Remadores sempre em grande destaque



Medalha de bronze para remador da Naval em Bordeus.
O Luis Lopes alcançou o 3º lugar em sikff e o Manuel Silva a timonar o shell 8 class em 4º lugar.
Já os dois juntos em double classf. em 5º lugar.
Já ontem o Diogo Pinheiro se tinha class. 10º lugar na Taça do Mundo em Munique.

Fonte: Naval Remo (Facebook)

Marinho procura clube de maior ambição


Depois de quatro temporadas na Figueira da Foz, Marinho gostava de continuar a jogar em Portugal, mas não fecha a porta a uma boa proposta do estrangeiro.
Os principais jogadores do plantel da Naval 1º de Maio, equipa recém-despromovida à segunda Liga do futebol português, estão em debandada.
Depois de quatro anos na Figueira da Foz, o médio ofensivo Marinho, de 28 anos, é um dos atletas que está de saída.
Formado no Sporting, Marinho entende que depois de se ter afirmado na 1ª Liga é altura de partir para um clube de maior ambição, seja em Portugal ou no estrangeiro.
“Todos os jogadores têm ambição e eu tenho a minha ambição também. Obviamente que gostaria de continuar na 1º Divisão ou mesmo poder sair para o estrangeiro. O futuro será resolvido nas próximas semanas”, adianta Marinho.
Quanto à Naval, o clube desceu de divisão mas pode regressar rapidamente ao convívio dos grandes, acredita Marinho.
“O presidente já assumiu que é o principal objectivo. Conhecendo o presidente, não duvido em nada que será o principal objectivo e que ele o irá cumprir”, conclui o jogador.
Fonte: Bola Branca

Plantel terá base da Liga Orangina

Mesmo que nas últimas semanas os pressupostos para a inscrição na Liga, a indefinição na equipa técnica e a provável saída de muitos jogadores tenham sido as principais notícias na Naval, no clube também há quem pense na definição do plantel da próxima época. O presidente Aprígio Santos quer um grupo com experiência competitiva. Assim, e a juntar-se ao lote de jogadores valiosos que importa segurar - como Carlitos, Curto ou Fábio Júnior -, tentará recrutar reforços com um passado recente na Liga Orangina. A ideia é ter plantel que saiba o que vai encontrar, num campeonato sempre tão competitivo e exigente. Contratações do género das de João Pedro e Godinho, feitas, há um ano, à Oliveirense, poderão aumentar. Contudo, os potenciais alvos da Naval ainda não foram contactados, pois a Liga Orangina terminou ontem e Aprígio Santos não quis iniciar negociações numa fase decisiva do campeonato secundário.

Fonte: O Jogo

Orestes nega Ergotelis

Central garante estar a caminho... do Brasil, para passar as férias


O central Orestes está a ser apontado por vários jornais na Grécia como possível reforço do Ergotelis, que estaria à espera do jogador da ilha de Creta até à próxima sexta-feira. Contactado pelo Maisfutebol, o defesa confirmou estar no Aeroporto de Lisboa, mas com destino à terra natal, para passar as férias.

«Vou apanhar o avião para o Brasil e tenho de me apresentar dia 25 de Junho na Figueira da Foz. É a única coisa que sei. Tenho mais uma época de contrato e vamos ver o que acontece», referiu, negando qualquer intenção de rumar à Grécia e mostrando-se, aparentemente, tranquilo quanto à possibilidade de jogar na Liga de Honra. 

Orestes é um dos poucos jogadores do plantel navalista ainda com contrato para a próxima temporada, depois de ter conhecido um ano de altos e baixos. Mais utilizado com Rogério Gonçalves, chegando a ostentar a braçadeira de capitão, o brasileiro acabaria por «cair em desgraça» com Carlos Mozer, que raramente o convocou.


TRÊS REMADORES DA NAVAL NA SELECÇÃO NACIONAL

Diogo Pinheiro na Taça do Mundo de Munique

O remador da Naval – Diogo Pinheiro – já se encontra no estágio da Selecção Nacional a ter lugar no
Pocinho com vista à sua participação em Skiff Peso Ligeiro Masculino na Taça do Mundo de Munique
que terá lugar de 26 a 29 de Maio.

Esta regata é muito importante para o remador navalista, uma vez que a sua participação nos
Campeonatos da Europa e do Mundo desta época está dependente dos resultados agora obtidos.
O Diogo assim como os responsáveis da Naval estão convictos de uma boa classificação após as vitorias
que alcançou nas Regatas Internacionais da Queima das Fitas e de Gondomar.

Luis Lopes e Manuel Silva na Regata Internacional de Bordéus
No próximo dia 25 é a vez dos remadores Luis Lopes e Manuel Silva partirem para Bordéus de modo a
participarem na Regata Internacional daquela cidade francesa.
A Regata Internacional de Bordéus é uma das mais importantes e participadas no escalão de juvenis.
Nesta regata os remadores navalistas irão competir em vários tipos de barcos durante os dois dias de
competição.

