Naval garante jovem Lucas Klysman (ex-V. Guimarães)

Lucas Klysman, avançado nascido no Brasil e formado pelo Vitória de Guimarães, vai jogar na Naval 1º de Maio. O contrato do jogador já deu entrada nos serviços administrativos da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, no último dia do mercado de transferências.

O jovem avançado, de 20 anos, esteve cedido ao Serzedelo na época passada. Antigo júnior do Vitória, Lucas Klysman terminou contrato com o clube de Guimarães e rumará agora à Figueira da Foz, procurando garantir oportunidades no escalão principal do futebol português.

A Naval um a um

Leão Marinho contra a maré 

FILIPE ALEXANDRE DIAS

Salin 5

Dos (poucos) bons da Naval. Começou a ganhar no diálogo com Liedson, mas logo depois o baiano espetou-lhe a faca. Sem perder o foco, o francês evitou que os leões lhe acertassem novo soco no estômago negando o segundo a Matías (43'). Perto do fim, uma grande defesa após uma - entre muitas - asneiras de Lupède.


Gomis 4


Demasiado permeável a defender, à semelhança de quase todo o seu sector. Trapalhão e pouco fiável.


Lupède 3 

Perfeito desastre a três tempos: cometeu o penalti sobre Liedson, borrou a pintura num passe curto para Salin que Djaló aproveitou para transformar no 0-3 e ainda se deixou superar pelo 20 perto do fim, quase resultando no quarto.


Rogério Conceição 5 

Único defesa decente dos figueirenses. Fez vários cortes na grande área e evitou que a vulnerabilidade colectiva da sua equipa o consumisse.


Jonathas 4


Ligou o "complicómetro" na hora de tirar a bola das zonas de perigo, até que comprometeu totalmente quando dormiu na forma e deixou Abel passar-lhe à frente no golo que abriu caminho para o descalabro da Naval.


Godemèche 5 

Só apareceu na segunda parte, e foi dele a assistência para o tento de João Pedro. Disfarçou a perda do meio-campo.


Alex Hauw 5 

Bem na contenção, pressionou com sucesso até perto da baliza leonina, mas tudo ruiu antes do intervalo. Foi dele o livre que deu origem ao golo navalista, e ainda falhou um remate em arco perto do fim.


João Pedro 6 

Agressivo na procura da bola, mostrou saudável inconformismo, atitude premiada com a autoria do golo navalista.


Hugo Machado 5 

Activo na ligação com o ataque, quer no meio quer nos flancos, pecou pelo nervo em excesso. Era dos menos maus quando saiu.


Camora 4


Débil. Ainda prometeu nalguns lances a solo, mas nada...


Previtali 3


Que dizer de um avançado que nem sequer esboçou um remate?


Marinho 6

O antigo leão entrou aos 61' e mexeu com o jogo. Testou a atenção de Patrício aos 67' e empregou velocidade, mas a maré era irremediavelmente adversa.


Michel Simplício 2 

Nada de novo trouxe .

Fonte: O Jogo

Camora (Naval): «Passámos o tempo a correr atrás da bola»

Camora, jogador da Naval, no final da derrota, por 1-3 , diante do Sporting, nesta segunda-feira, no encerramento da terceira jornada da Liga: 
«Tivemos uma primeira parte muito complicada, em que não conseguimos segurar a bola. O Sporting entrou muito bem, veio moralizado, e passámos muito tempo a correr atrás deles. Forçaram-nos a abrir espaços, quando tivemos de correr atrás do prejuízo, e isso complicou ainda mais. Na segunda parte, já demos uma boa resposta, tentámos dar a volta ao jogo, mas era difícil, com uma desvantagem de dois golos. Com o F.C. Porto foi diferente, entrámos melhor, conseguimos segurar e trocar a bola e hoje, com o Sporting, não. Passámos toda a primeira parte a correr atrás dela e desgastámo-nos muito. Temos de levantar a cabeça e trabalhar bem nestas duas semanas que vêm ai, para irmos a Coimbra ganhar e dar uma alegria aos adeptos.» 


Zvunka: «Parecíamos equipa júnior» ----- Zvunka queixa-se do árbitro (e dos seus jogadores)

Técnico criticou atitude dos seus atletas
 
Victor Zvunka, treinador da Naval, lamentou a forma como a sua formação se apresentou na 3.ª jornada da Liga Zon Sagres, frente ao Sporting. Da derrota averbada frente aos leões o técnico destacou a qualidade dos pupilos de Paulo Sérgio e o lado “júnior” dos seus comandados.
“O Sporting jogou muito bem na primeira parte, com posse de bola e a criar muitas dificuldades. Foi uma derrota frente ao adversário tão forte, que foi demasiado para nós”, explicou.
“Na segunda parte tentámos inverter a tendência e melhorar em alguns aspetos, mas considero que apesar de tudo isso o Sporting foi mais forte. O Maniche e os dois avançados [Liedson e Yannick] criaram-nos muitos problemas. Mas a minha equipa comportou-se com muitos erros. De certo modo como uma equipa júnior frente a uma formação que alinha nas competições europeias. Estava tudo reunido para um bom jogo, mas frente ao Sporting foi difícil”, rematou.

Fonte: Record

O treinador da Naval, Victor Zvunka, queixou-se esta noite do trabalho do árbitro Elmano Santos no jogo frente ao Sporting.

«Que dizer? Nada. Os lances são tão óbvios que falam por si. Sentimo-nos penalizados», disse Zvunka na conferência de imprensa após o jogo com os leões, referindo-se aos lances do primeiro e segundo golo do Sporting.

Apesar das queixas do trabalho de Elmano Santos, o francês admitiu que também a sua equipa facilitou a tarefa dos leões: «Cometemos erros de equipa de juniores contra uma boa equipa. Faltou-nos carácter e agressividade», completou. 

Marinho: «Sabíamos que não ia ser fácil»

Médio resignado com derrota caseira

O médio Marinho foi suplente utilizado na equipa da Naval 1.º de Maio, na derrota por 3-1 diante o Sporting. Na entrevista rápida à Sporttv, o jogador afirmou que a equipa figueirense cometeu demasiados erros apesar de estar precavida para as dificuldades do jogo.
"Sabíamos que o Sporting ia criar muitas dificuldades, vinham motivados e é um grande clube, por isso sabíamos que não ia ser fácil", frisou Marinho, admitindo que a equipa cometeu demasiados "erros".
Marinho admitiu ainda que a sua equipa não conseguiu estar tão forte como na receção ao FC Porto e justifica o facto com a falta de concentração: "no jogo com o Porto tivemos mais concentrados e mais coesos, foi essa a diferença".

Fonte: Record

Zvunka: «Sporting é candidato ao título»

Técnico espera dificuldades frente aos leões

O treinador da Naval anteviu hoje muitas dificuldades diante do Sporting, no jogo de encerramento da terceira jornada da Liga de futebol, lembrando que a sua equipa vai defrontar um candidato ao título.
"Não será um jogo especial. Será um jogo diferente, frente a um adversário que, como todos sabem, é um dos clubes considerado como favorito ao título", sublinhou Victor Zvunka.
O técnico francês reconheceu que observa a equipa leonina há já algum tempo.
"Desde há um mês que tenho vindo a observar o Sporting. Tem feito resultados bons e menos bons, porém, em qualquer circunstância, é sempre uma equipa que se bate bem e que cria dificuldades a qualquer adversário", expressou.
O treinador disse ter consciência do valor do adversário e que este se apresenta motivado pelo resultado europeu recentemente conquistado, mas alertou que da parte da sua equipa existe vontade de fazer um bom jogo e dar sequência ao que foi feito nas jornadas anteriores.
"Na preparação da partida nada fizemos de especial. Foi uma semana difícil, dado algumas indecisões que nos apareceram - lesões de Rogério e Alex -, mas a mensagem que transmiti aos meus jogadores foi sempre a mesma, muita confiança", justificou.
Victor Zvunka valoriza o facto de jogar em casa: "Dá-nos alguma vantagem, melhor, será desvantagem para o nosso adversário, já que, quando joga em casa, tem um ambiente de apoio que o incentiva e o faz atacar mais".
Naval e Sporting, nono e 10.º da classificação com três pontos, defrontam-se pelas 20.15 de segunda-feira, na Figueira da Foz, partida de encerramento da jornada da Liga, encontro que terá como árbitro o madeirense Elmano Santos.

