Inácio prepara equipa com 4 baixas

Augusto Inácio prepara a deslocação à Madeira, onde, sábado, defronta o Nacional, um adversário de que os figueirenses não guardam boas recordações. Na época transacta, a Naval perdeu na Choupana, logo na 2.ª jornada, por 1-2 e na Figueira da Foz, já este ano, foi o descalabro total, com uma derrota gorda por 0-4.

O técnico continua a ver a sua equipa desfalcada, já que não pode contar com Davide, Bruno Lazaroni, Alex Hauw e Ouattara, os três primeiros lesionados e o último castigado.

No treino em Quiaios, os utilizados no jogo com o Gil Vicente, para a Taça de Portugal, fizeram exercícios de recuperação.

Fonte:Record

Pecnik afirma que jogo com a Naval vai ser complicado

A Naval 1º de Maio joga, no próximo domingo, com o Clube Desportivo Nacional, na 11ª jornada da Liga Sagres.

Para o internacional esloveno, Pecnik, este é mais jogo complicado, uma vez que a Naval é uma equipa forte, mas garante que o plantel insular vai lutar pela vitória, e pela manutenção do quarto lugar da classificação.

“Será mais um jogo complicado, mas jogamos em casa e precisamos de ganhar para manter o quarto lugar. Por isso, precisamos de nos preparar bem e dar o nosso máximo para ganhar”, afirma o médio esloveno.

O jogador adiantou que por agora a turma insular só pensa no jogo da Liga Sagres: “Pensamos jogo a jogo. O próximo adversário é a Naval 1.º de Maio e nós estamos 100 por cento concentrados nesse jogo”.

Fonte:O Jogo

Naval arrolou ex-dirigente da Académica no caso João Ribeiro


A Naval arrolou o ex-vice-presidente da Académica para o futebol, Jorge Alexandre, como testemunha no processo relativo à transferência de João Ribeiro para o clube de Coimbra, apurou o Maisfutebol. O caso está nas mãos da Comissão Arbitral Paritária que irá decidir se houve intenção fraudulenta dos estudantes na contratação do ex-jogador do clube da Figueira da Foz.

O emblema liderado por Aprígio Santos entende que o ex-dirigente - demitiu-se em Junho, alegando divergências com o presidente na escolha de Rogério Gonçalves para treinador - , pelo cargo que ocupava, teve um papel determinante neste «dossier», razão pelo qual decidiu solicitar o seu depoimento.

Recorde-se que os navalistas reclamam o pagamento de 300 mil euros a título de direitos de promoção do atleta, de acordo com os regulamentos, mas a Briosa entende não ter qualquer verba a desembolsar na medida em que o jovem extremo foi emprestado por um clube da II Divisão do Chipre, o Frenaros FC 2000.

A Lei apenas permite que o jogador regresse ao país de origem passado um ano, o que não se verifica neste caso já que João Ribeiro terminou contrato com os figueirenses na época passada e foi inscrito pela Académica a 31 de Agosto.

A defesa da Naval baseia-se no conteúdo do artigo 41, do Capítulo III (Compensação pela Formação ou Promoção), do Contrato Colectivo de Trabalho dos Jogadores Profissionais de Futebol. Nessa cláusula estabelece-se, por exemplo, que é considerado «intenção fraudulenta» caso «o contrato de trabalho desportivo celebrado com clube estrangeiro cessar antes que haja decorrido uma época sobre a sua celebração, salvo no caso de rescisão com justa causa pelo jogador.»

Em suma, defende a Naval, «o direito à compensação do clube de procedência mantém-se se o jogador, incluído na lista de compensação [foi o caso], celebrar compromisso desportivo como amador ou contrato de trabalho desportivo com clube estrangeiro com o propósito de iludir esse direito.»

Fonte:tvi24

Naval 3 - Gil Vicente 2 (Taça de Portugal)

Ficha do Jogo

Jogo no Estádio Municipal José Bento Pessoa na Figueira da Foz

Naval - Gil Vicente, 3-2 (após prolongamento

Intervalo: 0-1

Marcadores:

0-1 Rui Pedro, 39 minutos "gp"

0-2 Duarte, 78

1-2 Kerrouche, 90+1

2-2 Diego 90+3

3-2 Michel Simplício, 110

Equipas:

Naval: Peiser; Carlitos, Gómis, Diego, Daniel Cruz (Ouattará 57), Godemèche, Baradji, Camora (Simplício 73), Kerrouche, Tandia (Bolívia 77) e Marinho.

(Suplentes: Jorge Batista, NKake, Michel Simplício, Bolívia, Real, Ouattará e Kovacevic).

Gil Vicente: Hugo Marques, Paulo Arantes, Sandro, Kiko, João Cardoso, Bruno Madeira, Rodrigo Galo, Duarte, João Martins (Pedro Moreira 62), Matão (Bura 80) e Rui Pedro (Camargo 85)

(Suplentes: Márcio Ramos, Bura, Camargo, Alhandra, Pedro Moreira, Dany e Tiago André).

Árbitro: Rui Costa - Porto

Acção disciplinar: cartão amarelo para: Carlitos 39', João Martins 49', Pedro Moreira 68' e 76', Ouattará 70', 109', Hugo Marques 90+2', Sandro 104

Cartão Vermelho para: Pedro Moreira 76' ac, Ouattará 109'

Assistência: Cerca de 350 Espectadores.

Filme do Jogo



A Naval 1.º de Maio (Liga Sagres) garantiu no passado Domingo o apuramento para os oitavos de final da Taça de Portugal ao vencer o Gil Vicente, (Liga Vitalis) por 3-2, após prolongamento, em jogo disputado na Figueira da Foz.

O Gil Vicente vencia por dois golos aos 90 minutos, mas a Naval conseguiu empatar nos descontos e vencer no prolongamento, numa fantástica reviravolta, a que não terá sido estranha a expulsão de Pedro Moreira à entrada do último quarto de hora.

Augusto Inácio fez regressar ao "onze" Marinho e Kerrouche, enquanto no Gil, Rui Quinta apresentou Hugo Marques João Martins nos lugares habitualmente ocupados por Márcio Ramos e Pedro Moreira.

As duas equipas apresentaram sistemas tácticos idênticos, 4x1x3x2, pelo que o encaixe não foi difícil, com a Naval a dominar nos primeiros minutos.

Resultado desta estratégia, a Naval criou três lances de imenso perigo, porém, Kerrouche, Godemèche e Tandia não foram suficientemente rápidos para o toque final.

No decorrer do minuto 29 a Naval teve à mercê a melhor oportunidade de marcar, porém, Hugo Marques, com grande defesa, tirou declaradamente o pão da boca a Marinho.

Dez minutos volvidos - minuto 39 - o Gil Vicente inaugurou o marcador através da marcação de uma grande penalidade.

Rui Pedro foi derrubado na área de rigor por Carlitos, na cobrança do castigo máximo o internacional sub-21 não perdoou levando a sua equipa para o intervalo a vencer por 1-0.

No lance inicial da etapa complementar esteve à vista o segundo golo dos "galos", valendo o desarme in extremis de Gómis que evitou o pior

Cedo os treinadores iniciaram a "guerra de bancos", Inácio prescindiu de um defesa, Daniel Cruz e lançou um avançado, Ouattará, por sua vez Rui Quinta trocou médio por médio entre João Martins e Pedro Moreira.

Pedro Moreira no espaço de oito minutos foi admoestado por duas vezes com o cartão amarelo e consequente vermelho deixando a turma de Barcelos reduzida a dez unidades.

Dois minutos volvidos, apesar da inferioridade numérica, um lançamento longo de Hugo Marques ressaltou para Duarte que bateu Peiser, colocando o Gil em vantagem de dois golos

Pensou-se que a eliminatória estava sentenciada, mas a Naval conseguiu o milagre nos descontos.

Ao primeiro minuto de compensação, dos quatro concedidos pelo árbitro Rui Costa, Kerrouche ganhou um ressalto na área, rematou e reduziu a desvantagem para 1-2

O golo fez acreditar os figueirenses que ainda podiam mudar o rumo dos acontecimentos e volvidos mais dois minutos (terceiro de compensação) Diego faz um chapéu a Hugo Marques e leva a partida para prolongamento.

Ao minuto 109 terminou a superioridade numérica da Naval. Ouattará foi admoestado com segundo amarelo e consequente vermelho

Um minuto volvido, Michel Simplício assistido por Kerrouche marca o terceiro golo para a turma da Figueira da Foz, golo que valeu a eliminatória apesar de Peiser no último lance da partida assinar a defesa da tarde a remate de Rodrigo Galo.