Fonte: Associação Naval 1º de Maio - Departamento de Remo

Salin também pediu a rescisão

Guarda-redes francês segue exemplos de Manuel Curto e Hugo Machado. Futuro passa por continuar na Liga portuguesa.


Afinal já são três os jogadores que pediram a rescisão na Naval. Depois de Manuel Curto e Hugo Machado, tal como o Maisfutebol adiantou, havia outro jogador na calha para seguir as mesmas pisadas: Romain Salin. O guarda-redes, titularíssimo ao longo da época, alega os mesmos motivos dos colegas, dois meses de salários em atraso.

O francês tinha mais um ano de contrato e, na perspectiva de poder ficar livre, quer continuar em Portugal, tendo dado instruções claras nesse sentido ao empresário, Gaspar Freire. Caberá agora, claro está, à Comissão Arbitral Paritária julgar o caso e decidir se o guardião tem, ou não, justa causa para terminar a ligação.

Já se sabia que a esmagadora maioria dos atletas em final de contrato não iria ficar na Figueira e, aos poucos, vão sendo conhecidos os destinos de cada um. Daniel Cruz vai jogar no Gabala, do Azerbaijão, Camora no Cluj, da Roménia, e Marinho está nos planos do Paços de Ferreira, enquanto João Real, tal como Salin, pretende continuar a jogar na Liga. Certo, é o regresso do jovem guardião Diego Silva ao Sp. Braga, que decidirá onde colocá-lo, depois de meia época de empréstimo.

Faltará ainda saber para onde irão Gomis, Alex Hauw, Godemèche ou Bruno Moraes, atendendo ainda que também Tiago Rosa, Carlitos e Davide terminam contrato mas não se sabe se irão renovar. Como é natural, outros jogadores, com contrato mas com mercado, poderão sair, casos de Fábio Júnior, Bolívia ou Simplício.

Noutro âmbito, o clube chegou a acordo com Gilmar, para o pagamento dos 66 mil euros reclamados pelo ex-jogador e capitão dos figueirenses, evitando assim o processo de insolvência. Serão pagas duas prestações, de 33 mil euros, uma no imediato e outra até final de Junho.


Camora (ex-Naval) assinou por três épocas com o Cluj

Lateral deixa a Figueira depois de duas épocas e meia.


O lateral esquerdo Camora assinou esta terça-feira por três épocas com o Cluj, clube romeno que aposta na conquista do título para a próxima época, mantendo a política de recrutar jogadores do campeonato português. 

Depois de anunciar Jorge Costa, como treinador, além de Sougou, Lionn e Renan, os romenos levam agora um polivalente, capaz de fazer todo o corredor esquerdo, e que terá, aos 24 anos, a primeira experiência da carreira no estrangeiro.


Daniel Cruz ruma ao Azerbaijão

O lateral brasileiro terminou ciclo de três anos na Naval e avança para novo desafio. 


Daniel Cruz colocou um fim na sua ligação com a Naval e vai representar 
o Gabala FC. O compromisso com o clube do Azerbaijão está desde há muito assumido 
- o jogador esteve a prestar provas em Inglaterra em Janeiro, altura em que o Gabala estagiou naquele país - mas a sua saída na altura obrigava a compensação financeira. 



Terminado o contrato, o Gabala consegue a contratação do lateral a custo zero.


Fonte: A Bola

Naval vende Diego Ângelo ao Eskisehirspor

Central brasileiro estava emprestado ao clube turco, que decidiu exercer a opção de compra. Transferência rende cerca de 500 mil euros.


A Naval está prestes a concluir a venda de Diego Ângelo aos turcos do Eskisehirspor, a quem havia sido emprestado no início da época passada. As exibições do central convenceram os dirigentes - ainda este domingo o brasileiro marcou na goleada (4-0) ao Kasimpasa -, que decidiram exercer a opção de compra, por um valor a rondar o meio milhão de euros.

O empréstimo do jogador já tinha rendido ao clube da Figueira cerca de 400 mil euros e, com a entrada de dinheiro fresco, ficarão cobertos os salários de Março e Abril, a pagar em quatro prestações até final de Julho, conforme acordo estabelecido com a maior parte do plantel. 

Há, no entanto, quem não tenha aceitado os pagamentos faseados, como Hugo Machado e Manuel Curto, que já enviaram as respectivas cartas de rescisão com base nos atrasos salariais. O último, é pretendido por um clube suíço. 


Curto e Machado tentam rescisão






Manuel Curto e Hugo Machado terão iniciado processos de rescisão de contrato com a Naval, através do Sindicato dos Jogadores, alegando ordenados em atraso.