Fonte: Record

Naval 1º de Maio - Sporting Clube de portugal (Siga em Directo)

Muito Boa Noite Navalistas...

Mais uma vez O Navalista vai tentar fazer um directo, entre a Naval e o Sporting Clube de Portugal.

As equipas a aquecer no relvado, com um começo de bom ambiente nas bancadas.

Uma referência é que o Colectivo Maravilhas, está-se a compor e vamos ter forte apoio, pela nossa Naval.

É agora anunciado o Hino da Naval, com grande voz de Luís Pinto.

O Jogo prestes a iniciar com as equipas a entrar em jogo.

E a bola rola no Bento Pessoa, com um tempo bem apelativo. As pessoas aderiram e vieram ao futebol. Boa casa e grande ambiente.

Jogo dividido entre as equipas, com mais pressão inicial do Sporting, mas a Naval a aguentar. Falta sobre Godermèche no meio campo livre para a Naval.

Canto para o Sporting, marcado mas a sair muito longo, e assim perde a jogada de ataque. Novo canto para o centro da área mas Jonathas a defender bem de cabeça.

Grande ameaça do Sporting com um grande remate de Yanick, e a bola a passar muito perto do travessão da baliza guardada pelo guardião Salin. Naval com 40% posse de bola e sem nenhum remate à baliza até este momento. Sporting 60% posse de Bola, com 2 remates à baliza.

Naval mais recuada para o seu terreno defensivo e Sporting com algumas dificuldades nas transições. 26 minutos decorridos, com o Sporting a pressionar mais e a Naval a não conseguir ir para o ataque. Canto a favor do Sporting mas sem grande perigo para o Guarda-Redes navalista.

Joga de ataque pela ala direita da Naval e ganha canto. Canto marcado mas defendido com grande à vontade.

Sporting em jogada de ataque a centrar pela esquerda, e quase que era um grande pontapé acrobático, mas sem efeito.

Falta de André Santos (SCP) no meio campo, cartão amarelo. 29 minutos. Jogo repartido no meio campo sem grandes soluções atacantes parte a parte.

Falta de Hugo Machado, aos 34 minutos, mas só advertido pelo arbitro.

Golo do Sporting, 41 minutos a carregar e num lance meio atrapalhado pela defesa da Naval a bola chega aos pés de Liedson e este não perdoa. Está feito o 0-1 para a equipe visitante.

Sporting motivado pelo golo e a pressionar ainda mais a Naval. 1 minuto de compensação.

Intervalo no José Bento Pessoa, com o placar a marcar 0-1, para o Sporting. Resultado merecido, e a Naval a demonstrar muita passividade nos lances. O Navalista já voltará de seguida com mais informação. Até Já......

Reinicio da 2ª Parte. Ataque surpresa do Sporting. Assistência 5.201, uma casa agradável numa noite cheia de calor humano aqui no estádio.

Cartão Amarelo para Maniche aos 55 minutos de jogo.

A Naval a tentar penetrar na área do Sporting, mas sem grande sucesso. Jogo com lances de parte a parte mas sem grande sucesso ofensivo.

Uma jogada de contra-ataque do Sporting, Liedson já na área e falta muito duvidosa dentro da área a favor do Sporting. Grande Penalidade. Matias Fernandez, vai rematar e Golo do Sporting. ( Fica uma pequena sensação de o corte por parte da Naval ser limpinho). Cartão Amarelo para o defesa da Naval Lupède e o guarda-redes Salin.

Sai na Naval com o número 37, Hugo Machado e entra com o número 77, Marinho. A Naval a tentar dinamizar o ataque. A jogar encontra-se com a táctica de 4x2x3x1 e o Sporting com 4x1x3x2.

A Naval a conseguir jogar mais ofensivamente com a entrada de Marinho, conseguindo destabilizar a defesa leolina. Sai Camora, entra Michel Simplicío.

Desatenção na defesa Navalista e Yannick Djaló, isola-se no um para um e marca o terceiro golo para o Sporting.

A Naval ainda tenta, tenta e vai João Pedro, eeeeeeeeeeee...........

GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLOOOOOOOOOOOOOOO NAVAL - .Godemèche ganha de cabeça e desvia para o segundo poste e João Pedro a rematar. Grande Golo. Grande passividade da defesa do Sporting, quando João Pedro na recarga marca para a Naval. Ainda a chama não baixou. Vamos NAVAL.

No Sporting entra Zapater e sai André Santos. Contra-ataque do Sporting e grande oportunidade de Jaime Valdés para marcar, mas a rematar forte e a bola a sair por cima da baliza de Salin.

Substituição na equipa do Sporting: saí com o número 15, Jaime Valdés e entra para o seu lugar João Pereira.

Mais uma substituição na equipa do Sporting sai Liedson, entra Carlos Saleiro. Cartão Amarelo para Rui Patrício, guarda-redes do Sporting, por demorar a colocar a bola em jogo.

Tempo de compensação 4 minutos dados pelo árbitro. Grande falhanço na defesa por parte de Lupède a deixar Yannick isolar-se, este passa a bola ao companheiro de equipa Carlos Saleiro. Saleiro remata mas Salin superior, a defender com a bola a ressaltar para a frente e ainda remate para o Sporting mas Salin novamente a fazer grande defesa. Grande perdida do Sporting.

Final do encontro aqui no José Bento Pessoa, com a Naval a sentir algumas dificuldades nas opções ofensivas e facilitar na defesa. Marcou um golo tardio por João Pedro, mas ainda tentou reagir ao Sporting, mas sem sucesso. Já o Sporting, uma equipa mais motivada pela vitória da Liga UEFA, a conseguir com que essa motivação se fizesse sentir pressionando a Naval. O Sporting a conseguir marcar 3 golos num estádio difícil de conseguir uma vitória tão dilatada. A Naval a demonstrar que continua com a sua boa  qualidade de jogo até esta jornada. Iremos esperar que continue assim contra as equipas mais directas. Até lá O Navalista vai continuar o seu trabalho.

Um Muito Obrigado a todos vocês que estiveram aqui até agora.

Soube que era Zvunka e veio a correr


A extensa legião de franceses na Naval, bem como a ligação do director do futebol, José Ferreira, a terras gaulesas têm sido as razões apontadas por alguns dos jogadores navalistas a rumar de França até Portugal. Contudo, o avançado Previtali não esconde que a perspectiva de trabalhar com o também francês Victor Zvunka serviu de motivação: "Ele tem uma excelente reputação em França. Fiquei muito contente com a possibilidade de trabalhar com ele. É um treinador experiente, por isso acho que me pode ajudar a conseguir coisas positivas", explicou o número 19. 

Fonte: O Jogo

Aprígio Santos lamenta jogo à segunda-feira


Visita do Sporting deve trazer cinco mil adeptos às bancadas

A terceira jornada da Liga encerra esta segunda-feira, na Figueira, com um Naval-Sporting que, noutras circunstâncias, poderia significar mais público e receita para o emblema navalista.

O adiamento da partida prendeu-se, naturalmente, com o jogo dos leões na Dinamarca, a meio da última semana, e a assistência deverá ocupar pouco mais de metade da lotação do estádio. Tal como aconteceu há 15 dias, com o F.C. Porto, serão esperadas cerca de cinco mil pessoas.

«Estamos numa zona de sportinguistas mas atendendo ao facto de ser fim do mês e ainda por cima um jogo à segunda feira... espero que seja uma boa casa mas a altura não é a mais propícia», reconhece, ao Maisfutebol, Aprígio Santos, presidente da SAD figueirense.

Já quanto àquilo que se poderá passar nas quatro linhas, o dirigente mostra-se expectante: «O Sporting vem numa altura difícil para nós, já que venceu na Dinamarca, deu uma alegria aos sócios, mas a Naval estará motivada. Nenhum jogo está perdido ou ganho à partida, vamos ver o que este dá. Vamos tentar dignificar o clube e pontuar.»