Comentários
Inácio realça a crença da sua equipa

Augusto Inácio, treinador da Naval, comentando a reviravolta (3-2) sobre o Gil Vicente, em jgo da 4ª eliminatória da Taça de Portugal:
«Na primeira parte só deu Naval. Fomos a equipa que teve mais oportunidades e, numa descida do adversário, eles conseguiram sair para o intervalo a ganhar 1-0. Acho que com o campo que estava, a Naval nem estava a jogar mal. Na segunda parte não jogámos bem, o Gil soube fechar-se e, num contra-ataque, criou um lance de perigo em que fez o segundo golo. Depois, foi a demonstração de uma equipa que jogou na quarta-feira e com este campo estava desgastada. Os jogadores acreditaram imenso, depois de marcar o primeiro, conseguiram também o segundo e se o jogo demorasse mais três ou quatro minutos, como o jogo estava, talvez conseguíssemos chegar ao terceiro golo. Na primeira parte do prolongamento baixámos um bocadinho o ritmo, mas queríamos continuar a pressionar da mesma maneira que fizemos no final dos 90 minutos. Aconteceu o golo na segunda parte, fruto do que os jogadores fizeram, do que acreditaram e do que se sacrificaram. Acho que foi uma verdadeira equipa no sentido de entreajuda, não no bem jogar. Estou muito satisfeito com a entrega dos jogadores, mas temos de melhorar algumas situações.»

Fonte:O Jogo

Hauw falha Gil Vicente


O médio francês Alex Hauw, substituído no intervalo do jogo da Taça da Liga com o U. Leiria, disputado ontem na cidade Lis, é «baixa» certa na Naval para a recepção ao Gil Vicente, domingo, referente à quarta eliminatória da Taça de Portugal.

O jogador vai ser reavaliado amanhã e, é quase certo, deverá submeter-se a exames complementares de diagnóstico, ficando assim arredado do jogo com os gilistas.

Alex Hauw junta-se assim a Davide (traumatismo no cotovelo) e Lazaroni (traumatismo no tornozelo) no lote de indisponíveis para Augusto Inácio.

No entanto, nem tudo são más notícias na equipa da Figueira da Foz.

Isto porque o treino de hoje, realizado em Quiaios, assinalou o regresso ao trabalho de Bellagra, sem quaisquer limitações, depois de debelar o traumatismo no joelho esquerdo contraído há cerca de seis semanas.

Augusto Inácio agendou nova sessão para as 9.30 horas de sexta-feira, à porta fechada, outra vez em Quiaios.

Fonte: Jornal A Bola

U. Leiria-Naval, 1-1: Locais garantem apuramento

EQUIPA DA CASA SEGUE PARA 3.ª FASE DA TAÇA DA LIGA

Um empate (1-1) na receção à Naval foi o suficiente para a U. Leiria garantir o 1.º lugar na Grupo F e o consequente apuramento para a 3.ª fase da Taça da Liga, que já vai contar com os 6 primeiros classificados da Liga Sagres da última época.

Numa partida sem grande qualidade, a formação orientada por Lito Vidigal colocou-se em vantagem logo aos 9 minutos, com Paulo Vinícius a cabecear para o fundo da baliza após um livre direto cobrado por Marco Soares.

Os visitantes responderam com um tento de Baradji, aos 23', igualmente na sequência de um lance de bola parada - Godemèche marca um pontapé de canto e o médio francês desviou a bola com o pé esquerdo, quase de forma involuntária.

Na segunda parte, a melhor oportunidade pertenceu aos figueirenses, mas Michel rematou à barra após um corte incompleto de Diego Gaúcho.

Com cerca de 200 espectadores no Estádio Municipal de Leiria e sob arbitragem de Pedro Henriques (Lisboa), as equipas alinharam:

U. LEIRIA - Djuricic, Hugo Gomes, Bruno Miguel, Diego Gaúcho, Paulo Vinícius, Elias (Ronny 90'+3), Marco Soares, Pateiro, Silas (Tiago Luís 88'), Carlão e Cássio (Pedro Cervantes 70').

NAVAL - Jorge Batista, Carlitos, Gómis, Diego, Daniel Cruz, Godemeche, Michel Simplício, Alex (Camora 46'), Baradji, Ouattara (Marinho 59') e Tandia (Kerrouche 74').

Fonte: Jornal Record

União de Leiria - Naval (Antevisão)

Jogo transmitido via rádio 4ª feira dia 18 de Novembro pela Rádio Clube Foz do Mondego ou em 99.1FM - Figueira da Foz & Rádio 94FM Leiria em 94FM zona Centro e 94.2FM na Zona Oeste



O regresso de Aboubacar Tandia é a nota de maior destaque da lista de convocados da Naval para o jogo desta quarta-feira em Leiria, a contar para a última jornada da segunda fase da Taça da Liga.

Em relação ao último jogo dos navalista, na Luz, registam-se as saídas de Lazaroni - já não jogou nessa partida, devido a uma entorse, apesar do teste antes do jogo -, Davide, que tem um braço imobilizado, e Zé Mário, por opção.

Numa convocatória encurtada para 18 jogadores, ficam ainda de fora Bruno, Ludède, Tiago Rannow e Kovacevic. Omar Bellagra completa a lista de ausentes, mas por estar ainda à procura de ganhar ritmo, depois de várias semanas a recuperar de um traumatismo num joelho.

U. Leiria e Naval discutem a última vaga disponível para terceira fase da Taça da Liga, bastando aos donos da casa um empate para permanecerem em prova.

Convocados:
Guarda-redes: Peiser e Jorge Batista;
Defesas: Carlitos, Gomis, João Real, Diego Ângelo e Daniel Cruz;
Médios: NKake, Baradji, Godemèche, Alex Hauw e Camora;
Avançados: Simplício, Ouattara, Bolívia, Tandia, Kerrouche e Marinho.

Inácio quer vencer em Leiria
Augusto Inácio quer inverter o resultado do Naval-U. Leiria, a 24 de outubro, para a 8.ª jornada da Liga, em que os figueirenses foram batidos por duas bolas sem resposta no Magalhães Pessoa.
O técnico não esqueceu esse encontro e salienta que "esse jogo deu-nos indicações para o futuro, para colocar os jogadores no terreno de uma forma ligeiramente diferente. Já o fizemos com o Leixões e com o Benfica, e esperamos não cometer os erros individuais desse jogo em Leiria, que se refletiram no coletivo".

Para Inácio "trata-se duma competição diferente, em que somos obrigados a ganhar para seguir em frente. Aliás, a nossa obrigação é a de sempre lutarmos pela vitória", acrescentando que "a equipa está a ficar cada vez mais consistente, mais coesa, mais confiante, mas sabemos que vamos defrontar um adversário que joga em casa para dois resultados, pelo que não vai ser fácil a nossa tarefa mas vamos com a disposição de ultrapassarmos este obstáculo".

O técnico da equipa figueirense deve fazer algumas alterações na equipa, gerindo-a de forma que possa também estar nas melhores condições no jogo de domingo para a 4.ª eliminatória da Taça de Portugal, em que recebe o Gil Vicente.

Lito Vidigal: «Jogar com seriedade»
Basta um empate frente à Naval para a U. Leiria passar à próxima fase da Taça da Liga. Amanhã, os leirienses recebem o conjunto da Figueira da Foz e, apesar de a igualdade ser suficiente, Lito Vidigal quer vencer o adversário.

"Ninguém joga para empatar ou perder. Todas as equipas querem a vitória. Basta-nos um empate para passar à eliminatória seguinte, mas temos de manter o empenho e encarar o jogo com seriedade e a habitual humildade para garantirmos um resultado positivo."

O técnico está limitado nas opções devido à ausência de seis jogadores nas seleções e não tem, assim, hipótese de poupar alguns dos atletas mais utilizados. No entanto, não lamenta esta contrariedade. Afirma mesmo que necessita "de jogar com os que estão disponíveis" para concretizar os objetivos que tem em mente.

Aos jogadores internacionais junta-se ainda Vítor Moreno. O defesa continua a treinar-se condicionado e é certo que vai falhar o encontro com a Naval.

Camora: «Temos uma equipa forte»

Camora, de 23 anos, jogador polivalente (já ocupou no clube todas as posições do corredor esquerdo), completou 714 minutos na Liga, sendo titular em 8 das 10 jornadas, apenas não sendo utilizado na 4.ª ronda, em Guimarães, onde os navalistas perderam por 0-3, e ficou no banco. No último jogo com o Benfica foi o que mais correu, com mais de 13 quilómetros à sua conta.

Segue-se o jogo em Leiria para a Taça da Liga e Camora está confiante: "Temos uma equipa forte, sinto-me bem, e, relativamente ao jogo que perdemos em Leiria para o campeonato, este tem características especiais, porque somos obrigados a ganhar para passarmos à fase seguinte", disse

Camora deixa a receita para a história ser outra: "Só temos uma coisa a fazer: chegar a Leiria, impor o nosso jogo e ganhar".

Fonte:Record&tvi24

Marinho: «Vamos encarar este jogo com mais confiança»



Quarta-feira decide-se em Leiria o acesso à fase seguinte da Taça Liga, num jogo em que os figueirenses querem rectificar o desfecho da 8.ª jornada da Liga, quando em 24 de outubro perderam no Magalhães Pessoa por 0-2.

"Esse jogo já pertence ao passado", faz questão de salientar o avançado Marinho, de 26 anos, em declarações a Record, jogador utilizado em todos os jogos do campeonato, tendo sido titular em sete, com um total de 714 minutos. "Temos vindo a crescer e vamos encarar este jogo com mais confiança", garante.

Marinho desvaloriza o facto da Naval, nas edições anteriores, nunca ter passado deste patamar, na Taça da Liga: "Isso são apenas estatísticas. Não podemos ir por aí e não é nada que nos afecte", assegura, garantindo que, "se jogar, podem crer que o Marinho vai entrar em campo confiante e com vontade de ganhar".