O clube afirma desconhecer a situação, mas adiantou que, a ser verdade, «a falta de carácter dos dois jogadores não surpreende».

Fonte: A Bola


Camora de saída a caminho do Cluj




Lateral despediu-se do grupo e vai jogar na Roménia sob o comando de Jorge Costa.

Camora despediu-se ontem do clube onde actuou nas últimas três épocas. O lateral está a caminho do Cluj (Roménia), equipa orientada por Jorge Costa. 

«Já tenho acordo e falta formalizar apenas alguns pormenores. Estou agradecido à Naval e espero que volte à Liga muito em breve», desejou.

Fonte: A Bola

Naval tenta acordos para validar inscrição da equipa

Aprígio Santos reúne-se este sábado com os jogadores que ainda não aceitaram a forma de pagamento dos dois meses de salários em atraso


Final de época atribulado na Figueira. Não apenas pela descida de divisão mas por causa das dificuldades em conseguir da parte do plantel as inevitáveis assinaturas que comprovem à Liga a não existência de dívidas.

A maior parte do grupo aceitou receber Março e Abril através de cheques pré-datados (descontáveis a partir de 1, 30 de Junho, 15 e 30 de Julho), mas, apurou o Maisfutebol, um grupo de seis a sete atletas recusou o pagamento desta forma. 

Assim sendo, o presidente Aprígio Santos irá reunir-se este sábado com os jogadores em causa para tentar chegar a um acordo em moldes diferentes. Alguns deles, estão dispostos a colaborar mas apenas se for liquidada já uma parte da dívida.

De outra forma, adivinha-se um braço de ferro para obter a declaração essencial à validação da inscrição da equipa na próxima época na Liga de Honra. Os procedimentos foram cumpridos na passada segunda-feira, com entrega da documentação necessária, mas sem a prova da liquidação dos ordenados, tudo fica em causa.

Para agravar as coisas, apurou o Maisfutebol, alguns jogadores poderão avançar com pedidos de rescisão por causa destes atrasos. Também Gomis, em entrevista a um site francês, garantiu que irá meter o clube em Tribunal. Tudo isto no dia em que Camora, em final de contrato, falou da proposta do Cluj e da perspectiva de ser treinado por Jorge Costa. 


Tiago Rosa fratura perónio

LATERAL LESIONOU-SE NUM TREINO


Tiago Rosa fraturou o perónio direito durante um treino da equipa figueirense e pode ter comprometido o início da próxima temporada.
O lateral lesionou-se numa disputa de bola com Real, mas não será submetido a qualquer intervenção cirúrgica, afirmou o médico Pedro Santos, acrescentando que o jogador vai ficar "imobilizado nas próximas 6 semanas".
"Após este período dar-se-á início a um período de recuperação de cerca de 4 semanas, pelo que, o regresso à competição deverá ocorrer no início do mês de agosto", referiu o clínico.
Tiago Rosa termina contrato com a formação da Figueira da Foz no próximo dia 30 de junho, mas está entre os jogadores com quem o clube deseja renovar contrato.
Fonte: Record

Debandada geral pode levar Mozer

Clube tem 13 jogadores em final de contrato e mesmo o treinador, que assinou por época e meia no final de Dezembro, não tem a continuidade assegurada.


A descida de divisão irá provocar uma reestruturação do futebol profissional da Naval, que irá passar por tempos difíceis face à previsão de receitas bem mais exíguas e outras perdas. 

Além disso, é preciso regularizar os salários, actualmente com dois meses de atraso, e só fazendo prova de não ter dívidas será possível à SAD ser aceite pela Liga para disputar a Liga de Honra. 

Do ponto de vista desportivo, com 13 jogadores em final de contrato, adivinha-se uma autêntica debandada da Figueira. De saída pode estar também Carlos Mozer, a despeito de ter mais uma época de contrato. 

A dúvida deverá ficar desfeita esta quarta-feira, quando a equipa retomar os treinos. Há muitas questões por resolver, numa altura em que os jogadores ainda não foram informados, sequer, do calendário de férias.

Dos atletas com vínculo a expirar, apenas dois ou três (Carlitos, Tiago Rosa, Daniel Cruz e Davide estarão no lote) deverão aceitar renovar. Gomis, é certo, está de saída, assim como Diego Silva (regressa após empréstimo do Sp. Braga), João Real, Camora (tem propostas da Roménia), Godeméche, Alex Hauw, Marinho e Bruno Moraes, todos com mercado. 

Depois, há aqueles que, com contrato, auferem ordenados incomportáveis para a divisão onde a equipa passará a estar enquadrada, havendo necessidade de renegociar condições ou acertar rescisões.