«Sporting é um desafio diferente» – Zvunka


O técnico da Naval, Victor Zvunka, admitiu que o jogo, de segunda-feira, frente ao Sporting é um «desafio diferente» frente a um candidato ao título.

«Não será um jogo especial, mas um desafio diferente, frente a um adversário que como todos sabem é um dos clubes considerado como favorito ao título», afirmou Zvunka.

O técnico da Naval está corrente das reais capacidades do adversário: «Desde há um mês que tenho vindo a observar o Sporting. Eles têm feito resultados bons e menos bons, porém em qualquer circunstância é sempre uma equipa que se bate bem e que cria dificuldades a qualquer adversário.»

Zvunka sabe que a sua equipa vai encontrar um Sporting mais moralizado: «Temos consciência do valor do nosso adversário, julgamos até bastante motivado pelo resultado europeu recentemente conquistado, mas da nossa parte existe também uma vontade, a vontade de fazer um bom jogo e dar uma boa sequência ao que fizemos nas jornadas anteriores.»

Fonte:  Jornal A Bola

Manuel Curto estreia-se na recepção aos leões


Há duas surpresas na convocatória da Naval com vista à recepção ao Sporting, a contar para a terceira jornada da Liga. Manuel Curto estreia-se nos convocados e Giuliano está de regresso aos eleitos.

O duo entrou devido à saída de Carlitos, por força de castigo, e Godinho (por opção). Também fora das escolhas do técnico Victor Zvunka para o desafio da próxima segunda-feira ficaram Bruno, João Real, Daniel Cruz, Orestes e Davide.

Lista de convocados:

Guarda-redes: Salin e Jorge Batista;

Defesas: José Mário, Gomis, Lupède, Rogério Conceição e Jonathas;

Médios: Godeméche, Manuel Curto, Alex Hauw, Giuliano, Camora e Hugo Machado;

Avançados: João Pedro, Michel Simplício, Edivaldo, Previtali e Marinho. 

Fonte: Jornal A Bola

Polícia de Vuk por escolher

Zvunka indeciso entre Gomis e Zé Mário

Zvunka ainda não terá escolhido o homem que irá vigiar o montenegrino Vukcevic. A julgar pelas amostras mais recentes dos leões, o técnico da Naval não deverá descurar o lado esquerdo do ataque do Sporting, mas tem uma dúvida para resolver.

Carlitos foi expulso no jogo com o Portimonense, permitindo que Gomis ou Zé Mário possam estrear-se na condição de titulares.

O francês foi testado nessa função no último particular com o Tourizense, mas a exibição do jovem português na parte final do encontro terá aumentado a dúvida do treinador.

Gomis é mais poderoso no jogo aéreo e mais forte fisicamente, mas Zé Mário conhece melhor a posição.

A semana de trabalho da Naval foi, aliás, fértil em indecisões. Começou com a lesão do central Rogério no jogo com o Portimonense, mas continuou com as limitações de Alex Hauw e Edivaldo. O treino de ontem trouxe boas notícias para os figueirenses, uma vez que todos trabalharam sem limitações.

Fonte: Record

Lucas dispensado

Conceição em pleno
A passagem de Lucas pela Naval foi curta e rápida.

O avançado não convenceu Victor Zvunka, que o utilizou no jogo particular com o Tourizense, pelo que ontem já não participou no treino.

Lucas não é, pois, a solução que o treinador anda à procura para o ataque da Naval, para onde existe Fábio Júnior - a grande estrela da equipa na época passada - mas que continua desaparecido.

Nos últimos dias das inscrições, os responsáveis registaram 26 jogadores, sem excluir Fábio Júnior, tendo ainda uma vaga para preencher.
A Naval precisa ainda de preencher a lacuna no lado direito da defesa para compensar a ausência de Carlitos.

O treinador estuda alternativas para a recepção ao Sporting, contando desde ontem com o central Rogério Conceição em pleno; mas tem Edivaldo em dúvida, devido a uma mialgia.

José Mário é um dos concorrentes à posição de lateral-direito e um dos três jogadores que passaram pelas escolas de Alvalade. Hugo Machado e Marinho são as restantes memórias desse tempo.

Aposta no primeiro onze de Victor Zvunka, frente ao FC Porto, Marinho, porém, perdeu o estatuto de titular na jornada seguinte em favor de Camora. Uma alteração táctica que não demoveu a intenção do extremo "em continuar a ser útil jogando".

"Se não for, então serei útil de outra forma, porque nunca serei um problema", disse Marinho, em vias de reencontrar Saleiro, com quem jogou no Olivais e Moscavide e no Fátima. O jogo com um dos grandes, diz, "serve para os clubes pequenos se mostrarem sem medo".

"Os jogadores alimentam sempre a ambição de roubar pontos aos grandes", avisou. 

Fonte: O Jogo

Naval num último «forcing» por Fábio Júnior


Figueirenses tentam acordo para o regresso do avançado

A Naval está a envidar esforços no sentido de convencer, finalmente, o avançado Fábio Júnior a regressar do Brasil.

Activo da SAD figueirense, com quem tem contrato por mais três épocas, o ponta-de-lança brasileiro seria, nesta altura, uma solução mais viável para preencher a vaga existente no plantel para a frente de ataque, em função das poucas alternativas em cima do fecho do mercado.

Nos últimos dias, têm-se sucedido as reuniões entre o empresário do atleta e responsáveis do clube, na tentativa de ser alcançado um acordo que permita o seu retorno à Figueira. Claro que o jogador não passaria ao lado de um procedimento disciplinar condizente com a atitude tomada - quase dois meses de faltas ao trabalho - mas a mais-valia que poderá significar para a equipa, além do episódio do internamento da filha, terão também peso no castigo a aplicar.

Fábio Júnior, sabe o Maisfutebol, foi recentemente inscrito na Liga, sinal de que o clube tem ainda esperança no regresso, que poderá acontecer até ao fecho do mercado.

Caso contrário, a Naval terá mesmo de apostar noutra opção, com eventuais custos acrescidos numa altura em que dificilmente será possível encontrar uma boa solução ao nível do binómio qualidade/preço. Para já, há negociações com um avançado francês, mas o acordo ainda não foi possível devido aos valores em causa.

Fonte: Mais Futebol

Previtali não liga aos resultados do Sporting

Avançado francês ainda procura primeiro golo na Liga

Robin Previtali é o ponta-de-lança de serviço na Naval. O ex-Gueugnon, aposta regular do onze de Zvunka desde o primeiro jogo, foi o melhor marcador dos figueirenses durante a pré-época mas nos jogos a doer ainda não teve oportunidade de se estrear em matéria de golos.

Na segunda-feira, o adversário é tão-somente o Sporting, adversário ideal para o avançado começar a brilhar.

«Marcar, seja frente ao Sporting ou outro adversário, é sempre bom. Os golos estão a faltar-me, é preciso marcar, e espero que seja esta segunda-feira.

Sei que posso fazer melhor, ainda não estou a 100 por cento mas as coisas estão a corre bem e estou agradavelmente surpreendido com o clube e o futebol português», refere o francês, que, no encontro com o F.C. Porto se queixou de não conseguir ter bola: «Se calhar, no próximo jogo, pode acontecer o mesmo e já estou preparado para isso. Se tiver uma oportunidade, é preciso aproveitá-la, sem hesitações.»

A proeza do Sporting na Dinamarca não passou ao lado do plantel navalista mas para Previtali aquilo que os leões fazem pouco interessa.

O avançado dos figueirenses preocupa-se, sobretudo, com aquilo que a sua equipa pode e deve fazer: «Não devemos pensar no resultado deles.

Este é outro jogo, temos de tentar ser melhor do que eles. Se tivessem perdido, diríamos que vinham com sentimento de desforra.

Fosse qual fosse o resultado deles, cabe-nos sempre a nós tentarmos ser melhores.»

Formado no Sochaux, este gaulês de raízes italianas por parte de um avô, quer virar uma página da sua carreira e relançar-se em Portugal depois algum tempo de na penumbra. «Depois de ter assinado como profissional, por três anos, acabei por jogar menos do que quando era amador.

