogos olímpicos, mas para isso não basta apenas força de vontade e sacrifício, são necessários os apoios internos e externos.

24.   Que mensagem queres deixar às pessoas que seguem afincadamente o remo?
Que o continuem a seguir, apoiem e que façam a sua divulgação, só assim este desporto pode crescer.

25.   E àquelas que não seguem? :)  
      Assistam a uma prova de remo e vão ver que se apaixonam por este desporto.

26.   Se conheces “O Navalista”, o que achas que poderemos melhorar, num futuro próximo?
Do que eu conheço e já pude observar desde que sou atleta da Naval, penso que o site até está bastante interessante e actualizado, penso apenas que poderiam dar mais realce ao remo e não apenas ao futebol.


Desde já, agradecemos ao Diogo e responsáveis pela secção do Remo, por terem permitido que realizássemos esta entrevista.


Naval-V.Setúbal, 0-0 (destaques) Edivaldo e Carlitos mereciam mais

Edivaldo
O mais inconformado em campo. Batalhador, insistente, nunca deu um lance por perdido e tentou, várias vezes, alvejar a baliza à guarda de Diego. Num desses lances viu Hugo Leal desviar um cabeceamento seu quase sobre o risco fatal. Jogar atrás do ponta-de-lança favoreceu-o claramente, sentindo-se como peixe na água. Merecia, claramente, o golo. 


Carlitos
Merece destaque por aquilo que fez sobretudo na primeira parte com algumas arrancadas que foram autênticos «esticões» numa partida sem sal nem pimenta. Se todos tivessem tentado como ele, o encontro teria sido bem mais animado, com golos como toda a gente gosta. Na segunda parte, com menos fôlego, dedicou-se sobretudo às tarefas defensivas, com assinalável sucesso. Só mais uma curiosidade: foi o jogador com mais faltas sofridas, oito.

João Pedro
Na retina ficou um remate de meia-distância, com o seu pior pé (o esquerdo), que obrigou Diego a defesa apertada com a ponta dos dedos.






Orestes 
Estreia a titular do brasileiro, na vaga do castigado Lupède, que lhe correu muito bem. Nada de estranhar dada a qualidade e experiência deste defesa com grande capacidade no futebol aéreo. Nessa particular, esteve insuperável, contribuindo para dar tranquilidade ao sector mais recuado da equipa.








Fonte: Mais Futebol

Victor Zvunka:«Faltou-nos um pouco de clarividência»



Empate com V. Setúbal não satisfaz

Victor Zvunka mostrou-se algo desapontado com o nulo frente ao V. Setúbal. "A vitória da minha equipa justificava-se. Na segunda metade da partida fomos a equipa que mais procurou o golo", sublinhou.

"Faltou-nos um pouco de clarividência na frente da baliza adversária. Confesso que esperava ganhar este jogo. Nada tenho a apontar aos meus jogadores, apenas nos faltou um outro pormenor nos últimos 20 metros", concluiu o técnico francês.


Fonte: Record

Naval 1º de Maio - Vitória de Setúbal (Siga em Directo)




Boa Tarde a todos Os Navalistas.... Aqui se encontra mais uma vez O Navalista a fazer o directo do jogo da 5ª Jornada da Liga Zon Sagres 2010/2011.

Uma tarde bem agradável, bancadas ainda despidas, com os jogadores em campo para o aquecimento inicial. Para Hoje a Naval aposta no seguinte 11: Salin; Carlitos, Orestes, Rogério Conceição e Daniel Cruz; João Pedro, Godemèche, Hauw e Camora; Edivaldo e Previtali.

Suplentes: Jorge Baptista, Zé Mário, João Real, Godinho, Giuliano, Marinho e Michel Simplício.

Para a equipa do Vitória de Setúbal aposta no seguinte 11:  Diego; Ney Santos, Valdomiro, Ricardo Silva e Anderson do Ó; Weliander Silva; Hugo Leal, Zé Pedro e Miguelito; Pitbull e Henrique.

Suplentes: Getúlio Vargas, Collin, Michel, Zeca, Neca, Regula e Sassá.

O Árbitro será Rui Costa, que terá como auxiliares Serafim Nogueira e Tomás Santos. Quarto Árbitro João Lamares.


As equipas já estão a entrar em campo......

As equipas já se encontram em posição no relvado e a bola a pertencer à Naval. E Apita o árbitro, segura a Naval a posse de bola. Grande Apoio inicial do nosso Colectivo Maravilhas. Cantar Cantar sem parar, força Maravilhas.