Aprígio Santos: «Só fica quem quer»

NAVAL PREPARA REESTRUTURAÇÃO DO PLANTEL


“Estarei muito mais perto da equipa no próximo ano. Tudo vai passar por mim.” Aprígio Santos não tem dúvidas sobre o que vai mudar na Naval na próxima época, no regresso à Liga de Honra, mas ainda tem questões pendentes sobre a restruturação do plantel, cujo objetivo será o de regressar o mais depressa possível à 1.ª Liga.
Entre atletas em final de contrato – 13 no total – e jogadores com grande possibilidade de rescindirem contrato – casos de Fábio Júnior, Bolívia e Simplício – muitos serão os que vão terminar o ciclo na Figueira da Foz. “Todos eles têm a minha palavra. Só fica quem quer e quem quiser sair... sai”, reforça o presidente, para logo deixar um aviso: “Só quero que sejam sérios comigo, tal como eu sou com eles. Quem não o for, vai ter resposta na mesma moeda.”
Fonte: Record

Jaime treina-se à experiência


Médio luso-francês de 20 anos foi a surpresa no regresso ao trabalho do plantel.

Jaime, médio luso-francês, de 20 anos, que foi formado nas escolas do Estrela Vermelha (Sérvia), juntou-se ontem ao plantel para cumprir um período de experiência na equipa figueirense. Entretanto, o clube equaciona a renovação com jogadores como Fábio Júnior, Michel Simplício e Bolívia, que já foram abordados para continuar na Figueira da Foz.

Fonte: A Bola

Continuidade de Mozer por decidir

Preparação da nova temporada está já em andamento. Treinador é a maior dúvida. 

Com a descida de divisão já garantida, os figueirenses deslocaram-se ontem (segunda-feira) às instalações da Liga Portuguesa de Futebol para proceder à inscrição da equipa na edição 2011/2012 da Liga de Honra, onde o objectivo passa por alcançar a subida e consequente regresso ao convívio com os grandes.

O presidente do emblema da Figueira da Foz, Aprígio Santos, afirmou que a preparação para a próxima temporada está já em andamento, sendo a continuidade de Mozer como treinador a principal dúvida.

Fonte: A Bola

Moraes desconhece futuro



Na Naval 1.º de Maio, existem 13 jogadores em final de contrato. Bruno Moraes é um dos que ainda não sabe como será o futuro. 

«Estou disponível para conversar com mais profundidade sobre este assunto, pois até ao momento só existiram contactos exploratórios. Aqui ou no estrangeiro quero continuar a minha carreira, após tempos complicados na minha carreira.» 

Fonte: A Bola

Mira lamenta ocasiões perdidas

Mozer, treinador da Naval voltou a delegar em Fernando Mira a missão de analisar o jogo:

«Foi um bom jogo de futebol, duas equipas de qualidade, uma foi mais feliz e fez três golos, a outra continua a construir oportunidades e não marca. E é só disso que nos podemos lamentar.

Esta equipa desce de divisão porque fez uma primeira volta desastrosa, a segunda foi bem diferente para melhor e todos nós chegámos a acreditar que era possível. De uma forma geral, demonstramos qualidade e organização mas falhámos cmuitas vezes no capitulo da finalização.

Esta descida é um grande tombo para este clube com 118 anos e liderado por uma pessoa muito dedicada»

Naval-V. Guimarães, 0-3 (destaques)

Giuliano merecia mais
Quem viu os últimos dois jogos da Naval só pode perguntar uma coisa: por que razão Giuliano só foi titular por quatro vezes está época? O médio foi o grande criador de uma equipa que em todo o campeonato não teve um 10 e certamente merecia mais oportunidades. Incompreensível também a sua saída a meio da segunda parte, porque a Naval ressentiu-se (e muito) de não ter em terrenos adiantados alguém com esta visão de jogo. 

Naval-V. Guimarães, 0-3 (crónica)

Os minhotos fizeram na Figueira da Foz um bom jogo de preparação para a final da Taça de Portugal, no próximo fim-de-semana.

Igual a si próprio, com futebol pouco bonito mas eficaz. Foi assim que o V. Guimarães carimbou a quinta posição final nesta edição da Liga à custa de um resultado volumoso na Figueira da Foz. Os três golos sem resposta disfarçam as dificuldades pelas quais os homens de Manuel Machado durante a primeira parte, período em que ainda chegaram a cair para o sétimo lugar, durante cerca de dez minutos.

A Naval, despromovida desde a semana passada, teve brio, atitude e vontade, mas voltou a não ser eficaz na hora de atirar à baliza. É verdade que as ocasiões não foram das mais flagrantes, mas foram quase sempre os figueirenses a estar por cima na meia hora inicial, muito graças às arrancadas de Simplício e à visão de jogo de Giuliano. O problema para a Naval foi quando apareceu Jorge Ribeiro; o médio já estava a ser um elemento preponderante no meio-campo, mas depois decidiu assumir o papel de decisor.