Fui emprestado dois anos [ao Beauvais] e depois rescindi. O Sochaux foi um capítulo que ficou para trás, e acabei por para o Gueugnon. Foi então que surgir a hipótese Naval, numa altura em que eu queria experimentar outras coisas, ainda por cima tratando-se de um clube da Liga principal. Ainda por cima, quando soube que o treinador era Victor Zvunka fiquei ainda mais contente, porque se trata de um técnico muito bom e com grande reputação em França.»

Em relação à preparação da equipa, destaque para o regresso aos treinos do avançado Edivaldo, recomposto de uma mialgia. Com todas as opções disponíveis, à excepção de Carlitos, devido a castigo, Victor Zvunka deverá aposta no mesmo onze da semana passada mas com Gomis no lugar do lateral português.

Fonte: Mais Futebol

Marinho: «Queremos roubar pontos aos grandes»


Perspetiva jogo frente ao Sporting

O avançado da Naval Marinho disse esta sexta-feira que, após o êxito leonino na Dinamarca, espera um Sporting confiante, embora acredite ser possível "roubar pontos" aos leões na partida da 3.ª jornada da Liga.

"Estou muito satisfeito pelo êxito do Sporting frente ao Brondby, essencialmente foi bom para o nosso futebol, embora saiba que também aumentou os índices de confiança do nosso adversário", salientou Marinho.

"Conheço bem o Sporting e a sua mística, confiei sempre, é a prova de que o Sporting tem uma grande equipa com jogadores e argumentos capazes de ultrapassar qualquer fase, mesmo as menos boas, caso seja o caso", vincou.

Perspetivando o encontro de segunda-feira, referiu: "São jogos em que, normalmente, as equipas mais pequenas não têm muito a perder. Existe sempre uma ambição de aparecer sem esquecer o objetivo principal que é o de roubar pontos aos grandes".

Marinho foi primeira opção diante do FC Porto, na 2.ª jornada, mas frente ao Portimonense cedeu a sua posição a Camora, situação que não o desmotivou, assumindo que está sempre preparado para as opções do treinador.

"Todos os jogadores desejam ser primeira opção, se não for útil no campo sê-lo-ei de outra maneira, jamais serei um problema", finalizou.

Naval e Sporting, respetivamente 7.º e 8.º classificados, com 3 pontos defrontam-se na próxima segunda-feira pelas 20.15, no Estádio Municipal José Bento Pessoa, na Figueira da Foz, em partida da 3.ª jornada da Liga.

O encontro será dirigido pelo árbitro, Elmano Santos (Madeira). 

Fonte: Record

Homenagem Ao Remador Diogo Pinheiro





Entrega De Faixa De Campeão Nacional Ao Remador Da Naval Diogo Pinheiro

No intervalo do jogo entre a Naval e o Sporting, que se realiza no Estádio Municipal José Bento Pessoa na próxima segunda-feira, 30 de Agosto pelas 20:15, a Associação Naval 1º de Maio, vai entregar a faixa de campeão nacional ao remador Diogo Pinheiro.

Diogo Pinheiro sagrou-se Campeão Nacional de Skiff Pesos Ligeiros no Campeonato Nacional de Verão, que teve lugar no passado dia 19 de Junho em Melres – Gondomar.

Este atleta foi ainda convocado para a Selecção Nacional, integrando o Grupo de Apuramento Olímpico, e participará em Skiff Pesos Ligeiros no Campeonato da Europa que se vai realizar em Montemor-o-Velho de 9 a 12 de Setembro.

Fonte: Site Oficial da Naval 1º de Maio

Marinho feliz pela passagem do Sporting

Ex-leão relativiza importância do triunfo no jogo de segunda na Figueira

O Sporting regressa aos jogos para consumo interno na próxima segunda-feira, depois da fantástica qualificação para a Liga Europa, e o adversário é a Naval, onde pontificam alguns ex-leões. É o caso de Marinho, que passou por Alvalade nas camadas jovens, e não disfarça a satisfação pela qualificação dos comandados de Paulo Sérgio, mesmo com o capital de moralização que poderão ter para o encontro de segunda-feira:
«Ainda bem que conseguiram passar, é bom para nosso futebol e sabemos que lhes deu mais confiança. Mas também não contávamos com o contrário, é uma equipa grande, por isso tem argumentos e jogadores com qualidade para ultrapassar qualquer fase, mesmos as menos boas, se fosse o caso», observa o extremo.
O pensamento para esta partida será o de sempre: «São jogos em que, normalmente, as equipas mais pequenas não têm muito a perder. Todos querem jogar e mostra-se, todos têm essa ambição de aparecer, sem esquecer o objectivo colectivo, que passa por conseguir vitórias e roubar pontos aos grandes.»
Depois de ter jogado na jornada inicial, contra o F.C. Porto, Marinho cedeu o lugar na equipa ao colega Camora. Agora, de novo em casa e diante de um grande, o jogador volta a ter esperança de jogar: «Se puder ser útil jogando, óptimo, senão tentarei ser útil de outra forma porque nunca serei um problema.»
Jogar contra a antiga equipa traz sempre um sentimento especial ao ponto de causar algum embaraço aos jogadores quando confrontados com a velha questão: festejará em caso de marcar um golo? Marinho há muito que ultrapassou esta fase mas já o colega Hugo Machado, que irá defrontar o Sporting num jogo oficial pela primeira vez, pensa de outra forma: «Dedicarei ao meu filho e namorada mas não festejarei de forma efusiva, porque respeito o Sporting.»

Edivaldo obrigado a parar
 
No treino desta sexta-feira, todo o plantel trabalhou normalmente, com excepção de Bolívia, acometido de uma mialgia. O avançado está, desta forma, em dúvida para a partida com os leões

Fonte: Mais Futebol

Naval vence Tourizense (2-1) em jogo de preparação

A Naval 1º de Maio da Liga portuguesa de futebol, venceu hoje o Tourizense da II Divisão B, por 2-1, em jogo particular de preparação disputado na Figueira da Foz.
Edivaldo Bolívia (36) e Michel Simplício (43) marcaram os golos da equipa figueirense no decorrer do segundo período da partida que, por acordo entre técnicos, contou com três partes de trinta minutos.
Diogo fixou o resultado a poucos segundos do fim do encontro, assinando o tento de honra dos visitantes.
Foi um bom teste para a equipa da Figueira da Foz que na próxima segunda feira recebe o Sporting, com o treinador francês Victor Zvunka a ensaiar várias alterações na equipa.
Refira-se que na formação navalista, Carlitos - suspenso por um jogo -- está fora do lote de opções para a receção aos "leões", enquanto Rogério Conceição e Alex continuam a trabalhar á parte do plantel recuperando de lesões.
Lucas, avançado de 20 anos que fez a sua formação no Vitória de Guimarães, clube com quem recentemente terminou vínculo contratual, integrou o particular iniciando um período de experiência sob observação de Zvunka.


Hoje, jogo com o Tourizense


Realiza-se, hoje, pelas 18h, um jogo à porta aberta, com o Tourizense, no Estádio Municipal José Bento Pessoa, para os jogadores menos utilizados.

Rogério Conceição abre dúvida na defesa





A semana da Naval começou, ontem, com reservas relativamente à condição de Rogério Conceição, o brasileiro que tem jogado ao lado de Lupède no eixo da defesa.

Poupado no treino vespertino que juntou todo o plantel (pela manhã, trabalharam apenas os suplentes e os que não participaram na vitória em Portimão), o central está em dúvida para o Sporting, circunstância que obriga Victor Zvunka a considerar mais uma alteração ao onze titular, a juntar à que resulta da expulsão do lateral-direito Carlitos.

Curiosamente, as alternativas a Rogério Conceição são quase as
mesmas, já que tanto Gomis como João Real são centrais adaptáveis.

Gomis, titular no eixo na época passada, treina frequentemente na direita. Orestes é outro que pode concorrer com Leal, entre os centrais. 