Fonte:Record

Inácio esconde tática na preparação para o jogo de 4ª feira


Augusto Inácio iniciou a preparação (à porta fechada) para o jogo da próxima quarta-feira, em Leiria, onde os figueirenses vão tentar vencer para passarem à fase seguinte. Nas duas edições anteriores Taça da Liga, a formação da Figueira da Foz não conseguiu passar à terceira fase.

Relativamente ao plantel, repetiu-se o cenário da véspera, ou seja, Bellagra e Lazaroni fizeram treino específico, enquanto Davide voltou o não pisar o relvado.

De hoje até à véspera da deslocação à cidade do Lis, os treinos do plantel vão decorrer no Centro de Estágio de Quiaios, sendo que as duas primeiras sessões vão realizar-se os à porta fechada.

Augusto Inácio deve fazer algumas alterações no jogo de Leiria, sendo muito provável que Jorge Baptista regresse ao onze inicial, como sucedeu na primeira jornada da Taça da Liga, quando se registou um empate a um golo com o Santa Clara, na Figueira da Foz.

Fonte:Record

Juvenis da Naval com suspeitas de gripe A

Dez jogadores da equipa de Juvenis B da Naval 1º de Maio apresentam sintomas de gripe A, um quadro que levou os dirigentes do clube da Figueira da Foz decidiram não comparecer no jogo com o Condeixa.

Na quinta-feira, um jogador recorreu ao Hospital da Figueira da Foz e, após realizar exames médicos, ficou em isolamento. Até sábado, mais seis atletas recorreram à mesma unidade com sintomas semelhantes. O número de jogadores com sintomas do vírus H1N1 subiu para dez na madrugada de hoje depois de três outros atletas terem apresentando sintomas.

Joaquim Parente explicou à agência Lusa que as suspeitas de gripe A, a Direcção decidiu não comparecer no jogo a contar para o Campeonato Distrital da Associação de Futebol de Coimbra.

Além dos jogadores já com sintomas, há ainda o risco de outros atletas, que estiveram em contacto com os colegas, poderem estar contaminados e contagiarem os adversários.

Fonte:Correio da Manhã


Lazaroni, Bellagra e David fora do jogo com o U. Leiria

A Naval continua a preparar o jogo de quarta-feira frente ao U. Leiria, na Taça da Liga. À equipa orientada por Augusto Inácio só a vitória interessa que posso continuar em prova, mas o adversário seguem à fase seguinte com o empate.

Lazaroni, Bellagra e David são cartas fora do baralho para o jogo frente ao Leiria. Os atletas ainda podem recuperar das respectivas lesões, mas o técnico não irá arriscar na sua recuperação, visto não se treinarem há uma semana.

O grupo volta a reunir-se amanhã domingo e segunda-feira, para mais dois treinos no Municipal da Figueira da Foz, com Inácio a esconder a estratégia de olhares indiscretos.

No Domingo, a Naval volta a entrar em campo para receber o Gil Vicente mas desta vez em jogo a contar para a Taça de Portugal.

Fonte:A Bola

Treino com alguns regressos



A equipa da Naval realizou mais um treino nesta manhã de sexta-feira, com o intuito de preparar o embate da próxima quarta-feira diante da União de Leiria, num encontro a contar para a decisão de quem vai ser o líder do grupo F da Taça da Liga.

De salientar que o guardião francês da Naval, treinou hoje sem qualquer tipo de problema após ter apresentado algumas limitações nesta quarta-feira. Por outro lado, o médio brasileiro,
Lazaroni, está a contas com um traumatismo no tornozelo mas pode ainda recuperar a tempo do jogo com a União de Leira.

Já Davide tem o braço imobilizado por causa de um traumatismo no cotovelo. Por sua vez Bellagra já treina com cargas de treino mais pesadas para tentar recuperar o ritmo competitivo rapidamente depois de ter estado afastado dos relvados devido a um traumatismo num joelho.

Para amanhã, está agendado novo treino pelas 9.30 horas, na Figueira da Foz, e que será realizado à porta fechada.

Fonte:O Jogo

Treino desta quinta-feira com algumas ausências

O técnico Augusto Inácio tem mais uma baixa na equipa da Naval, já que, depois do avançado francês Omar Bellagra, de 23 anos, e do médio brasileiro Bruno Lazaroni, de 29, se terem lesionado, foi agora a vez do avançado Davide, de 26 anos, sofrer um traumatismo num cotovelo.

No treino em Quiaios, Bellagra fez corrida, Lazaroni treino específico e Davide ficou no posto médico do clube em tratamento.

Depois do jogo intenso disputado na Luz, com o Benfica, a equipa prepara-se para a deslocação a Leiria, na próxima quarta-feira, em jogo para a Taça da Liga.

Simplício não esquece perdida na Luz

O avançado brasileiro Michel Simplício ainda não esqueceu a perdida frente ao Benfica, no último minuto. O jogador, que apenas foi titular em três partidas (nenhuma completa), confessa que chegou a convencer-se que tinha marcado: "Face ao silêncio que se fez no estádio após o remate, pensei que tinha sido golo mas como os meus companheiros não me vieram felicitar, vi que a bola tinha passado ao lado..."

Segue-se a deslocação ao Magalhães Pessoa, para defrontar a União de Leiria. E Michel Simplício mostra-se confiante num bom resultado. "Estamos a trabalhar com muita força. É outro campeonato. Perdemos para a Liga nesse campo, mas queremos dar a volta por cima. Este é o nosso sentimento", garante o jogador, que tem contrato com o clube até 2012.

Fonte:Record

Treino de recuperação depois do jogo com o Benfica


A equipa da Naval voltou a treinar esta manhã, onde o médio brasileiro Bruno Lazaroni foi a grande ausência do dia. Para além disso, os restantes jogadores que alinharam na Luz fizeream treino de recuperação.

De lembrar que Lazaroni lesionou-se na sessão de preparação para o encontro diante do Benfica, tendo ficado em tratamento, e será reavaliado ainda esta semana.

Por outro lado, Omar Bellagra fez apenas corrida. O jogador tenta, desta forma, recuperar os bons índices físicos, o que poderá significar um regresso aos trabalhos no próximos dias.

Fonte:O Jogo

Grande Penalidade por Assinalar a CAMORA

Aqui fica o momento da carga de Maxi sobre Camora, onde se a grande penalidade fosse marcada, o resultado poderia ser bem diferente à Naval.

Exibição de Peiser na Luz coloca o guarda-redes entre os que mais defendem


A grande exibição de Peiser, da Naval 1.º de Maio, frente ao Benfica, colocou o guarda-redes francês na segunda posição entre aqueles que mais defesas fazem na liga portuguesa de futebol.

Segunda-feira à noite, em jogo da 10.ª jornada da Liga, Peiser foi provavelmente o melhor jogador em campo e só não conseguiu defender já nos instantes finais do jogo um cabeceamento do médio espanhol Javi Garcia, que deu a vitória por 1-0 ao Benfica.

O guarda-redes francês somou mais 11 defesas em relação à anterior jornada e ocupa agora o segundo lugar entre os guarda-redes com mais defesas: com 46 em dez jogos, numa média de 4,60 defesas por jogo.

Na frente, entre os guarda-redes mais activos, continua o guarda-redes brasileiro Rafael Bracali, com 65 defesas em dez jogos (média de 6,50), enquanto Diego (Leixões) caiu para o terceiro lugar (39 defesas em dez jogos), por troca com Peiser.

Dos guarda-redes dos crónicos candidatos ao título, Helton, do FC Porto, é o que mais defesas fez, com 34 em dez jogos, o que lhe vale sétimo lugar entre os que mais defendem.

Rui Patrício (Sporting) ocupa a 12ª posição (25 defesas em dez jogos) e Quim (Benfica) é 14º (23 defesas em dez jogos). Eduardo, do líder Sporting Braga, surge no 10º posto, com 32 intervenções para defesa em dez jogos.


Mais Defesas

Pos Jogador Equipa Valor Jogos Média

1 Bracali Nacional 65 10 6,50
2 Peiser Naval 46 10 4,60
3 Diego Leixões 39 10 3,90
4 Cássio P. Ferreira 39 10 3,90
5 Nélson Belenenses 38 11 3,45
6 Djuricic U. Leiria 36 10 3,60
7 Helton FC Porto 34 10 3,40
8 Peçanha Marítimo 34 10 3,40
9 Ventura Olhanense 33 9 3,67
10 Eduardo Sp. Braga 32 10 3,20
11 Nilson V. Guimarães 27 10 2,70
12 Rui Patrício Sporting 25 10 2,50
13 Nuno Santos V. Setúbal 24 6 4,00
14 Quim Benfica 23 10 2,30
15 Mário Felgueiras V. Setúbal 21 4 5,25
16 Carlos Rio Ave 21 10 2,10
17 Ricardo Académica 19 7 2,71
18 Bruno Veríssimo Olhanense 12 1 12,00
19 Bruno Veríssimo Olhanense 12 2 6,00
20 Rui Nereu Académica 9 3 3,00

Nota: Dados recolhidos pela WTvision.