Primeiro, à passagem da meia hora, recebe um passe de Anderson e faz um golaço num remate sem preparação a uns bons 25 metros da baliza; depois, concluiu uma jogada de contra-ataque bem gizada a aproveitar um mau posicionamento da defesa figueirense. Assim, em sete minutos, o V. Guimarães resolvia um problema que podia ter sido bem bicudo, recuperando o tal quinto lugar que estivera em risco pelas vitórias do Nacional e do P. Ferreira.

Mais um golo, mesmo com a cabeça no Jamor

A perder por dois golos, cabia à Naval ripostar. Mais uma vez não se pode acusar os pupilos de Mozer de não terem feito o que podiam, mas nem sempre a sorte os acompanhou. Para os visitantes era altura de deixar o tempo correr e foi o próprio Manuel Machado a dar a ideia de já estar a pensar na final da Taça de Portugal, retirando de campo Jorge Ribeiro, Toscano e Faouzi. E quando houve apertos, Nilson, Freire e João Paulo estiveram sempre lá. Mesmo assim, o Vitória ainda conseguiu dar contornos de goleada a esta consagração do 5º lugar, graças ao terceiro golo apontado por Edgar. O melhor marcador da equipa parece ter querido deixar uma mensagem ao treinador de que pode contar com ele para o Jamor, já que esta capacidade concretizadora não é de desaproveitar.

Feitas as contas, a Naval acaba com mais posse de bola, mais remates e até mais oportunidades, embora menos flagrantes. Mas são os minhotos a terminar o campeonato com um triunfo bem gordo, à custa de uma equipa com um plantel suficiente para alcançar a permanência, mas muito tenrinha e que se despede da Liga com quatro derrotas. Um claro sinal de que o toque de Mozer na equipa já não era o de Midas como há uns meses. 

 

Fonte: Mais Futebol 

 

Não há acordo com Gilmar

PROCESSO DE INSOLVÊNCIA PROSSEGUE


O Tribunal da Figueira da Foz começou terça-feira a discutir o processo de insolvência da Naval, colocado pelo ex-jogador Gilmar, que reclama uma dívida de 60 mil euros, sem que tenha havido acordo.
Antes da sessão, a advogada da Naval avançou com uma proposta de pagamento faseado dos montantes em dívida, recusada pelo advogado do médio brasileiro, que representou o clube entre 2005 e 2009.
"Foi sugerido um acordo prestacional, mas a indicação que eu já tinha dado à Naval e aos seus mandatários era que o jogador não estava disposto a aceitar pagamentos faseados", disse Gonçalo Ribeiro, advogado do ex-jogador.
A proposta da Naval passava pelo pagamento imediato de uma quantia não revelada e a restante em três prestações, o que foi recusado. O advogado do jogador fez uma contraproposta - o pagamento em duas prestações -, que também "não foi aceite", afirmou.
"Estamos a falar de uma entidade que está, por assim dizer, em risco de um processo de insolvência, temos de ter uma garantia. Não vou desistir de um processo destes tendo por base apenas e só as boas intenções da Naval, que, como vimos, ao longo de 3 anos, não se concretizaram", argumentou.
No entanto, Gonçalo Ribeiro manifestou que o seu cliente está "disponível para aceitar" um eventual acordo.
"O Gilmar é uma pessoa de bem, foi capitão da Naval durante vários anos, só tem uma palavra. Estamos nesta fase não por vontade do Gilmar. Desde 2008 tudo fez para que o processo fosse resolvido sem recurso as instâncias judiciais, mas não conseguiu", lamentou.
Terça-feira, no final da primeira sessão da insolvência - uma audiência definida pela juíza como "uma base de trabalho para um julgamento", e onde foram dirimidas questões técnicas -, Gonçalo Ribeiro disse ter requerido a junção de mais documentos aos autos por parte da Naval, considerando que os documentos apresentados pelo clube aquando da oposição ao processo "não são suficientes".
"Aquilo que o Gilmar diz é que a Naval não tem meios económicos que lhe permitam garantir o pagamento das suas obrigações e a Naval diz que não, que tem solvabilidade. Na minha ótica, os documentos juntos não são suficientes para fazer essa prova e entendo que há determinado tipo de prova que só pode ser feita por documentos", frisou.
Já a advogada da Naval, Maria João Rodrigues, recusou comentar o processo, apenas afirmando que o acordo com o ex-jogador "não foi possível por várias situações", que não especificou.
A próxima sessão está agendada para dia 23, às 14:45, com audição da única testemunha arrolada pelo mandatário de Gilmar, a agente de execução que conduziu um processo de penhora ao clube.