Naval a criar alguma pressão inicial, mas jogo muito divido pelas equipas.

Apenas uma nota a Naval perdeu o ano passado em casa com um golo de Kazmierczak, por parte dos sadinos. Que a Naval tente inverter esta tendência e que ganhe mais três pontos que seriam muito preciosos nesta altura.

Em campo as coisas estão amenas e muito pálidas de parte a parte, nada de ataques com perigo, tudo muito fechado e com muito medo de abrir o jogo. Vamos aguardar que se inverta este tipo de jogo, e se jogue mais  abertamente.

Jogo com poucas faltas, e pequenas jogadas de perigo mas sem qualquer perigo para as balizas.

A Naval a conseguir ir atingir a área do Setúbal e a ganhar canto. Na cobrança do canto um Grande Remate de João Pedro, pé esquerdo, a obrigar Diego a uma grande defesa.

44% posse de bola para a Naval, a ser o Setúbal a aguentar mais a posse de Bola.

Livre para a Naval, falta sobre Carlitos quando se preparava para rematar. Livre Directo, que vai ser marcado, por Camora. Remate rasteiro a bater na defesa.

Canto para a Naval, marcado e foi carregando o Guarda-Redes da equipe adversária em falta.

Victor Zvunka mantém o seu esquema táctico dos encontros anteriores de 4x2x3x1. Manuel Fernandes arrisca mais na táctica 4x1x3x2.

Jogada de ataque para a Naval, bola a sobrar para Godemèche este a rematar alto e para longe. Sei efeito esta recuperação de bola.

O Setúbal, a pressionar, com a Naval bem na defesa. Ataque para Naval, Carlitos a recuperar a bola a meio campo a rematar mas sem perigo.

Naval ganha livre directo mesmo à entrada da área do Setúbal. Feita a sua marcação, por Edivaldo, mas defesa da barreira. De referir cartão amarelo para Nelson do Ó. (Setúbal).

Surge agora uma jogada da Naval com Carlitos a cruzar da Direita e Camora de cabeça, muito próximo de chegar ao golo, guardião Diego a agarrar bem.

Novamente Camora em plena área, após centro de João Pedro a tentar encher o pé mas sem resultado.

Que confusão na área da Naval! Godemèche hesita num corte, acabando por derrubar  um adversário na área, mas o árbitro interrompe a jogada devido a uma pretensa falta ofensiva!

45 minutos decorridos, o árbitro concede 1 minuto de compensação.

Intervalo No Bento Pessoa. A Naval a espreitar várias vezes no jogo a baliza do Setúbal. A equipa Sadina a responder também com alguns lances, sem sucesso. O Navalista irá fazer uma pequena pausa no directo mas já regressará para novas informações. Até Já e que a Naval volte mais motivada para a segunda parte. Força Naval.

Equipas regressam do balneário, e todos a colocarem-se nas posições correctas.

Arranca a segunda parte, com bola para a equipa Sadina.

No Setúbal sai Anderson, entra Meca.

Arranque de Carlitos pela área dentro mas sem qualquer sucesso. Canto para a Naval, já marcado mas sem perigo para a baliza de Diego. Setúbal a responder logo se seguida com remate se Zé Pedro, mas sem dificuldades para Salin.

A Naval a demonstrar que tem vontade, mas a falhar muito na finalização.

Agora a equipe sadina a ir à área da Naval e a causar alguns estragos, mas Salin a fazer uma grande defesa. Mas que grande defesa!!

Naval volta a dar corda ás chuteiras e a contra-atacar e Edivaldo a fazer um lindo remate de longe, mas muito alto. Bem a Naval a subir no terreno e a causar dificuldades aos visitantes.

Novamente Carlitos a subir no terreno rapidíssimo, sofrendo falta de Miguelito (Setúbal)

Substituição na equipa do Setúbal Sai Henrique entra Zeca. 59 Minutos decorridos.

Canto para a Naval depois de um contra-ataque, canto cobrado, com defesa atenta ,sem sucesso. Jogo mais aberto mas a Naval a subir com tudo e a causar grande dificuldades ao Setúbal. Ganha canto, sendo marcado por Camora e Jonathas de cabeça, quase... quase... a conseguir abrir o marcador, mas defesa atenta do guardião do Setúbal, que desvia a bola para a grande área.