Fonte: O Jogo

Lupède faz esquecer Diego


ESTÁ DE PEDRA E CAL NO SISTEMA DEFENSIVO ZVUNKA

O francês Lupède não é uma das nove caras novas da Naval, mas no arranque da nova época tem sido assim entendido. Em 2009/10, apenas jogara duas vezes e nunca mais saiu do banco ou da bancada.

Zvunka não o conhecia e a ficha de minutos da época anterior não era o melhor cartão-de-visita, mas após a saída de Diego Ângelo (transferido para a Turquia), era preciso um novo eixo central para a defesa.

Aos 26 anos, Lupède recebeu o voto de confiança que faltava.

“É sempre melhor estar dentro do campo do que fora”, refere o central que na época passada teve de se resguardar “na concentração do trabalho para tentar aproveitar as oportunidades que pudessem surgir.

Passam muitas coisas na cabeça quando não somos opção”, admite.

“É graças a todos os colegas que as coisas estão a correr bem” e Lupède gosta do entendimento com o novo reforço Rogério. “As coisas começaram a correr bem logo nos jogos particulares, onde não sofremos golos.

Penso que nos complementamos, ele é mais alto, por isso mais forte no jogo aéreo. Talvez seja também mais rápido, mas eu sou melhor na marcação, sou mais agressivo”, observa.

Mais ânimo

A recente vitória frente ao Portimonense, por 1-0, trouxe novo ânimo ao plantel após a derrota na estreia com o FC Porto.

Lupède sabe que o início do campeonato tem revelado bons apontamentos, mas já só pensa no Sporting. “Sei que na minha zona vão cair jogadores muito perigosos, como o Liedson, o Djaló e o Postiga, mas devemos estar concentrados em todos eles”, ressalva.

Para aumentar a confiança, os adeptos terão o seu papel.

“É sempre bom quando estão ao nosso lado pois, embora sejam poucos, são fiéis”, conclui.

Fonte: Record 

José Mário espreita titularidade

A expulsão de Carlitos diante do Portimonense obriga o técnico da Naval, Victor Zvunka, a encontrar outro lateral-direito para a recepção ao Sporting. José Mário foi a opção do treinador francês no último domingo e mostra-se confiante.

«Estou muito satisfeito com a minha chamada à lista de opções do técnico. Joguei e ganhei, só lamento que a minha chamada à equipa tenha acontecido face à expulsão de um companheiro», diz.

Perspectivando o confronto com os leões, o jovem lateral-direito, que fez parte da sua formação no Sporting, mostra-se seguro: «Estou a trabalhar para conquistar um espaço na equipa e o mister Zvunka tem-me transmitido muita confiança.»

Quanto à partida, José Mário não acredita numa «chamada crise do Sporting» e espera «que a Naval possa vencer o Sporting e dessa forma consiga dar sequência ao trabalho que tem vindo a realizar», sublinha.

Fonte: A Bola

"Entramos Em Todos Os Jogos Para Ganhar"

Hugo Machado, 37 nas costas, joga pela primeira época na Naval 1º de Maio.
O jogador tem 27 anos, 1.76 e 73kg, iniciou a sua carreira no Sporting, clube onde completou a sua formação, tendo chegado a internacional Sub 19 e posteriormente ascendido à equipa B de Alvalade. Na época passada passou pelo Standard Sumgayit, do Azerbaijão antes de viajar para a Figueira da Foz.
Antes do (re)encontro com o Sporting o médio esteve à conversa com o Site Oficial do Clube.

Primeira vitória da época no jogo contra o Portimonense, com uma assistência tua. Qual o sentimento no final do jogo?

Hugo Machado: O importante neste jogo era ganhar independentemente de quem marcasse os golos ou fizesse os passes decisivos. Fizemos um excelente jogo em que tudo nos correu bem, quer defensivamente quer ofensivamente. Praticámos um bom futebol e apesar de termos feito apenas um golo, tivemos oportunidades para fazer mais golos e acabar com o jogo mais cedo, não tendo de passar por algumas dificuldades devido ao pressing final do adversário.

A Naval tem um início de campeonato difícil, defrontando FC Porto e Sporting nas 3 primeiras jornadas. Qual é o balanço que fazes dos dois primeiros jogos?

Hugo Machado: Apesar da derrota com o FC Porto a resposta da equipa tem sido muito boa, temos passado uma boa imagem, de uma equipa que procura o resultado mas também apresentar bom futebol, e no jogo contra o Portimonense penso que conseguimos aliar as duas coisas. Sabíamos que ia ser difícil, mas queríamos vencer e conseguímos. Será assim em todos os jogos.

Qual é o sentimento de marcar um golo e de fazer uma assistência? Esperas poder destacar-te nalguma dessas tabelas ao longo do Campeonato?

Hugo Machado: Um golo é sempre um golo, o momento alto do jogo. No entanto o sentimento é semelhante, é um contributo importante para a equipa. É óbvio que um golo numa final marca toda uma carreira. Normalmente consigo fazer 5 golos e 5 assistências por época. Sei que para ter destaque na tabela dos marcadores é díficil, mas acho que é possível lutar pelo lugar de jogador com mais passes decisivos do Campeonato, e com isso quem sabe ajudar algum companheiro a destacar-se na lista dos marcadores. No entanto quem sairá a ganhar será sempre a equipa.

Segue-se agora o jogo contra o Sporting, um jogo especial para ti. Como pensas que vai ser o jogo?

Hugo Machado: Sim, vai ser de facto um jogo especial. É a 1ª vez na minha carreira que jogo contra o Sporting e vai ser uma alegria e um prazer enorme defrontar a equipa onde me formei como jogador e como homem. Vou querer concerteza desfrutar o momento, não esquecendo que será um jogo bastante complicado, tal como foi contra o FC Porto, mas sabemos de antemão que não há impossíveis e a vitória é o resultado que está no meu pensamento e no dos meus companheiros. Entramos em todos os jogos para ganhar e a vitória da Naval neste jogo ainda o tornaria mais especial.

No Sporting tiveste como colegas de equipa jogadores como Hugo Viana, Carlos Martins, Quaresma, Yannick Djaló. Sentes alguma frustação com o percurso que tiveste?

Hugo Machado: Sim, quando vejo a carreira desses jogadores e o percurso que tive surge sempre um sentimento de alguma frustação. Penso que não era inferior a eles e todos eles o diziam na altura. Ouvia elogios de jogadores da equipa profissional como o Sá Pinto e o Pedro Barbosa e isso era motivo de grande orgulho. No entanto ainda estou a tempo de valorizar a minha carreira.

Achas que esta tua vinda para a Naval que te permite a estreia na 1ª Liga Portuguesa aos 28 anos é um marco na tua carreira?

Hugo Machado: Sim, sem dúvida. É sempre uma grande satisfação para qualquer jogador português poder jogar na 1ª Liga e ostentar no seu currículo esse registo. Com este ingresso na Naval procuro em primeiro lugar ajudar o clube a atingir os seus objectivos e com isso relançar a minha carreira, dar-me a conhecer e apesar da idade e se tudo correr bem a nível colectivo e individual, espero ainda chegar a um nível superior no campeonato português.

Deixa uma Mensagem para os Sócios e Adeptos da Naval 1º de Maio

Hugo Machado: Espero que continuem a apoiar-nos como até aqui e nós dentro de campo tudo faremos para dignificar o clube e dar-lhes momentos de alegria. Todos somos poucos para apoiar a Naval. Nós dentro de campo e Vocês por fora a ajudar-nos. Contamos Convosco!