Fonte: Record

Futuro da Naval passa pelo regresso à Liga, diz Aprígio Santos

O presidente da Naval 1.º de Maio, Aprígio Santos, disse que o futuro do clube passa por um regresso rápido à Liga.

“É difícil interiorizar algo em que nunca acreditamos. Sou o principal responsável, mas alguém ainda vai ter de me dar algumas explicações”, disse o dirigente.

Como uma das principais razões apontou: “Faltou, dentro e fora das quatro linhas, um patrão que fizesse ouvir a sua voz de comando. Motivos de saúde obrigaram-me a afastar do banco, onde penso poderia ter evitado algumas coisas.

Aprígio Santos apelou à dignidade e deixou uma mensagem ao grupo: “Gostaria pelo menos de evitar o último lugar. Apesar de dependermos de terceiros, quero ganhar o último jogo. Começamos este campeonato a perder, pelo menos que o terminemos a ganhar”.

Quanto ao futuro, o dirigente navalista afirma “estar em reflexão”, mas está convicto de que o futuro do clube passa por um rápido regresso à Liga “Quem esperou até aqui pode esperar mais uma semana. Estou a reflectir sobre algumas coisas, mas na próxima segunda-feira iniciarei a planificação e preparação da próxima temporada”, disse.

Questionado sobre quem o acompanhará na tarefa de preparar a próxima temporada, a resposta foi curta: “É sobre isso mesmo que estou a reflectir”.

A Naval termina a sua participação na Liga defrontando no próximo sábado, na Figueira da Foz, o Vitória de Guimarães.


Mozer e a Naval: «Em princípio continuamos todos juntos»

Conformado com a descida, técnico elogia o trabalho dos últimos quatro meses e projecta nova época

Carlos Mozer, treinador da Naval, mostrou-se conformado com a despromoção da sua equipa, confirmada pela derrota deste domingo, em Leiria e deixou a entender que pensa continuar no clube:

«Foi bom o que fizemos durante estes quatro meses. Houve muita coisa positiva, mas pecámos na finalização. Isso também tem a ver com a pressão que os jogadores sentem, pela situação de instabilidade na tabela classificativa. Mas foi importante o empenho e o futebol que a Naval praticou a todos os níveis. Estamos tristes pela descida, mas vamos continuar desta forma, porque assim voltaremos o mais rápido possível. Agora temos de continuar em frente, infelizmente na II Liga. Em princípio continuamos todos juntos.» 

 Fonte: Mais Futebol

U. Leiria-Naval 1-0 (destaques)

Giuliano
Uma entrada no onze assumindo-se como patrão da equipa mostra a personalidade do médio, que com a exibição de hoje parece querer dar um recado a Mozer que afinal a Naval até tinha banco. Giuliano esteve em quase todas as iniciativas atacantes da equipa, municiando o ataque e tentando igualmente aparecer em zonas de finalização, ameaçando diversas vezes a folha limpa de Gottardi.

 



Bruno
Uma palavra para o guardião navalista, que fez a sua estreia esta época na Liga rendendo o castigado Salin - e não comprometeu. Teve uma saída em falso logo no início, mas daí para a frente não mais tremeu, mostrando confiança nos cruzamentos. Nada pôde fazer no golo de João Silva, pois é batido na queima, pelo que não foi por ele que a Naval perdeu neste jogo decisivo. 


U. Leiria-Naval 1-0 (crónica)

Naval confirma a descida em jogo azarado; golo de João Silva sentenciou um jogo estranho

Jogo estranho aquele que confirmou a esperada descida da Naval à Liga de Honra. É verdade que não foi pelo que aconteceu no Magalhães Pessoa que a Naval desceu, mas acaba por ser um reflexo do que aconteceu durante o resto da época: a equipa teve atitude, mas pouca inspiração e depois acabou por ser traída por um enorme azar, neste caso, o golo de João Silva; golo esse que pôs fim a uma série de sete derrotas caseiras da equipa de Pedro Caixinha, que já tinha igualado um recorde negativo do Salgueiros na longínqua época de 1961/62.

Quanto ao jogo, a partida foi essencialmente marcada por um domínio estatístico dos navalistas. Mesmo sem se ter registado um número significativo de oportunidades, a primeira parte foi de sentido único. A Naval chegou ao intervalo com sete cantos e 13 remates, enquanto os leirienses ainda não se tinham estreado em nenhum destes capítulos. Mesmo assim, comandados pelo surpreendente e objectivo Giuliano, os homens de Carlos Mozer foram-se aproximando com alguma frequência da baliza de Gottardi, com um futebol de mudanças rápidas de velocidade, ao qual terá faltado uma maior assertividade no último passe.

E foi o próprio Giuliano a assinar a melhor ocasião dos 45 minutos iniciais, num remate de ressaca ainda dentro do primeiro quarto de hora, superiormente sacudido por Gottardi; só que como também Fábio Júnior, Marinho, Simplício, Edivaldo e até Rogério Conceição não andaram longe do golo, o nulo soava a injusto quando Hugo Pacheco mandou toda a gente para o descanso.