Na Naval entra Marinho e saí Camora ao minuto 65 da segunda parte.
No Setúbal entra Sassá sai Zé Pedro.

Agora o Setúbal com Grande remate de Pitbull que não passa nada longe do poste esquerdo da baliza de Salin! Ai Ai Ai uma pequena desatenção da Naval que poderia custar caro.

Voltamos a ter um jogo repartido, sem sal com mais pressão do Setúbal.

Jogada estudada dos sadinos, com passes pé para pé, mas sem eficácia na finalização e Salin a agarrar bem o esférico.

Naval na resposta com Bom trabalho de Previtali, a rodopiar e a chutar para defesa por instinto de Diego!!

76 minutos de corridos, com uma assistência muito fraca hoje "712".

CARTÃO AMARELO para Daniel Cruz..

Naval faz substituição entra Edivaldo e para o seu lugar entra Michel Simplício.

Outra Substituição saí Alex Hauw e entra para o seu lugar Manuel Godinho.

Naval arranca livre do lado direito, agora cobrado por Carlitos, a centrar para a área, mas Diego a segurar bem. Bola bombeada para área da Naval com perigo, mas o avançado do Setúbal a carregar em falta o defesa da Naval.

Jogada individual de Simplício, que embala de trás mas finaliza com um remate à figura de Diego! 89 minutos decorridos.

Falta de Rogério Conceição, mas cartão amarelo para Godemèche. Livre para o Setúbal, já marcado mas sem perigo defesa confortável da Naval.

4 minutos de compensação para o final.


Chega ao fim o encontro entre Naval - Setúbal.. Primeira parte bem amena e longe se mostrar bom futebol paras ambas as equipas. Chega-se ao intervalo e com o resultado 0-0, no marcador. As equipas mostraram pequenos lançes de perigo, mas nada chama-se os guardiões ao serviço.

Chegando a segunda parte mudou imenso o ritmo de jogo, com a Naval a procurar a vantagem, mas sem sucesso. Construiu jogadas bonitas por Carlitos do lado direito, mas na concretização a falhar imenso e a não conseguir desestabilizar a defesa Sadina.

 A Mostrar realmente o objectivo do treinador, mas o futebol no ataque a não se concretizar na perfeição.

Já o Setúbal por várias vezes ameaçou a baliza da Naval, com alguns remates de longe, por Zé Pedro e também Pitbull a proporcionar perigo para a defesa Navalista. No fim o resultado manteve-se 0-0, e também a divisão de pontos paras as equipas. O Navalista irá estar presente no próximo jogo em casa e sempre para apoiar a Naval em todas as vitórias e derrotas. FORÇA NAVAL, estamos aqui para te apoiar.

Um muito obrigado dedicado ao Colectivo Maravilhas que por todo o jogo apoiou sempre a sua equipa ao máximo da sua voz e também obrigado a todos os que seguiram ONavalista.

Camora: «Um jogo difícil»


Avançado antevê partida com V. Setúbal

Camora considerou hoje que o facto de o seu clube nunca ter vencido o Vitória de Setúbal em casa não é relevante para o encontro de domingo, referente à quinta jornada da Liga.

"Vai ser um jogo extremamente difícil e determinante", assegura, acrescentando: "São duas equipas de valor semelhante que querem quanto antes conquistar o maior número de pontos possível".

A história competitiva entre os dois emblemas teve início em 1992/93 - em jogo da Taça de Portugal - as estatísticas registam que os sadinos nunca saíram derrotados da Figueira da Foz.

"São factos e números que constam das estatísticas, em futebol nada se repete, vamos abordar o jogo com o pensamento na vitória e não preocupados com histórias e factos passados" vincou.

O facto de a Naval ter saído derrotada nas duas últimas jornadas -- Sporting, 3-1 e Académica, 3-0 - foi já assunto de "reflexão pela equipa" salientou o avançado concluindo, "discutimos o que havia a discutir, agora vamos pensar no futuro de forma positiva e ambiciosa".
O extremo navalista garante que a equipa tem argumentos para vencer a turma sadina, "vamos ser uma equipa unida, reforçar os níveis de concentração e acima de tudo ser muito ambiciosos".

A Naval, 14.ª classificada, com três pontos, e o Vitória de Setúbal, 11.º, com cinco, defrontam-se no domingo pelas 17 horas na Figueira da Foz, partida que será dirigida pelo árbitro do Porto, Rui Costa.