 

Carlitos falha Sporting e Rogério em recuperação

Figueirenses fazem ensaio geral na quinta com o Tourizense

A Naval voltou esta terça-feira aos treinos depois de um dia de folga e com uma ausência: o central Rogério Conceição, que sofreu uma contratura na coxa direita em Portimão, e foi até substituído, durante a partida, pelo colega Gomis. O jogador irá ser reavaliado mas, em princípio, deverá estar apto para jogar na próxima segunda-feira, diante do Sporting.
Quem não irá certamente jogar é o lateral-direito Carlitos, por ter sido expulso, por acumulação de amarelos, no passado domingo. A saída do experiente defesa deverá abrir uma vaga para Zé Mário a menos que Zvunka prefira adaptar o central Gomis à posição.
Nesta quinta-feira, pelas 18 horas, a Naval recebe o Tourizense, da II Divisão, em encontro que poderá servir como uma espécie de ensaio-geral para o compromisso de segunda-feira com os comandados de Paulo Sérgio.
Fonte: Mais Futebol

Portimonense - Naval (Resumo em vídeo)

Bolívia quer ser Edivaldo

De agora em diante, quer ser Edivaldo. Desde Julho de 2008, quando aterrou em Portugal para "ajudar a Naval", era Bolívia, nome que os adeptos se habituaram a ver inscrito na camisola 11 do clube da Figueira da Foz, mas a partir desta nova temporada quer que prevaleça o nome de baptismo - Edivaldo Rojas Hermoza, nascido há 24 anos em Cuiabá, no Brasil. O apelido que se associou ao goleador traduz a forte ligação à Bolívia. De lá são naturais a mãe e a família, composta por cinco irmãs e um irmão, que habitam na "bonita cidade de Santa Cruz". "As minhas cinco irmãs são todas licenciadas, em Farmácia e em Direito" conta, orgulhoso, Edivaldo, que quer, com esta mudança de nome profissional, reforçar esses laços: "Por causa da minha mãe, tenho dupla nacionalidade e, se quero ser convocado pela selecção da Bolívia, não faz sentido persistir com um nome igual ao do país que sonho representar." Jogador felino e polivalente, que actua nas alas, faz bem a posição 10 e chegou à Naval com o rótulo de avançado. Na altura, prometeu marcar dez golos, mas ainda não conseguiu alcançar tal meta. No entanto, não desiste e até renova o compromisso; garante que há-de chegar à dezena: "Vou cumprir. A minha meta é essa, trabalho para ajudar a Naval." Esta época, diz, numa análise aos primeiros tempos de trabalho, a equipa "apresenta qualidade" que, em campo, surge sustentada por uma "boa circulação da bola", o que se traduz num conjunto "forte no contra-ataque". O próximo passo, para Edivaldo, é " ser titular", e o jogador confessa que está ansioso. "Espero uma oportunidade e, quando aparecer, vou agarrá-la", assegura quem festejou anteontem, no Estádio Algarve, a primeira vitória no campeonato, frente ao Portimonense. A mulher e a filha estavam na bancada a apoiá-lo, rumo a uma época que mais uma vez arranca recheada de ambição. Só mesmo o nome mudou. 

Fonte: O Jogo

Gomis e José Mário próximos do onze

ZVUNKA TERÁ DE FAZER ALTERAÇÕES NA EQUIPA

Victor Zvunka vai ter de efetuar alterações no onze inicial da Naval. A expulsão de Carlitos e a lesão do central Rogério deixam José Mário e Gomis mais próximos da titularidade, depois de terem sido opção no decorrer da vitória, por 1-0, frente ao Portimonense.
Se o lateral-direito é certo que não será opção no próximo jogo, as próximas 48 horas serão decisivas para o central brasileiro Rogério. O jogador será alvo de avaliação clínica, ficando a aguardar sinal verde para reintegrar os treinos da equipa.
De regresso à Figueira da Foz, o plantel verde e branco teve ontem direito a folga, depois da longa viagem ao Algarve. Hoje inicia-se a preparação para o jogo da 3.ª jornada, frente ao Sporting, com Zvunka a orientar duas sessões de treino. De manhã, às 10 horas, para aqueles que não chegaram a jogar domingo, enquanto à tarde o treino será dirigido aos que fizeram parte das opções de Zvunka, frente ao Portimonense.

Fonte: Record

Naval - Sporting (Preços de Bilhetes)




Segunda-Feira, dia 30 de Agosto
20H15
Estádio Municipal José Bento Pessoa


Preço dos Bilhetes

Para Sócios:

Bancada Coberta: 20€
Bancada Descoberta: 15€
Bancada Superior: 10€


Para Não - Sócios:

 Bancada Coberta: 50€
Bancada Descoberta: 35€
Bancada Superior: 20€



Os bilhetes encontram-se à venda na Sede da Naval 1º de Maio, no Estádio Municipal José Bento Pessoa

Júniores da Naval vencem com hat-trick de Grou



A Naval venceu o Nacional da Madeira por 4-2, conquistando a sua primeira vitória na presente edição do “Nacional” de juniores.

O avançado figueirense Grou foi o elo mais forte de uma partida em que as duas equipas chegaram a repartir o comando do marcador, mas o hat-trick do figueirense colocou um fim na questão do vencedor.

Os madeirenses entraram bem no jogo e resultado disso mesmo, Meneses descaído á esquerda no interior da área, atirou ao ferro.

O Nacional mostrava o seu melhor futebol aproximando-se da baliza navalista, contudo o guardião figueirense com três excelentes defesas negou claramente o golo aos alvi-negros que todavia viriam a marcar por intermédio de Meneses.

Costuma dizer-se que o intervalo é bom conselheiro e de facto assim foi, pelo menos, para a turma da casa que reentrou na partida com outro tipo de dinâmica. Resultado disso mesmo três golos em 10 minutos.

Na etapa complementar, Romeira, displicente, desperdiçou a melhor oportunidade de golo até então construída por qualquer das equipas. No minuto 50, Grou aproveitou defesa incompleta de Edir e fez a igualdade.



Naval adulta “pesca” três pontos no Algarve


Vitória frente ao Portimonense mostrou uma Naval com claras capacidades técnicas e tácticas e com uma enorme capacidade de sofrimento Victor Zvunka tinha passado a mensagem que se a Naval saísse do Algarve com um empate já regressaria à Figueira da Foz satisfeita.

No entanto, o treinador francês sempre deixou bem claro que o primeiro objectivo do colectivo seria sempre a vitória.

E a formação da Praia da Claridade cumpriu na íntegra os objectivos a que o técnico se propôs, ao conquistar diante do Portimonense os primeiros três pontos da temporada.

A Naval foi uma equipa adulta e determinada, que apenas se desorganizou após a (duvidosa) expulsão de Carlitos aos 75 minutos, permitindo ao Portimonense uma reacção esperada e que quase dava o empate.

Os comandados de Litos tiveram neste espaço de tempo (15 minutos) três grandes oportunidades de golo, mas o poste, o desacerto de Lito e uma grande intervenção do francês Salin, inviabilizaram os desejos algarvios.

O início do jogo deixou antever, dada a forma como os conjuntos estavam dispostos em campo, que o vencedor iria ser encontrado no detalhe, uma vez que as formações estavam encaixadas e existia pouco espaço para jogar.

A Naval foi a primeira a criar perigo, por intermédio de Godemèche, mas logo na resposta, após uma grande iniciativa de Ivanildo pela direita, o Portimonense assustou Salin.

Depois destes dois momentos de entusiasmo a partida atravessou um largo período de monotonia, apenas quebrado pelo golo de Godemèche à beira do intervalo. Hugo Machado ganhou um canto na esquerda, que o próprio cobrou com conta, peso e medida para a cabeça do “capitão” da Naval.

Este golo abanou a estrutura do Portimonense, que surgiu do intervalo com duas alterações.  Pires no lugar de Peña e Pedro Moreira substituiu Di Fábio.

Todavia, voltou a ser a equipa da Figueira da Foz que esteve à beira de marcar, por intermédio de Previtali, mas o avançado francês foi incapaz de desfeitear Ventura (realizou uma excelente exibição).

Capacidade de sofrimento

O Portimonense sentiu a necessidade de se libertar do seu sistema táctico no objectivo de tentar chegar ao empate e apesar dessa medida ter aberto alguns espaços nos seus sectores concedeu capacidade ofensiva aos algarvios. Os derradeiros 15 minutos foram dramáticos para a Naval, porque passou a jogar com dez unidades e teve de recuar e jogar com enorme espírito de sacrifício.

E foi, precisamente, neste tempo que o Portimonense teve a sua hipótese de empatar, mas os figueirenses foram uma equipa adulta e inteligente para segurar a vantagem mínima.
Com este resultado, a equipa de Victor Zvunka confirma as capacidades que já tinha deixado antever com o FC Porto, ou seja, uma equipa bem estruturada tacticamente e perspicaz nas suas transições defensivas e ofensivas. O Portimonense continua à procura do primeiro ponto neste regresso à Liga.