Fonte:O Jogo

«O Benfica foi muito melhor, mas mostrámos valor» - Peiser


O guarda-redes Peiser, da Naval, falou no fim do jogo das sérias dificuldades que a sua equipa sentiu frente ao Benfica.

«O Benfica foi muito melhor, mas demonstrámos muito valor.

O resultado foi justo, sabíamos que o Benfica é perigoso e, por isso, fez um golo a dois minutos do fim», admitiu Peiser.

O guarda-redes da Naval falou com naturalidade da superioridade do Benfica. «Houve muitas faltas apitadas para o Benfica e para nós o jogo foi muito difícil», disse.

Fonte: ABola

Benfica 1 - Naval 0: Reportagem

Ficha do jogo



Jogo no Estádio da Luz, em Lisboa.

Benfica - Naval 1º de Maio: 1-0.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Javi Garcia, 88 minutos.

Equipas:

- Benfica: Quim, Maxi Pereira (Keirrison, 77), Luisão, David Luiz, Fábio Coentrão, Javi Garcia, Ruben Amorim, Di Maria, Aimar (Filipe Menezes, 85), Nuno Gomes (Weldon, 59) e Saviola.

(Suplentes: Júlio César, Luís Filipe, Sidnei, Shaffer, Filipe Menezes, Weldon e Keirrison).

- Naval 1º de Maio: Peiser, Carlitos, Gomis, Diego Ângelo, Daniel Cruz, Marinho (Bolívia, 82), Alex Hauw, Godemeche, Baradji, Camora e Kerrouche (Simplício, 68).

(Suplentes: Jorge Batista, José Mário, João Real, Nikake, Bolívia, Simplício e Davide).

Árbitro: Lucílio Baptista (Setúbal).

Acção disciplinar: cartão amarelo para Gomis (10), Godemeche (29), Maxi Pereira (38), Baradji (56).

Assistência: 41.981 espectadores.




Filme do Jogo

O Benfica desesperou hoje para bater a organizada Naval 1º de Maio, por 1-0, recolocando-se no topo da Liga de futebol, à 10ª jornada, mas a cabeça do espanhol Javi Garcia garantiu o 13º triunfo em 16 partidas oficiais.

Aos 89 minutos, a resistência figueirense ruiu com o cabeceamento do médio do país vizinho, que fez o seu terceiro golo no campeonato, correspondendo ao cruzamento do argentino Di Maria, num dos muitos livres de que beneficiaram os da casa.

Os “encarnados” igualaram os 25 pontos do líder Sporting de Braga e deixaram assim o tetracampeão, FC Porto, com cinco pontos de atraso, no terceiro lugar, enquanto a Naval 1º de Maio segue em 10.º.

O treinador "encarnado", Jorge Jesus, voltou a apostar em Fábio Coentrão como defesa esquerdo, Ruben Amorim no meio-campo e Nuno Gomes a apoiar o avançado argentino Saviola, dadas as ausências do médio brasileiro Ramires, lesionado, e do melhor marcador da Liga, o paraguaio Cardozo, suspenso.

Inácio, técnico da equipa figueirense, "montou" um esquema com duas linhas de quatro unidades no qual o capitão francês Godemeche ajudava os defesas e Kerrouche ficava sozinho na frente, não podendo contar com o médio Bruno Lazzaroni, "tocado".

Com dificuldades em penetrar na povoadíssima área contrária, o Benfica alvejou a baliza de Peiser num livre directo de Di Maria, aos 14 minutos, mas o guardião gaulês opôs-se com uma boa defesa.

Cinco minutos depois, nova falta de um dos 11 elementos da Naval invariavelmente atrás do grande círculo e o mesmo protagonista impediu os festejos de Javi Garcia, noutro livre frontal, tal como aos 37 minutos, quando Peiser "safou" Daniel Cruz de um autogolo.

Antes do intervalo, Saviola acertou num poste, na sequência de um pontapé-de-canto cobrado por Aimar, e Javi Garcia, de cabeça, obrigou Peiser a outra excelente defesa, em novo canto.

Na segunda parte, com os dois "muros navais" prestes a ceder, Nuno Gomes falhou uma recarga acrobática, após remate potente de Javi Garcia e Aimar voltou a testar Peiser, tendo sido o poste a negar novamente o golo a Di Maria, aos 67 minutos.

Daí em diante, já com os brasileiros Welson e Keirrison a alargar os "buracos" na defesa figueirense, o Benfica passou por alguns apuros perto da sua baliza, mas conseguiu finalmente "furar".

Aos 89 minutos, o cabeceamento de Garcia premiou os incentivos do público, pedidos segundos antes pelo abnegado e visionário defesa central brasileiro David Luiz.

Benfica venceu hoje a Naval 1º de Maio, por 1-0, em jogo da 10ª jornada da Liga portuguesa de futebol, disputado em Lisboa.

Destaques da Naval

Peiser
Apesar do golo sofrido, Peiser é, sem dúvida, o homem do jogo. Durante a primeira parte, em três livres perigosos para a baliza da Naval, o guardião fez duas grandes defesas. Ou seja, aquelas que importavam, já que o remate de Aimar, aos 32 minutos, saiu por cima. Mas o francês já tinha travado os remates de Di María (14m) e de Javi García (19m). A acção do guarda-redes não ficou por aqui: aos 38 minutos, evitou o autogolo de Daniel Cruz; aos 40, mostrou-se atento a uma boa combinação entre Di María e Saviola. A sorte protegeu-o, aos 44 minutos. Peiser falhou a saída e Saviola atirou ao poste. Em cima do intervalo, fez mais uma grande defesa, na sequência de um canto apontado por Aimar. Javi García cabeceou a bola, de cima para baixo, e o francês voou para travar a bola. Olhando para os lances poderíamos interrogar: será que o jogador da Naval é de elástico?! Não, o guardião dos figueirenses é «apenas» humano. Peiser mostrou ter qualidade e bons reflexos. Na segunda parte, continuou a mostrar-se atento e fez mais umas quantas grandes defesas.

Diego Ângelo
Fez uma boa exibição, estando uns furos acima do seu companheiro do centro da defesa. Mostrou-se atento, usando o poder físico sempre que a velocidade falhou. O central não parou durante todo o jogo. Trabalhou e lutou, no ar e no terreno, sem se deixar intimidar pelo estatuto do adversário ou o ambiente que encontrou na Luz.

Flash Interview
Inácio enaltece Naval
«Sabíamos das dificuldades que íamos encontrar aqui, o Benfica tem uma excelente equipa. Troca muito bem a bola e obrigou-nos a recuar, por isso defendemos muito mais atrás do que queríamos. O espírito e a atitude dos jogadores da Naval foi fantástico. Se me perguntarem quem mereceu ganhar o jogo, claro que o Benfica mereceu ganhar o jogo. Teve mais oportunidades e obrigou o nosso guarda-redes a mais trabalho. Mas em termos de atitude e de esforço, acho que merecíamos um pontinho. Podíamos ter marcado, tivemos algumas ocasiões e estamos de parabéns.»

Peiser: «Foi pena termos sofrido a dois minutos do fim»
«Demos tudo no campo. Sabemos que o Benfica está num grande momento, foi pena termos sofrido a dois minutos do fim. Claro que o Benfica foi muito melhor que nós, mas demos tudo, fizemos uma boa exibição. Houve muitos livres a favor do Benfica, para nós foi difícil aguentar esta pressão.»

Fonte:O Jogo,Tvi24

Entrevista de Augusto Inácio à Antena 1/ Record


Andou pela Grécia, pelo Irão e por Angola mas agora voltou a Portugal para jogar a batalha da Naval 1.º de Maio. Antes de defrontar o super Benfica, o novo treinador da equipa da Figueira da Foz põe as cartas na mesa e diz que vai a jogo sem medo de levar um "xito"

Pode ouvir a entrevista em mp3 aqui ou em wma aqui

RECORD - Defrontar o Benfica após a primeira derrota desta equipa no campeonato não pode significar que a Naval vai ter pela frente uma água ferida e com sede de sangue?
AUGUSTO INÁCIO - O Benfica tem demonstrado que está diferente, que está forte e que tem grande dinâmica. Não ficou mais frágil com a derrota em Braga. Como têm dito os seus responsáveis, o Benfica está a lutar pelo título de campeão, que já lhe foge há alguns anos. Reforçou-se bem. Tem talvez o melhor plantel dos últimos 15 anos e tem feito grandes exibições, com grande dinâmica e movimentações muito interessantes. Nesta altura, o Benfica é uma excelente equipa e os seus adeptos estão com ela. Por isso, a Naval vai ter um jogo muito complicado mas este é um jogo como todos os outros e começa com 0-0. Ninguém começa um jogo a perder. Claro, teremos menos hipóteses tendo em conta o momento que o Benfica atravessa. O que não quer dizer que a Naval vai entrar em campo derrotada. Temos as nossas armas também e iremos contrariar o natural favoritismo do Benfica. Se formos à bolsa das apostas, teremos 1 ou 2 por cento de possibilidades de ganhar o jogo, o que entendo como normal. Mas nem por isso a Naval deixará de ter espaço para fazer uma gracinha. Vai ser um bom teste para nós. Também estou curioso em ver a reação dos jogadores num ambiente daqueles. Ainda estamos à procura de algumas rotinas de jogo mas nos últimos cinco jogos só perdemos duas vezes, o que nos vai permitir estar mais à vontade.