Fonte: Record

Fábio Júnior chegou 77 dias atrasado

Finalmente, o treinador da Naval, Victor Zvunka, pôde contar com o brasileiro Fábio Júnior num treino. O avançado, contratado em Janeiro e uma das revelações da passado edição da I Liga, começou ontem a trabalhar, numa sessão que decorreu à porta fechada, 77 dias depois do arranque da época navalista.

Na origem dos sucessivos adiamentos da viagem entre o Brasil e Portugal está, como O JOGO adiantou na sua edição de terça-feira, o pagamento ao atleta de uma verba que os dirigentes navalistas recusaram enviar para o Brasil.

Fábio Júnior tem contrato com a Naval até 2013 e começa agora com um grande atraso relativamente aos companheiros. Para ele, iniciou-se agora a pré-temporada. Aliás, na sessão de ontem o avançado não trabalhou com os restantes, tendo calçado sapatilhas para fazer corrida, e foi proibido de falar à comunicação social.

www.naval1demaio.net

Se Fábio Júnior não pôde falar, já Marinho, seu companheiro de equipa, mostrou-se disposto a abordar o regresso do atacante.

"A qualidade do Fábio não está em causa. Não é segredo que é um colega cheio de qualidade", comentou sobre o brasileiro, dizendo também que a prolongada ausência de Fábio Júnior é "assunto entre ele e a Direcção".

Quanto à recepção que lhe foi feita, Marinho não escondeu que "foi recebido com alegria". "Espero que venha para nos ajudar a concretizar os nossos objectivos", finalizou.

Fonte: O Jogo

Verdadeiros motivos para o braço-de-ferro


Fábio Júnior regressou finalmente à Figueira da Foz

O momento é de reconciliação. Fábio Júnior regressou à Figueira da Foz, depois de dois meses e meio de atraso, tendo participado ontem no treino que o plantel realizou em Quiaios.

Mas afinal quais foram os motivos que levaram a que se criasse esta novela? Em primeiro lugar, naturalmente, a vontade do jogador brasileiro. Fábio Júnior regressou ao Brasil para um período de férias, mas os recentes capítulos revelaram que o avançado estava pouco recetivo para voltar a representar a Naval.

Mas este não foi o único argumento da história. Quando chegou à Figueira da Foz, Fábio assinou um contrato válido por seis meses. Após esse período – em que mostrou qualidade acima da média –, o avançado renovou até final da época 2012/2013. Tudo parecia ter sido feito de forma correta, não fosse um pormenor.

Convites. No período entre o final do primeiro contrato e a entrada do segundo na Liga – dias em que, para aquele organismo, Fábio Júnior seria um jogador livre – alguns clubes, como o Sp. Braga e o Sporting, mostraram interesse em contratar o brasileiro. Sabendo do assédio, Fábio tentou a desvinculação, mas nunca da melhor forma, ou seja, nunca falou, pessoalmente, com o presidente Aprígio Santos.

Frustrado por não ter conseguido dar o “salto”, Fábio Júnior, de 27 anos anos, pediu então que lhe fosse dado um “prémio extra” – segundo Record apurou, na ordem dos 50 mil euros –, valor que a Naval sempre recusou pagar, pelo menos antes de o jogador se apresentar na Figueira da Foz.

Fonte: Record

Naval: Fábio Júnior já «aquece» para o regresso



Avançado brasileiro deu início a plano personalizado de preparação

Fábio Júnior cumpriu esta quinta-feira, em Quiaios, o primeiro treino da época com o plantel da Naval. Numa sessão à porta fechada, o avançado brasileiro deu início a um plano personalizado de preparação, essencialmente corrida contínua, de modo a compensar o longo período de paragem (desde meados de Maio).

Não se sabe quando é que o brasileiro estará apto a voltar à competição, embora a vontade dos responsáveis navalistas seja colocá-lo a jogar o mais rapidamente possível, até porque a equipa está a necessitar de golos e pontos para subir na tabela.

Sendo baixa certa - além da de Lupède, castigado - para o encontro deste domingo, diante do V. Setúbal, o jogador vai continuar a fazer trabalho específico, em silêncio, já que não está autorizado a dar entrevistas. Na esfera privada do clube deverá ficar também um eventual procedimento disciplinar devido à apresentação tardia do atleta.

A Naval, recorde-se, nunca ganhou à equipa do Sado em casa - em nove jogos, contabiliza sete derrotas e dois empates -, um mau prenúncio numa altura em que a equipa ainda procura a primeira vitória intramuros.