Anarquia de alguns jogadores

Entrámos bem nos primeiros 10/15 minutos e depois perdemos o controlo do jogo, devido à anarquia de alguns jogadores, que abdicaram de se esforçar em prol da equipa. Isso afectou-nos. Numa fase em que a Naval estava por cima chegou à vantagem, em desatenção nossa, mais uma vez num lance de bola parada. Ao intervalo, procedemos a alterações. A equipa apareceu melhor, criou mais situações. Também podíamos ter sofrido, perante uma equipa madura, mas o Portimonense criou situações que chegariam para o empate». -  Litos/Portimonense

Três pontos que foram justos

Estou muito, muito satisfeito com a prestação da equipa. Foi um primeiro tempo muito bom, um período em que tivemos, sem dúvidas, maior controlo e mais oportunidades e em que chegámos ao 1-0 com um golo em cima do intervalo. Tivemos um princípio de segunda parte também bom, em que fizemos quase o 2-0. Depois, ficámos com dez e isso permitiu alento ao adversário, que teve bolas nos ferros. Aí fomos felizes, pois eles podiam ter conseguido o empate. Mas foram três pontos para nós, que considero justos». Zkunka/Naval

Árbitro

O juiz portuense teve várias decisões que deixaram dúvidas. O segundo cartão amarelo a Carlitos, que deixou a Naval a jogar com dez jogadores, parece-nos exagerado, e num lance rápido dentro da área figueirense fica a dúvida se Camora joga a bola com a mão, mas Vasco Santos em posição privilegiada mandou seguir o encontro. De resto, esteve tranquilo e actuou sempre perto dos lances.

Margem

O Portimonense irá jogar no Estádio do Algarve, em Faro/Loulé, enquanto as obras de remodelação do Municipal de Portimão não estiverem concluídas. A decisão tomada pela direcção dos algarvios, que surgiu após a Liga de Clubes ordenar que o recinto em Portimão teria de receber beneficiações, obriga os adeptos a realizarem uma viagem de 140 quilómetros – ida para Faro e volta para Portimão. Porém, a Câmara Municipal decidiu ajudar o clube, que está de regresso ao principal patamar do futebol nacional, disponibilizando autocarros para os adeptos se deslocarem para o Portimonense-Naval.

O avançado Lito, que já representou a Naval e a Académica, os dois clubes com maior expressão da Associação Futebol de Coimbra (AFC), veste, agora, a camisola do Portimonense. O número 11 algarvio não esqueceu os amigos do passado e esteve largos minutos a conversar com elementos navalistas, incluindo Nuno Cardoso, director desportivo dos figueirenses.

Aprígio Santos liderou a comitiva da Naval 1.º de Maio até ao Sul do país. Aliás, o presidente da formação da Figueira da Foz raramente não está junto da equipa em dias de jogo e, ontem, também não foi excepção.

No final de uma intensa partida, onde jogaram com menos uma unidade durante 15 minutos, os jogadores da Naval ainda tiveram de ter forças para dar umas voltas ao relvado para descomprimir do esforço.

O MELHOR

Salin (6) Iniciou a partida com uma desatenção que poderia ter custado caro à equipa, porém, não se deixou intimidar e partiu para uma exibição segura e de nível, permitindo com um punhado de grandes defesas que a Naval saísse do Algarve com os três pontos.

Carlitos (5) A rapidez que coloca nos lances em que disputa dificultou a vida dos alas, Candeias e Ivanildo. Aos 75 minutos, viu o segundo cartão amarelo e a consequente expulsão num lance muito discutível.

Lupède (6) Eficaz. Por vezes, em campo, quase nem se dá pelo defesa central mas quando o Portimonense atacou esteve quase sempre no sítio certo, excepção feita a uma desatenção no primeiro tempo.

Rogério (6) Substituído prematuramente, devido a lesão, deixou a sua marca na partida, ao secar por completo o ponta-de-lança Hélder Pelembe.

Jonathas (6) Mais um reforço que se começa a revelar. Defende bem e na hora de atacar tenta acompanhar os movimentos ofensivos do colectivo.

Godemèche (6) Um remate à barra, um golo e uma enorme capacidade de luta no meio-campo. Foi este o registo do francês no Estádio Algarve.

Alex Hauw (6) Trabalhador. Em conjunto com Godemèche forma uma dupla de respeito no miolo defensivo da Naval, determinante para a sustentabilidade do colectivo.
n João Pedro (5) O extremo pegou de estaca no esquema de Victor Zvunka e sem grandes primores conseguiu criar vários desequilíbrios nas alas.

Hugo Machado (6) É o verdadeiro motor da formação navalista, impondo os ritmos do jogo. Ganhou e executou o canto que deu a vantagem aos figueirenses. Saiu numa altura em que o meio-campo necessitava de frescura.

Camora (5) Rendeu Marinho em relação ao onze que defrontou o FC Porto e mostrou ser uma opção válida.

Previtali (5) Exímio nas desmarcações revela intranquilidade na altura de chutar ao golo. O avançado teve nos pés o segundo golo mas permitiu a defesa de Ventura.

Gómis (5) Rapidamente entrou na dinâmica do jogo, cumprindo bem o seu papel.

Bolivia (5) Dez minutos depois da sua entrada, a Naval passou a jogar com menos uma unidade e ajudou a equipa a segurar o triunfo.

José Mário (4) Sentiu dificuldades em fechar a ala direita.


Zvunka muito satisfeito

Zvunka: «Estou muito, muito satisfeito com a prestação da equipa.

Foi um primeiro tempo muito bom, um período em que tivemos, sem dúvidas, maior controlo e mais oportunidades e em que chegámos ao 1-0 com um golo em cima do intervalo.

Tivemos um princípio de segunda parte também bom, em que fizemos quase o 2-0.

Depois, ficámos com dez e isso permitiu alento ao adversário, que teve bolas nos ferros.

 Aí fomos felizes, pois eles podiam ter conseguido o empate.

 Mas foram três pontos para nós, que considero justos.»

Fonte: Mais Futebol

Godemeche: «É um resultado que merecemos»


Godemèche, médio da Naval, comenta a vitória sobre o Portimonense, neste domingo, no Algarve:

«Foi um bom jogo, começámos bem e tivemos a felicidade de marcar primeiro. Depois da derrota com o F.C. Porto, reagimos bem e ganhámos os três pontos. 

É verdade que o Portimonense teve algumas oportunidades na segunda parte, mas também podíamos matar o jogo mais cedo. Foi um período mais complicado para nós, mas este é um resultado que merecemos.»

Portimonense-Naval, 0-1 (crónica)

Primeira parte ditou a diferença

O Portimonense não foi feliz na estreia em casa (emprestada) na Liga, ao sair derrotado pela Naval neste domingo, na segunda jornada. Godeméche, perto do intervalo, marcou o único golo do jogo, disputado no Estádio Algarve, campo maldito para os de Portimão, que em jogos oficiais, nunca conseguiram vencer no recinto algarvio construído para o Euro-2004.



Com sistemas idênticos, o 4x2x3x1, a Naval dominou nos primeiros 45 minutos, ante um adversário ainda muito verde. Desde bem cedo os visitantes marcaram terreno, com Godemeche a acertar na barra da baliza de Ventura, logo aos quatro minutos. No desenho de Zvunka, o capitão da Naval, como médio defensivo, tinha mais liberdade para subir que o companheiro do lado, Alex Hauw, situação similar no Portimonense com Jumisse, deixando Elias mais recuado.



Semelhanças aparentes, mas distantes no terreno, já que o francês, mais rodado nestas andanças que o moçambicano, foi um apoio importante nos desdobramentos ofensivos da sua equipa, em apoio a Hugo Machado, o organizador de jogo. No campo contrário, Jumisse não foi a ajuda que Peña precisava, deixando o pensativo dos algarvios muito distante do jogo e dos companheiros, com o Portimonense a existir ofensivamente, apenas com as investidas de Ivanildo.