R - Muitas vezes as equipas mais pequenas assumem-se como surpresas neste tipo de jogos...

AI - É verdade. Basta ver a prestação da Académica no Dragão e o caso do Belenenses. Nestes jogos, muitas vezes os jogadores libertam-se. Tenho a consciência que a minha equipa tem jogadores que, nas situações menos boas, se desequilibram muito emocionalmente. Neste tipo de confrontos, em que está muita coisa contra nós, estou curioso para ver a resposta que eles vão dar. Estou convicto de que poderão fazer um bom jogo.

R - Mas a Luz não está um inferno?
AI - Espero que eles não se queimem! Espero que dêem uma boa resposta. Até podemos podemos perder o jogo mas também será importante uma avaliação positiva da minha equipa em relação ao seu processo evolutivo. Estes jogos também determinam muitas coisas. Individualmente, já percebemos que esta equipa da Naval não pode depender desse fator. Temos o Kerrouche, que marcou 5 dos 7 golos da equipa, mas não temos assim um craque na equipa, alguém de quem possamos dizer "este jogador pode marcar a diferença".

R - Já se sabe que a Naval vai de autocarro para Lisboa. Onde é que o vão estacionar?
AI - Nós queremos avançar. Quanto mais se defende mais perto se está de sofrer um golo. Tudo também depende daquilo que o adversário nos vai deixar fazer. Podemos não querer jogar muito atrás mas às vezes o nosso adversário empurra-nos para isso. Vamos tentar é evitar isso.

R - A regra do Benfica tem sido, esta época, alugar o seu meio-campo e jogar instalado no meio-campo do opositor...
AI - Só senti que isso não aconteceu em Guimarães e em Braga. O Benfica tem alguma dificuldade quando defronta equipas que sabem pressionar e que, acima de tudo, sabem também guardar a bola. A grande vantagem que o Benfica tem é que pressiona os seus adversários no meio-campo destes e, depois, na transição é muito rápido. Este é o grande problema que vamos ter. É que nesta altura ainda não circulamos bem a bola de forma a temporizar um pouco o jogo, que foi o que o Sp. Braga fez muito bem. Quando o Benfica defronta equipas que não controlam bem a bola, aí o Benfica é muito forte e não é uma roleta russa.

R - O que quer dizer com isso?
AI - Não é uma roleta russa, é pior, pois a roleta russa é uma bala na câmara apenas e quando estas condições se reúnem são seis balas na câmara e seis tiros - e é a morte do artista.

R - Uma goleada magoa muito?

AI - Já fui goleado em Alvalade quando estava no V. Guimarães e é claro que é algo que magoa muito. Mas também é preciso ver de que maneira somos goleados. Por muito que se explique aos jogadores a forma como Benfica pode jogar, os erros podem sempre acontecer. Esperamos é não errar muito.

R - No Benfica destaca alguém em especial?
AI - O Benfica é um bom conjunto e tem jogadores em grande forma. O Aimar nunca jogou tanto desde que chegou ao Benfica, o Saviola, que esteve dois/três anos a jogar muito pouco, parece estar sempre no sítio certo ou que a bola vai ter com ele na grande área. Depois, há um jogador que desequilibra muito na meia-esquerda: o Di María. É aquele que rompe, que provoca penáltis, que tira cartões, é um jogador que vai sempre com a bola para a frente em velocidade. Há ainda um Cardozo que está a marcar muitos golos. Não joga contra nós e podia dizer "ainda bem" mas, com Cardozo ou não, a dinâmica do Benfica vai manter-se.

R - Cá atrás é que há alguns problemas...
AI - No lado esquerdo do Benfica há algumas dificuldades. Essa posição já foi ocupada por quatro jogadores. Mas parece-me que o Javi García veio dar equilíbrio defensivo, assumindo-se também a atacar se tiver espaço. Para não falar no Ramires, que é um jogador que não tem tido baixas e que aparece muito no interior da área. Enfim, o Benfica é uma equipa sólida e não será fácil para nós.

R - E a Naval?
AI - Quando fui para a Naval perspetivei a forma como poderíamos defrontar o Benfica. Mas depois do jogo que fizemos em Leiria pensei duas vezes. Não vale a pena jogar com seis defesas porque será proporcionar um jogo de sentido único. Não queremos que o Moreira não marque um só pontapé de baliza. Se formos à Luz só para defender, não somaremos qualquer ponto e seremos goleados. Vai ser uma luta entre um gigante e uma equipa com menos possibilidades mas vamos tentar dignificar o nosso jogo, independentemente do resultado final. Temos consciência que para a Naval este campeonato vai ser uma luta titânica. O tempo diz que não há tempo. É uma equipa muito jovem, com jogadores com pouca experiência na 1.ª Liga e há algum défice de qualidade porque também temos a consciência que isto não vai lá só, como dizia um nosso amigo, com trabalho, trabalho, trabalho.

R - Vai cumprimentar Jorge Jesus?
AI - Já estava à espera dessa pergunta! Vocês nunca se lembraram de fazer essa pergunta há dez anos mas como agora vamos jogar com o Benfica... No futebol há muita hipocrisia e acho que as pessoas têm que ser aquilo que são. Se me vissem a cumprimentar o treinador do Benfica ou o treinador do Benfica a cumprimentar-me a mim, isso seria hipocrisia. Somos pessoas que temos as nossas divergências há alguns anos e não faz sentido mudar o que quer que seja só porque a Naval vai jogar com o Benfica.

R - Subscreve as palavras de Manuel Machado em relação a Jorge Jesus?

AI - O Manuel Machado tem os seus problemas e nós temos os nossos.

R - Esteve fora do futebol português durante quatro anos e quando saiu para o estrangeiro disse que a qualidade do nosso desporto-rei era fraca. Fazem falta mais equipa como o Benfica para animar o campeonato?
AI - Também é preciso ter o dinheiro do Benfica! Posso-vos dizer que temos na Naval jogadores a ganhar dois mil euros por mês. Haverá algum jogador do Benfica a ganhar isto? Nem nos juniores, certamente. Nem sempre é possível ter qualidade quando os recursos são escassos. O meu tipo de futebol é o de passe e movimento mas para isso o jogador tem de ser bom tecnicamente e o relvado também tem de ser bom. E o nosso relvado, por exemplo, está mau...

R - É a história dos ovos e das omeletas...
AI - É. Por isso, reafirmo que o nosso campeonato é competitivo mas em termos de qualidade tem as suas debilidades. O que nos obriga a uma adaptação. Por isso é que temos jogos com pouquíssimas oportunidades de golo mas este é o futebol que temos. Não mandem é tudo para cima dos treinadores. Para termos um campeonato mais competitivo, com qualidade, tem que haver menos equipas. E se conseguirmos distribuir alguns dos jogadores dos clubes grandes pelos outros clubes, sem ser na condição de empréstimo, as coisas também podem melhorar. Temos de ver que tipo de futebol queremos: com qualidade-competitivade ou competividade e menor qualidade como temos este ano?

CONTENTE COM ÊXITO DE DOMINGOS
«Até parecia que só havia um treinador para o Sp. Braga...»

R - Acredita que o Sp. Braga de Domingos pode repetir a façanha do Boavista de Pacheco?
AI - Antes de tudo, estou muito satisfeito com tudo o que o Domingos está a fazer neste início da sua carreira como treinador. Depois, porque até aqui parecia que apenas havia um treinador capaz de manter o Sp. Braga a este nível. O Domingos está a provar que não só é capaz de manter o Sp. Braga ao nível anterior mas também de o colocar num patamar superior. Outra razão por que estou contente é que eu também não gosto de ver só três grandes na luta do título. O que vemos neste momento é que está melhor o Sp. Braga nessa luta que o Sporting. Espero que o Sp. Braga possa estar ali até ao final, a lutar pelo título. Curiosamente, a equipa com menor capacidade financeira é a que está melhor, com a qualidade a sobressair também graças ao esquema que o Domingos conseguiu idealizar. Ao mesmo tempo, os jogadores estão a valorizar. O que não quer dizer que os seus jogadores sejam melhores do que os do Benfica, do FC Porto ou do Sporting (se calhar aqui alguns são mesmo melhores...). A imagem que transparece é que o Sp. Braga poderá lutar pelo título até ao fim.

R - O Sporting está fora da corrida?
AI - Agora é fácil falar. Se se lembrarem, há alguns meses disse que o Sporting era a equipa menos apetrechada, entre os grandes, para lutar pelo título e que ninguém o podia obrigar a, nestas condições, ter esse objetivo. Mas isto é falar do exterior para o interior. Obviamente, quem fala do interior para o exterior acalenta sempre esperança. O que é certo é que nesta altura o Sporting já está a grande distância e os seus adeptos desiludidos pois também lhes foi dito que o Sporting iria lutar pelo título... Não queria ter razão, queria que o Sporting estivesse na luta, mas previa isto. O Sporting contratou pouco e contratou mal.

R - Terá havido também alguma responsabilidade do Paulo Bento nesta estratégia?