Decisão contra a corrente


Completamente retraídos no primeiro tempo, o U. Leiria resolveu «sair da toca» após o intervalo, mas com muita timidez. Depois do primeiro remate e de um ou outro lance em que os defesas da Naval tiveram que recorrer à falta, também começaram a surgir cruzamentos que deram trabalho a Bruno. Mas foi num lance completamente fortuito que os pupilos de Pedro Caixinha chegaram ao golo, já que um centro completamente falhado acaba por ressaltar num jogador da Naval, isolando João Silva; involuntariamente em situação de um para um perante o guarda-redes, o jovem avançado não teve dificuldade em inaugurar o marcador.

Ainda faltava quase meia hora para dar a volta ao texto, mas este golo conjugado com o tento do V. Setúbal em Alvalade era um golpe demasiado duro, dando a machadada final numa época cheia de azares. Fica a ideia de que Mozer demorou uma eternidade a mexer na equipa, mas também que a descrença já era generalizada, apesar da irrepreensível atitude dos jogadores navalistas que correram até ao último segundo.

Só que o destino estava mais que consumado e seis anos depois a Naval volta à Liga de Honra, com muitas interrogações sobre um futuro que parece tudo menos risonho. Terá agora a palavra o presidente Aprígio Santos.

 Fonte: Mais Futebol


Três novidades nos convocados na visita a Leiria

As presenças de Orestes, Previtali e Diego Silva são as principais novidades presentes nos convocados da Naval para a visita ao campo do União de Leiria, em jogo da 29ª jornada da Liga portuguesa.

Gómis e Salin, suspenso e Godemèche, lesionado, não são opções para a partida frente ao União de Leiria. Também não foram chamados Davide, Daniel Cruz, por problemas físicos, e Hugo Machado, por opção técnica.

O treinador-adjunto, Fernando Mira, reconheceu a importância do jogo frente aos leirienses: «É proibido perder a partida com a União de Leiria, sob pena de comprometermos definitivamente as nossas aspirações de permanência».

Lista de convocados:

Guarda-redes: Bruno Jorge e Diego Silva

Defesas: Carlitos, Orestes, Real, Tiago Rosa, Camora e Rogério Conceição

Médios: Curto, Alex Hauw, Godinho e Giuliano

Avançados: Michel Simplício, Edivaldo Bolívia, Previtali, João Pedro, Fábio Júnior, Marinho e Bruno Moraes. 
 
Fonte: A Bola

Vencer o histórico para salvar a época

Ontem, à hora em que Portugal "parou" para assistir à segunda mão das meias-finais da Liga Europa, o plantel da Naval saiu para o relvado do José Bento Pessoa, para o primeiro de três treinos nocturnos - para rigorosa adaptação ao ambiente do jogo com o Leiria, domingo à noite. Diante da equipa de Pedro Caixinha, a Naval é desafiada a desempatar o histórico dos encontros com o vizinho: quatro vitórias, um empate e quatro derrotas. No Magalhães Pessoa, há registo de apenas uma vitória, resultado que, desta vez, é obrigatório e pode não chegar para evitar a despromoção. Além de vencer, é preciso que o Setúbal perca com o Sporting.
Na preparação para o desafio, Mozer enfrenta duas baixas: o guarda-redes Salin e o central Gomis, castigados. Godemèche, lesionado, permanece em dúvida, a treinar com limitações. A baliza será entregue a Bruno, que assim se estreia no campeonato.

Fonte: O Jogo

Godemèche pode falhar UD Leiria

Médio tem uma mialgia e ainda não sabe se poderá ser utilizado na partida decisiva. 

Godemèche foi reavaliado esta quinta-feira pelo departamento médico da Naval, mas o diagnóstico não foi o melhor: o médio continua com uma mialgia e está em dúvida para a partida com o União de Leiria, decisiva na luta pela permanência na Liga. 

Confirmando-se a indisponibilidade do francês, a vaga poderá ser ocupada por Giuliano ou Hugo Machado.

Por outro lado, João Real, afastado do onze há duas jornadas, deverá voltar à equipa titular, aproveitando o castigo de Gómis. 

«Trabalho e estou empenhado para jogar sempre. Falhei dois jogos por lesão, mas sinto-me bem e totalmente recuperado», disse o defesa, lembrando: «A pressão que agora sentimos é a mesma de há algumas jornadas. O grupo está forte e convicto de que vai mudar esta situação.»