Durante a primeira parte, só por uma vez o Portimonense esteve próximo do golo, por Peña e logo aos cinco minutos, elucidativo da produção ofensiva da equipa nesse período. Depois da entrada a marcar posição por parte da Naval, os visitantes só pegaram definitivamente nas rédeas do jogo perto da meia hora, depois de aparente equilíbrio, com as equipas muito distantes da baliza.



Depois de Previteli, por duas vezes (27 e 36 minutos) ter incomodado Ventura, a Naval inaugurou o marcador por Godeméche, de cabeça, na sequência de um canto de Hugo Machado, na esquerda. O francês apareceu solto ao segundo poste, marcando à vontade.



Litos mexeu na equipa e no esquema para a segunda parte. Retirou o central Di Fábio e o apagado Peña e apostou em Pedro Moreira e Pires, passando a equipa a jogar em 4x4x2. Elias recuou para o centro da defesa, com Jumisse e Pedro Moreira no miolo. Candeias e Ivanildo continuaram nas alas, no apoio a Pelembe (mais recuado) e Pires.



A vontade dos jogadores do Portimonense em mudar o rumo do jogo foi mais vincada, mas a Naval continuava a ser perigosa. Previtali, aos 55 e 57 minutos, foi perdulário.



O Portimonense também melhorou, com Pelembe mais apoiado no ataque e a encontrar mais espaços para visar a baliza de Salin, pecando apenas na pontaria, como sucedeu aos 60 e 62 minutos. A qualidade do jogo aumentou e o perigo passou a rondar as duas balizas, com a falta de pontaria a obstar a que o resultado sofresse alteração, várias foram as oportunidades de golo esbanjadas pelos dois conjuntos. Venceu a Naval, com a primeira parte a ditar a diferença entre os dois conjuntos.

O dilema de Zvunka

A Naval treina hoje às 9h00 e arranca de seguida rumo ao Algarve, onde amanhã defronta o Portimonense em terreno neutro, ou seja, no Estádio Algarve. O técnico Victor Zvunka anseia por festejar golos e pontos numa altura em que, jogada a primeira jornada do campeonato, a sua equipa está a zero. Neste contexto, as movimentações dos treinos dos últimos dias indicaram que há quatro candidatos para duas vagas no onze inicial. O sector defensivo voltou a contar com o lateral-esquerdo Jonathas e, como tal, deve ser o mesmo que defrontou o FC Porto. Os exaustivos ensaios de Zvunka têm incidido na ala esquerda, onde concorrem Marinho e Camora, e na posição 10, que será ocupada por Hugo Machado ou Edivaldo (o Bolívia da época passada). O canhoto Camora tem vindo a destacar-se nos treinos, marcando golos de belo efeito, e ganha a Marinho na estatura. Quanto a Machado e Edivaldo, sendo ambos criativos, o segundo trabalha mais nas tarefas defensivas. 

Fonte: O Jogo

Zé Mário rende Giuliano diante do Portimonense

Victor Zvunka introduziu apenas uma alteração na lista de convocados para o jogo deste domingo, em Portimão, diante da equipa local: a entrada do lateral Zé Mário para o lugar do médio Giuliano.
Sem casos clínicos a assinalar, o técnico francês deixou de fora, por opção, Bruno, João Real, Daniel Cruz, Orestes, Davide e Manuel Curto.
Lista de convocados:
Guarda-redes: Salin e Jorge Batista;
Defesas: Zé Mário, Carlitos, Lupède, Rogério Conceição, Gomis e Jonathas;
Médios: Godeméche, Godinho, Alex Hauw e Hugo Machado;
Avançados: João Pedro, Michel Simplício, Edivaldo, Previtali, Marinho e Camora.

Fonte: Mais Futebol

Marinho: «Vencer o Portimonense é o objetivo»

Avançado navalista quer vitória no Algarve

O avançado Marinho disse hoje à Lusa que vencer o Portimonense é o principal objetivo da equipa na deslocação ao Estádio do Algarve, partida da segunda jornada da Liga Zon Sagres.
"Vencer é nosso objetivo. Temos consciência de que vai ser uma partida muito difícil, todavia trabalhámos e preparámos bem este jogo. Unidade e ambição são os nossos argumentos", frisou o jogador.
Marinho alerta que o Portimonense tem com certeza os mesmos objetivos do que a Naval: "Vamos respeitar o adversário e abordar o jogo com humildade. Além desses dois vetores, não podemos descurar a concentração, que é fundamental".
Portimonense e Naval defrontam-se no próximo domingo no Estádio Algarve pelas 17 horas, partida que será dirigida pelo árbitro Vasco Santos (Porto).

Fonte: Record

João Pedro quer acabar com filme de terror

Os jogos de João Pedro contra o Portimonense parecem filmes de terror. E não é por acaso. Em dois confrontos contra os algarvios em 2009/10, o antigo extremo da Oliveirense não venceu nenhum. Por isso, parte para o Estádio do Algarve com uma motivação suplementar. "O jogo é em terreno 'neutro' e eles não o conhecem tão bem. Por isso, vamos lá para ganhar. Espero que desta seja de vez", referiu o navalista, que, ao contrário de Jonathas, trabalhou sem limitações. A ausência do brasileiro, titular contra o FC Porto, levou mesmo Victor Zvunka a testar Daniel Cruz no sector defensivo. 

Fonte: O Jogo

Defesa Jonathas em dúvida

JOGAR COM PROBLEMAS FÍSICOS


O técnico Victor Zvunka viu ontem, pela primeira vez esta temporada, um jogador navalista parar por problemas físicos. O lateral Jonathas, de 25 anos, não integrou o treino realizado da parte da tarde, estando por isso em dúvida para a deslocação a Portimão. Segundo o boletim clínico do clube, o defesa brasileiro tem uma mialgia, situação que pode impedir a utilização do brasileiro no jogo da 2.ª jornada da Liga.
No treino de ontem, Zvunka privilegiou os exercícios de circulação e posse de bola. No final, houve tempo para os guarda-redes Salin, Jorge Batista e Bruno serem postos à prova através de intensa sessão de remates à baliza.
Hoje, o plantel volta a trabalhar no Municipal figueirense a partir das 10 horas, estando a viagem para o Algarve marcada para amanhã depois de um ligeiro treino às 9 e 15. 

Mais info no site oficial (www.naval1demaio.net)

Fonte: Record
 

Previtali já esqueceu desaire a abrir

DUELO COM FC PORTO FAZ PARTE DO PASSADO



O FC Porto já pertence ao passado. Na Figueira da Foz, os dragões já não são assunto e vencer o Portimonense torna-se importante para a motivação do grupo ao dispor de Victor Zvunka. Esta mensagem tem sido passada pelo plantel desde o início da semana e ontem mereceu o aval de Previtali. O avançado que reforçou a Naval nesta temporada diz que a derrota por 1-0 com os dragões já está esquecida. “Fizemos uma boa exibição, apesar do desaire”, observa o francês de 23 anos.

Previtali não tem dúvidas sobre a dificuldade que a Naval encontrou no confronto que marcou a estreia no campeonato português. “Jogar frente ao FC Porto foi difícil”, refere o ex-Guengnon, acrescentando que “individualmente também foi muito complicado, uma vez que nestes jogos, contra as grandes equipas, a bola chega poucas vezes à frente de ataque”.
Difícil... é também o próximo jogo. No domingo, a Naval desloca-se a Portimão, num encontro em que, segundo o avançado francês, “o objetivo é vencer, apesar de no outro lado estar uma equipa com o mesmo pensamento”.

Fonte: Record

Vamos Apoiar a Nossa Naval - Ajuda o Colectivo





Vêm com o Colectivo Maravilhas até Portimão

Domingo, 22 Agosto
Estádio de Faro / Loulé
17H00

Portimonense - Naval

Vem apoiar a nossa NAVAL

Viagem a Portimão

Saída às 9H00
do Estádio

Preços de viagem + Bilhete para o jogo
30 Maravilhas Sócios do Colectivo
35 Maravilhas Não Sócios

Info Line 96 292 59 88

Saudações do COLECTIVO MARAVILHAS
Pedro Taborda