AI - Depende. Um dos erros que cometi quando estive no Sporting foi aceitar algumas coisas que me foram impostas. Quando cheguei lá já estava o plantel formado. Depois chegaram jogadores em Dezembro e conseguimos subir a fasquia. Depois de sermos campeões, um dos maiores erros que cometi, face ao plantel que me ofereceram, foi não ter dito "não, com isto não continuo". Mas o coração falou mais alto. E quando me lembro do que me aconteceu, lembro-me do Paulo Bento. Mesmo assim, penso que o Paulo Bento fez um bom trabalho no Sporting. Só que as pessoas querem ver o Sporting campeão todos os anos e isso está a fugir há alguns anos.

R - E o coração como é que vê este Sporting?
AI - Não posso deixar que seja só o coração a falar. Como treinador, quero um campeonato cada vez mais competitivo. Não cabe é na cabeça de ninguém um Sporting nesta situação neste início de campeonato, não se vislumbrando caminho que possa levar o Sporting a ser de novo o Sporting que a história consagrou.

R - O FC Porto vai para o penta?
AI - Vai a caminho do penta mas com a concorrência feroz do Benfica. Uma equipa que este ano apostou nos cavalos todos, apostou tudo, tudo, tudo para ser campeão. É um monstro que estava adormecido e que está a querer acordar. Se o Benfica não for campeão, será uma grande deceção.

PRESIDENTE GREGO ANDAVA DE PISTOLA...
«Em Angola domina a força verde»

R - Neste seu périplo pelo Mediterrâneo oriental, por terras do antigo Império persa e na trepidante e africana Luanda sobrou alguma estória que mereça a pena ser contada?
AI - Bem, na Grécia aconteceram-me coisas engraçadíssimas. Por exemplo, vi um dia o nosso presidente rodeado aí por uns 200 seguranças, com duas pistolas em cada mão.

R - O que é que ele fazia?

AI - Tinha negócios num casino e exportava bebidas. Enfim, negócios da noite. O que o obrigava a ter uma boa segurança. Quando cheguei lá, a equipa tinha 9 pontos e nessa semana tiraram-lhe 3 pontos. Vim a saber que o presidente tinha dado dois socos a um árbitro. Depois, íamos contratar dez jogadores e só contratámos um. Depois, tiraram-nos mais 2 pontos porque um adepto, após terem-nos anulado um golo, saltou para dentro do campo e apertou o pescoço ao fiscal-de-linha.

R - E Angola?
AI - É um país em crescimento mas falta muita coisa.

R - Há resultados combinados?
AI - Dei lá uma entrevista em que falei numa coisa de que eles não gostaram muito. A verdade é que quando cheguei lá disseram-me que a primeira volta era dos jogadores e dos treinadores e a segunda dos dirigentes e dos árbitros. Vi situações caricatas e também por isso saí de Angola, pois o nosso trabalho é completamente anulado por fatores exteriores. A força verde tem muita importância.

R - A força verde?
AI - O dólar. Quem passou o que passei torna-se, de facto, mais condescendente com os erros dos nossos árbitros.

R - Há doping no futebol?

AI - Não me parece. Acredito que houvesse no tempo em que não havia controlo. Hoje nem sabemos quando é que eles aparecem. Por mim devia haver controlo em todos os jogos porque assim haveria não digo mais verdade desportiva mas menos suspeitas.

Fonte:RTP

Benfica - Naval: Antevisão e Convocados

Real estreia-se nos convocados de Inácio

A estreia do defesa Real constitui a principal novidade dos convocados da Naval 1.º de Maio para medir forças com o Benfica, na próxima segunda-feira, em jogo da 10.ª jornada da Liga.

N’Kake, Ouattará e Daniel Cruz estão de regresso aos eleitos de Augusto Inácio, que, em relação à última convocatória, preteriu Lupède e Tandia.

Bruno, Tiago Rannown e Kovacevic também não fazem parte dos convocados por opção técnica. Já Omar Bellagra está ausente por lesão.

Como curiosidade, há cinco jogadores na lista divulgada que vai jogar no Estádio da Luz pela primeira vez em toda a carreira profissional, a saber: N’Kake, Ouattará, Gómis, José Mário e Kerrouche.

Camora também se estreia no reduto «encarnado», mas apenas ao serviço da turma da Figueira da Foz, pois já lá jogou quando envergava a camisola do Beira-Mar.

Eis a lista de convocados:

Guarda-Redes: Peiser e Jorge Batista;

Defesas: Diego, Daniel Cruz, Carlitos, Real, Gómis e José Mário;

Médios: Lazaroni, N'Kake, Alex Hauw, Baradji, Godeméche e Camora;

Avançados: Michel Simplício, Davide, Bolívia, Ouattará, Kerrouche e Marinho.

Augusto Inácio: "Nenhum treinador prepara jogos a pensar em perdê-los"


O treinador da Naval 1.º de Maio disse hoje que o objectivo da sua equipa para o embate de segunda-feira em casa do Benfica é pontuar, em jogo que encerra a 10.ª jornada da Liga de futebol.

Augusto Inácio, referindo-se às dificuldades que vai encontrar no Estádio da Luz, disse não acreditar que algum treinador inicie um jogo a pensar em perdê-lo, pelo que pontuar é claramente o objectivo da Naval.

Reconhecendo as dificuldades que a partida encerra, o treinador figueirense espera que a equipa que comanda "tenha um comportamento de grande rigor, que mostre que gosta jogar futebol e deixe uma imagem daquilo que é a sua real valia".

"Também para mim este jogo constitui uma curiosidade. Desde que cheguei é a primeira vez que vamos defrontar uma das equipas de topo da Liga nacional e vamos ver como a minha se comporta", disse o técnico.

Augusto Inácio alertou ainda que a sua experiência lhe diz que "por vezes, nestes casos, as equipas de menor dimensão se motivam e conseguem bater o pé aos seus categorizados adversários".

"Defrontar um Benfica, que provavelmente tem a melhor equipa dos últimos 15 anos não é fácil, mas nós também estamos a passar por um bom momento e a crescer, daí a nossa grande motivação", afirmou.

Já sobre as conhecidas ausências de Cardozo e Ramires nos "encarnados", o treinador da Naval salientou que se fosse na sua equipa "eram grandes perdas, no Benfica, face às múltiplas soluções e à grande qualidade do seu plantel, não será assim tão importante.

"Vamos à Luz para participar e promover um bom espectáculo, acima de tudo, quero que a minha equipa pratique um bom futebol. O objectivo é claro, pontuar", disse.

O jogo entre Benfica, segundo da tabela com 22 pontos, e Naval 1.º de Maio, 11.ª com dez, disputa-se pelas 20:15 de segunda-feira, no Estádio da Luz, partida que será dirigida pelo setubalense Lucílio Batista.

«Espero uma Naval defensiva» - Jorge Jesus


O treinador do Benfica, Jorge Jesus, espera que a Naval 1.º de Maio se apresente no Estádio da Luz, na próxima segunda-feira, com um esquema defensivo, mas garante que isso não é desculpa para um resultado inferior à vitória: «Temos de ter argumentos para superar defesas fechadas.»
«Espero uma Naval com um sistema defensivo e a tentar marcar as referências do Benfica, mas temos de ter argumentos e criatividade técnico-táctica para superar defesas fechadas», disse o técnico, em declarações à Benfica TV, explicando que os figueirenses vão «tentar somar pelo menos um ponto.»

Ramires, com uma lesão muscular no adutor da coxa direita, e Cardozo, a cumprir castigo, são «baixas» para o encontro da 10.ª jornada da Liga, mas Jesus confia que grupo de jogadores que orienta tem soluções suficientes para colmatar os lugares deixados em aberto pelo médio e pelo avançado.

«O Benfica tem um plantel que nos dá garantias. Tentámos montar um plantel de forma a solucionar todos os problemas, não só de lesões, mas também das competições em que estamos inseridos», frisa Jesus, revelando ainda que há «várias hipóteses» para o lugar de Cardozo, deixando em aberto que tanto Weldon, como Nuno Gomes, como Keirrison poderão ocupar o posto do paraguaio.

Eis os eleitos de Jesus:

Guarda-redes: Quim e Júlio César;

Defesas: Maxi Pereira, Sidnei, Luís Filipe, Miguel Vítor, Luisão, David Luiz e Shaffer;

Médios: Javi Garcia, Ruben Amorim, Fábio Coentrão, Di María, Urreta, Felipe Menezes e Aimar;
Avançados: Saviola, Weldon, Nuno Gomes e Keirrison.

Fonte:O Jogo&A Bola

Centrais desvalorizam ausência de Cardozo

É verdade que o Benfica não poderá contar com o melhor marcador da Liga para a partida com a Naval, mas a ausência de Cardozo não deixa os centrais do clube da Figueira mais tranquilos. Para Diego Ângelo e Gomis, há outros avançados - e não só - capazes de desequilibrar. Por isso, todo o cuidado será pouco.

«É um grande jogador, mas o Benfica está bem servido de avançados. Qualquer um que jogue vai querer mostrar o seu potencial. Penso que o jogo será até mais rápido, sobretudo se jogar o Weldon ou o Keirrison, porque o Cardozo é mais jogador de área. Se for o Nuno Gomes o escolhido, teremos também um jogo mais posicional, mas ele é muito inteligente com a bola, joga muito no toque. Todos se complementam», defende Diego Ângelo.