Fonte: A Bola

Bruno vive semana especial

GUARDA-REDES ESTREIA-SE ESTA ÉPOCA PARA A LIGA NA “FINAL” DE LEIRIA



Com o titular Salin castigado, Bruno Jorge, de 26 anos, deverá estrear-se esta época na Liga neste fim-de-semana, precisamente contra a equipa onde foi formado: a U. Leiria.
Com o estigma da descida de divisão no pensamento, Bruno lembra que este não é um jogo normal. “Sabemos que é fundamental para a Naval, uma vez que em caso de derrota descemos imediatamente de divisão”, explica, embora não considere este um fator de inibição. “Até é um aliciante para entrarmos concentrados e com vontade de ganhar. A feijões todos jogam. A pressão pode ser boa para nós”, defende o guardião.

Fonte: Record

Edivaldo acreditará "até ao fim" na salvação

"Temos de continuar a trabalhar". Esta é a receita de Edivaldo, avançado, 24 anos, um dos melhores marcadores da Naval, a par de Fábio Junior (ambos com quatro golos). O brasileiro, com nacionalidade boliviana, tem contrato até 2012, mas, não esconde o desencanto pelo penúltimo lugar na tabela e por duas derrotas consecutivas (Rio Ave e Nacional), mas aponta este caminho como o único para evitar a descida. Para alimentar este sonho é obrigatório vencer em Leiria e confiar numa vitória do Sporting diante do Setúbal. "Acreditamos na permanência, até ao fim", garante o atacante. 

Fonte: O Jogo

Direcção atenta à decisão da Liga


Em causa estão os acontecimentos do jogo SC Braga-UD Leiria.

Figueirenses estão atentos aos desenvolvimentos surgidos no decorrer da partida entre SC Braga e UD Leiria, contudo vencer os dois últimos jogos da Liga 
é a principal preocupação. 

«Estamos atentos aos factos. Todavia, é um assunto que não faz parte das nossas preocupações imediatas, já que estas se inserem apenas na necessidade imperiosa de vencer os próximos jogos», disse fonte da Direcção a A BOLA.

Fonte: A Bola

AG aprova contas de 2010 com redução no passivo de quatro milhões de euros



A Assembleia-geral da Naval 1.º de Maio aprovou hoje o Relatório e Contas referente ao ano de 2010 com um resultado de exercício positivo de 3,4 milhões de euros.Face a este resultado o passivo do clube relativo ao ano de 2009 (8 milhões de euros) ficou em 2010 reduzido para 3,9 milhões de euros.Os treze associados presentes mostraram-se surpreendidos pelos resultados apresentados, para mais tratando-se de um clube com futebol profissional e de dimensão reduzida.O responsável financeiro, Rui Trafaria, explicou que tudo se deve à constituição da Naval Futebol SAD em 25 Junho de 2010, que adquiriu à Naval 1º de Maio os seus activos, assim como se responsabilizou por alguns débitos.
A reunião magna navalista aprovou ainda os pedidos de demissão apresentados por José Ferreira, ex-gestor do futebol profissional e vice-presidente da SAD e Naval 1º de Maio e André Ventura, presidente do Conselho fiscal.

Fonte: O Jogo

Godemèche está em dúvida


O suspense é grande em torno da lesão sofrida por Godemèche no jogo com o Nacional, na última jornada. O treinador Carlos Mozer começa hoje a preparar o assalto a Leiria e já sabe que não poderá contar com o guardião Salin e o central Gomis, ambos castigados, sendo a única dúvida a disponibilidade do médio francês.

Fonte: O Jogo

Naval vai estrear um guarda-redes na Liga

Bruno Jorge ou Diego Silva, um deles será titular em Leiria


A Naval irá apresentar-se em Leiria, no próximo domingo, com uma estreia na baliza em matéria de jogos para a Liga, em consequência do castigo de Salin, que apenas não defrontou o Nacional, à 13ª jornada, e, curiosamente, também a formação do Lis, na primeira volta, na ronda seguinte, por se encontrar lesionado. 

Na altura, foi substituído por Jorge Batista, que abandonou o clube em Janeiro, pelo que, desta feita, caberá, em princípio, a Bruno Jorge a missão de defender as redes em mais um «derby» da região Centro. 

O jovem Diego Silva, cedido pelo Sp. Braga precisamente para colmatar a saída do veterano guardião para Barcelos, é a outra possibilidade mas o primeiro parece levar vantagem até por já ter sido utilizado na Taça da Liga esta época.

Salin não será o único ausente em Leiria por castigo, uma vez que também Gomis atingiu o quinto amarelo e deverá ser rendido por João Real. A boa nova prende-se com o regresso de Daniel Cruz, após lesão, embora seja crível que Camora irá manter a titularidade do lado esquerdo da defesa. 

A Naval precisa imperiosamente de ganhar ao «vizinho» e, mesmo assim, esperar por uma derrota do V. Setúbal diante do Sporting para manter esperanças de evitar a descida de divisão.