Já o colega de sector não sabe precisar qual o impacto do afastamento do paraguaio, mas garante que o encontro será preparado da mesma forma. «É o melhor marcador da Liga, daí que esteja em forma, mas não sei dizer se o facto de ele não jogar será bom ou não para a Naval. Há muitos jogadores capazes de o substituir. Vamos abordar o jogo da mesma forma», afiança Gomis.

O central francês não hesita, aliás, em eleger aquele que lhe poderá trazer as maiores dores de cabeça: «O Saviola é um dos mais conhecidos, pelo passado e por vir do Real Madrid. Vai aparecer na minha zona e na do Diego. É rápido, inteligente, é um jogador de área e é mesmo bom. Vai ser preciso ter muita atenção, mas penso que o perigo pode vir de qualquer lado.»

Diego Ângelo quer impor o ritmo na Luz


Diego Ângelo corrobora a opinião do companheiro mas está optimista: «Vai ser bastante difícil. Os adeptos, nem vale a pena comentar: eles empurram a equipa durante os 90 minutos. Mas estamos preparados para isso e vamos chegar à Luz e impor o nosso ritmo de jogo, para mostrarmos que a Naval tem potencial para fazer um bom resultado.»

A receita do defesa brasileiro até parece simples. «Contra o Benfica será preciso que entremos bastante fortes, com um meio-campo muito aguerrido, para tentarmos provar que temos capacidade para trazer um bom resultado», desvenda o central navalista, que considera os encarnados «mais entrosados» esta época.

Gomis não teme pressão do público

Habituado aos campeonatos amadores de França, quando alinhava pela equipa secundária do Guingamp, Kevin Gomis não esconde a expectativa natural de quem vai jogar, pela primeira vez, no estádio de um dos grandes da Liga. «Estes são os jogos mais interessantes para qualquer jogador profissional. Todos querem jogar nos grandes estádios. Para mim, se calhar, será a primeira vez que vou jogar com tanto público, mas não encaro isso como pressão», assevera o jovem central, de apenas 20 anos.

A esmagadora maioria dos atletas que compõem o plantel da equipa de Augusto Inácio já pisaram, em representação do emblema figueirense, o Estádio da Luz.

Em relação à época transata, Peiser, Bruno Lazaroni, Carlitos, Alex Hauw, Bolívia, Baradji, Diego Ângelo e Davide (que foram titulares, em Lisboa, no último encontro com os encarnados - derrota por 1-2), além de Jorge Baptista, Michel Simplício, Godemèche, Marinho e João Real, todos faziam parte do elenco navalista, tendo saído Paulão, Dudu e Marcelinho (titulares nesse jogo) e Fabrício Lopes e Saulo.

Fonte:Tvi24&Record

Lazaroni diz que a Naval «está preparada» para jogar na Luz


Quando uma equipa se desloca ao Estádio da Luz, nestes últimos tempos, muita gente questiona-se se a equipa de Jorge Jesus vai ser capaz de aplicar mais uma goleada. Foi assim com o V. Setúbal (8-1) Leixões (5-0) ou Nacional (6-1), mas a Naval espera ser a tal excepção que existe em qualquer regra. Para isso, acreditam os seus jogadores, será preciso uma noite de grande inspiração e alguns «condimentos» especiais.

«Precisamos de ter a bola durante grande parte do jogo, fazê-los correr também, e apresentar grande acerto defensivo. Todos os jogadores têm de estar cientes do seu posicionamento dentro de campo», receita o capitão Bruno Lazaroni, que promete uma Naval à altura do desafio: «Estamos preparados, conscientes das dificuldades e responsabilidade de enfrentar o Benfica na Luz, independentemente do momento que a equipa vive, com muitas goleadas. Se trabalharmos como uma equipa, podemos fazer um bom resultado.»

O médio brasileiro diz que não é preciso «nem falar» daquilo que os encarnados têm feito em casa, graças a um «ataque poderoso», que consegue «colocar vários jogadores na área», mas, mais uma vez, garante que o plantel «está a preparar-se da melhor forma» para enfrentar todo esse poderio.

«Não há Cardozo, mas há Nuno Gomes, Weldon, Keirrison...»

A lista é vasta e sai sem hesitações da boca do camisola 5 da Naval: há tantos candidatos a render Cardozo - castigado com dois jogos na sequência dos acontecimentos no túnel durante o intervalo do jogo com o Sp. Braga - que a ausência do paraguaio nem será notada. «O Benfica tem vários jogadores cheios de vontade de mostrar qualidades, Nuno Gomes, Weldon, Keirrison¿ Todos estão preparados e, por isso, acredito que a falta do Cardozo não fará diferença.»

Na mesma linha de raciocínio, acredita que nem a derrota no Minho, nem o facto de ter jogado a meio da semana com o Everton, irá enfraquecer a equipa da águia: «Os jogadores sabem que durante a época haverá semanas com vários jogos e estão prevenidos para isso. De certeza, que não se notará no jogo.»

Fonte: Tvi24

Lucílio Baptista dirige Benfica-Naval


A Comissão de Arbitragem da Liga divulgou, esta quinta-feira, a lista de árbitros nomeados para a décima jornada da Liga Sagres.

Paulo Baptista vai dirigir o Marítimo-FC Porto, no próximo domingo. Já, Lucílio Baptista vai arbitrar o Benfica-Naval, na segunda-feira.

O V.Guimarães-Sp. Braga será dirigido por Duarte Gomes, e o Rio Ave-Sporting, por Artur Soares.

Lista completa de nomeações:

6/11 (Sexta)
Belenenses – P. Ferreira, Luís Reforço (AF Setúbal)

7/11 (Sábado)
V. Setúbal – Olhanense, Marco Ferreira (AF Madeira)
V. Guimarães – Sp. Braga, Duarte Gomes (AF Lisboa)

8/11 (Domingo)
U. Leiria – Académica, Hugo Pacheco (AF Porto)
Leixões – Nacional, João Capela (AF Lisboa)
Marítimo – FC Porto, Paulo Baptista (AF Portalegre)
Rio Ave – Sporting, Artur Soares Dias (AF Porto)

9/11 (Segunda)
Benfica – Naval , Lucílio Baptista (AF Setúbal)

Fonte: O Jogo

Vitória em Touriz antes do Benfica

A Naval deslocou-se na manhã desta quinta-feira a Touriz onde venceu a equipa local, por 2-0, graças aos golo de Camora e Marinho. O jogo teve uma primeira parte de 60 minutos, que serviu essencialmente para dar rodagem aos atletas menos utilizados, e uma segunda metade, de meia-hora, durante a qual Inácio apresentou uma equipa mais próxima daquela que poderá defrontar o Benfica, na segunda-feira, na Luz.

O onze escolhido pelo técnico navalista incluía duas novidades, com o regresso de Daniel Cruz à lateral-esquerda, mas também o reforço do meio-campo com a inclusão de Baradji. A saber: Peiser; Carlitos, Gomis, Diego Ângelo e Daniel Cruz; Lazaroni, Godemèche e Baradji; Marinho, Kerrouche e Camora.

O plantel navalista está praticamente na máxima força, já que o único lesionado de momento é Bellagra. O próximo treino está agendado para as 9h30 desta sexta-feira, em Quiaios, à porta fechada, à excepção dos primeiros 45 minutos.

Fonte: Mais Futebol

Marinho pede atitude guerreira,Peiser diz que não há medo

A Naval desloca-se ao Estádio da Luz na próxima segunda-feira e sabe que terá pela frente uma tarefa complicada. O poderio atacante da equipa de Jorge Jesus não deixa ninguém indiferente mas a derrota em Braga comprovou que, afinal, há forma de resistir às bicadas da águia. E é, quiçá, procurando inspiração naquilo que se passou no Minho que os navalistas vão enfrentar os encarnados.


«O Benfica é dos maiores clubes portugueses e merece o devido respeito. Agora, se formos com o pensamento de que é impossível fazer o que quer que seja, não seremos profissionais, não teremos brio, nem ambição. Se fosse assim, nem estávamos na Naval», afiança Marinho, que recusa partir para o jogo com uma atitude derrotista.

Pelo contrário, o avançado figueirense tem a receita para enfrentar o clube da Luz e acredita que só uma Naval ao melhor nível poderá conseguir um resultado positivo: «Vamos para o jogo com o pensamento de que será mais um jogo difícil e temos de ser uma equipa guerreira amiga, com muita entreajuda e concentrada para termos sucesso.»

Marinho tem consciência das diferenças entre as duas equipas e, de forma realista, desvenda os objectivos para a partida: «Estamos a falar do Benfica, na Luz, e, da forma como tem jogado, se não for possível trazermos uma vitória, conseguir pelo menos um ponto será bom.»

O guarda-redes Peiser disse hoje que a Naval 1.º de Maio vai apresentar-se na Luz sem receio do Benfica e que o facto de defrontar uma das melhores equipas da Liga de futebol aumenta a motivação.

''O Benfica é uma equipa que inspira grande respeito a todos os adversários. Capacidade, organização e equilíbrio são as suas principais referências'', disse o guarda-redes, adiantando que a Naval ''tem a sua própria dinâmica e legitimidade para poder pensar que pode conquistar pontos''.

O guarda-redes francês esteve na derrota da sua equipa na época passada por 2-1, num confronto em que o golo da vitória, anotado por Óscar Cardozo, foi anotado já nos instantes finais (88 minutos).

''Lamento a ausência de Cardozo. Os grandes palcos merecem sempre os grandes jogadores, mas creio que o Benfica, pela valia do seu plantel, terá várias soluções para colmatar a sua ausência'', afirmou Peiser, referindo-se à ausência, por castigo do avançado paraguaio, actual melhor marcador da Liga com 11 golos.

Benfica e Naval 1.º de Maio defrontam-se na próxima segunda-feira, pelas 20:15, no Estádio da Luz, encontro que encerra a 10.ª jornada da Liga portuguesa de futebol.

Fonte: Mais Futebol&Futebol 365

U. Leiria – Naval adiado para dia 18


Por Rogério Neves

O encontro entre U. Leiria e Naval, referente à terceira e decisiva jornada do Grupo F da Taça da Liga, será disputado no dia 18, uma vez que a data inicialmente agendada colidia com os interesses da equipa da Figueira da Foz.

A Naval joga dia 9 com o Benfica para o Campeonato e iria defrontar os leirienses a 11, ou seja, sem que estivessem cumpridas as 72 horas regulamentares. Por isso, acordou-se nova data, sem qualquer impedimento colocado pelo U. Leiria.

Fonte: A Bola

Naval volta ao trabalho sem Godemèche e Kerrouche

A Naval realizou, na manhã deste domingo, um treino de recuperação depois da dura partida com o Leixões, disputada menos de 24 horas antes do regresso do plantel ao relvado. Como era esperado, Godemèche, com um problema numa coxa, e Kerrouche, que acusou algum desgaste, foram poupados da sessão, para terem mais tempo de recuperação, até porque há folga nesta segunda-feira.

Já Marinho, que sofreu um golpe numa perna, treinou-se sem limitações. Depois do dia livre, os figueirenses retomam a preparação na terça-feira à tarde (16h00), no Estádio José Bento Pessoa, onde irão decorrer os restantes treinos da semana, sempre às 9h30 - só na quarta é que há mais uma sessão, às 16h00 - , sendo que na sexta e no sábado, o trabalho decorrerá à porta fechada.

Entretanto, o jogo para a Taça da Liga, em Leiria, agendado, inicialmente, para quarta-feira, dia 11 de Novembro, foi adiado para a quarta-feira seguinte, dia 18, por forma a proporcionar maior tempo de recuperação à equipa, que joga na Luz na noite da segunda-feira anterior (dia 9).

O U. Leiria acedeu ao pedido figueirense e, desta forma, a partida será disputada no mesmo dia em que a Selecção Nacional joga, na Bósnia, para a segunda-mão do play-off de apuramento para o Mundial de 2010.

Fonte: Mais Futebol

Naval 1 - Leixões 0 (9ª jornada)

Ficha do Jogo

Jogo no Estádio Municipal José Bento Pessoa na Figueira da Foz

Naval - Leixões, 1-0

Intervalo: 0-0

- Marcador:

1-0, Kerrouche, 53 minutos

Equipas:

- Naval: Peiser, Carlitos, Gómis, Diego, Camora, Lazaroni, Alex Hauw (Baradji 83), Godemèche, Michel Simplício (Bolívia 63), Kerrouche ( Tandia 74) e Marinho

(Suplentes: Jorge Batista, Lupède, Davide, Bolívia, Baradji, Tandia e Zé Mário)

- Leixões: Diego, Sony, Nuno Silva, Joel, Nelson (Braga 54), Wenio, Caué, Hugo Morais, José Manuel, Léo (Cong Vinh 64) e Tiago Cintra (Pouga 61).

(Suplentes: Berger, Tucker, Gallo, Braga, Fábio Espinho, Pouga e Cong Vinh)

Árbitro: André Gralha, Santarém

Acção disciplinar: Cartão amarelo para Joel (25, 90+4), Nelson (45+1), Léo (54), Nuno Silva (73). Cartão Vermelho para Joel (90+4), por acumulação

Assistência: 1024 Espectadores.

Resumo


highlights - MyVideo

Um golo de Kerrouche marcado ao minuto 53 garantiu a vitória da Naval sobre o Leixões, na 9.ª jornada da Liga Sagres, que desta forma manteve a tradição de nunca ter perdido oficialmente com o Leixões.

Foi o nono confronto entre os dois emblemas, sete vitórias e dois empates favoráveis à turma da Figueira da Foz, que continua a ser a "besta-negra" do emblema do Mar.

Com este triunfo a Naval ascendeu provisoriamente ao 9.º lugar da tabela, com 10 pontos.

Augusto Inácio prescindiu de Daniel Cruz (defesa) permutando-o por Michel Simplício (avançado), obrigando Camora a recuar para lateral esquerdo.

José Mota, por sua vez, lançou Léo no ataque, no lugar que na partida anterior pertencera a Pouga. Laranjeiro e Tucker foram preteridos por Sonny e Joel.

O encaixe das duas equipas foi fácil e rápido. Os figueirenses entraram com boa dinâmica ofensiva tendo no decurso dos primeiros 15 minutos feito três remates e conquistado quatro pontapés e canto.

A partir do minuto 20 o Leixões conseguiu equilibrar a as operações ficando a partida, repartida com as duas equipas a procurarem o golo.

Oito minutos após o recomeço Kerrouche inaugurou o marcador, concluindo com competência um remate deficiente de Godemèche.

Em desvantagem, José Mota não hesitou e no espaço de uma dezena de minutos esgotou as suas opções de banco permutando Nelson, Tiago Cintra e Leo por Braga, Pouga e Cong Vinh.

A partida ganha nova dinâmica com os homens do Mar a correrem atrás do prejuízo, Pouga teve nos pés a primeira oportunidade de golo da sua equipa. Peiser, primeiro, e Gómis, a seguir, limparam a zona.

O Leixões pressionava para chegar ao empate e, ao minuto 90, o guardião figueirense assinou a defesa da tarde, evitando um auto-golo (Tandia) e garantindo ali a terceira vitória da Naval na presente edição da Liga.

Destaques da Naval

Kerrouche
Pé ante pé, ou melhor, golo após golo, o avançado franco-argelino vai olhando para cima lista de marcadores e, com cinco remates certeiros, alcançou, para já, o leiriense Carlão no terceiro posto dos jogadores com melhor pontaria. A verdade é que não fez um jogo de encher o olho, longe disso, mas valeu-lhe a eficácia: um só remate bastou para dar mais três pontos à equipa.



Carlitos
Não se esqueceu das rotinas como extremo-direito e, com a fraca oposição de Nélson, foi o primeiro a empurrar a equipa para a frente em combinações com Marinho ou em lances individuais que chegaram a semear o pânico na defensiva forasteira.

Marinho
Tal como Carlitos, dinamizou o lado direito do ataque figueirense imprimindo-lhe aquela velocidade que faz toda a diferença. Também tentou o golo, mas foi a rasgar a defesa leixonense que mais se destacou. Foi levado em ombros no final da partida pelo colega Diego Ângelo, em sinal de agradecimento pelo que fez durante os 90 minutos.

Gomis
Está a conseguir impor-se na Figueira e terá feito, este sábado, o melhor jogo em Portugal. Seguro e autoritário, foi tremendamente eficaz no jogo aéreo e deu segurança aos colegas de sector.

Reportagem

Inácio diz que a equipa não merecia sofrer


«Acho que, dentro condições do relvado, fizemos um bom jogo, Se calhar, foi o melhor jogo que fizemos em termos de entrega e atitude. Tentámos jogar futebol. Aliás, só houve uma equipa que tentou fazer golos, enquanto o Leixões procurou jogar no erro. Basta ver quantas defesas fez o nosso guarda-redes. Para mim, é uma vitória que peca por escassa e não merecíamos sofrer até ao fim. Não gosto de comentar as opiniões dos colegas, mas vejam quantos amarelos houve e quantas assistências houve aos nossos atletas, provocadas, se calhar, pelo facto de os jogadores do Leixões estarem nervosos. Tivemos vários lesionados devido a entradas agressivas deles, mas soubemos suportar isso e sofrer para ganhar. Só para dar alguns exemplos: o Godemèche poderá ter de fazer uma radiografia ao nariz, o Marinho sofreu um golpe numa perna, e tive de substituir o Kerrouche, que ficou indisposto.»

Marinho, jogador da Naval, no final da vitória, por 1-0, sobre o Leixões:
«É óbvio que todas as vitórias são importantes e nos lançam no bom caminho. Esta é mais uma e espero que continuemos, sabendo que o campeonato é longo e difícil. Foi uma resposta que nós, grupo, precisávamos e sentíamos que tínhamos de dar. Sentíamo-nos injustiçados. Somos um grupo guerreiro e este jogo provou isso. Se calhar, não éramos tão maus quando estávamos abaixo da linha de água, nem nos podemos iludir com uma vitória, só porque nos faz subir vários lugares na tabela.»

Fonte: O Jogo&Mais Futebol