Viagem a Alvalade (18ª Jornada Liga Zon Sagres)


Fonte: Blog Oficial do Coletivo Maravilhas

Diego cedido à Naval

O guardião Diego, terceiro na hierarquia dos guarda-redes do SC Braga, vai jogar o que resta da época na Naval, cedido pelo emblema arsenalista.

É a terceira vez que o guarda-redes, de 21 anos, vai jogar em regime de empréstimo. Há dois anos Diego actuou no Ribeirão, na II Divisão, e na temporada passada no SC Covilhã, na Liga de Honra.

Na corrente época chegou a disputar jogos ao serviço do Vizela, satélite do SC Braga.

Fonte: A Bola

Bruno Moraes até final da época

O ponta-de-lança brasileiro Bruno Moraes assinou contrato com a Naval até ao final da temporada e é reforço para o ataque da formação comandada pelo técnico brasileiro Carlos Mozer.

O jogador de 26 anos encontrava-se ao serviço da formação romena do Gloria Bistrita e está assim de regresso a Portugal depois de na temporada passada ter representado o Rio Ave.

Bruno Moraes chegou a solo português em 2003 proveniente do Santos para defender as cores do FC Porto, clube ao qual esteve vinculado durante cinco anos.

Nesse período representou o Vitória de Setúbal, por empréstimo, nas temporadas 2004/05 e 2008/09. 

Fonte: A Bola

Bruno Moraes pode ser reforço

O avançado brasileiro Bruno Moraes, que durante vários anos esteve contratualmente ligado ao FC Porto, pode ser reforço da Naval. O jogador encontra-se a negociar na Figueira da Foz e pode ser inscrito neste último dia do mercado.

Com 26 anos, e depois de ter terminado contrato com o FC Porto no Verão passado, Bruno Moraes pode assim estar de regresso ao futebol português, onde representou clubes como V. Setúbal e Rio Ave, sempre por empréstimo dos azuis-e-brancos.

Agora, porém, está livre para assinar pela Naval, ainda que as negociações não estejam definitivamente fechadas.

Davide condicionado

No que diz respeito ao treino da equipa, o médio criativo Davide trabalhou de forma condicionada, sendo o único indisponível para o treinador Carlos Mozer, exceptuando o defesa José Mário, que foi operado ao menisco. 

Fonte: A Bola

Tiago Rosa tem aval de Mozer

Lateral pode assinar contrato, enquanto a clube faz um último esforço por Djuricic.

A poucas horas do fecho de inscrições neste período de Inverno, Tiago Rosa éa única realidade dos navalistas.

O jogador ainda não foi confirmado, mas Carlos Mozer deu a entender que o jogador tem o seu aval e pode colmatar uma lacuna no sector defensivo - lateral-direito - que neste momento conta apenas com Carlitos.

Entretanto, os dirigentes figueirenses ainda estão a tentar convencer o guarda-redes sérvio Djuricic, vinculado ao UD Leiria mas que não entra nos planos de Pedro Caixinha, a mudar-se por empréstimo para a Figueira da Foz.

Quanto a outras eventuais contratações, secretismo absoluto por parte dos navalistas, embora um dos nomes falados nas últimas horas seja o de Magno Baptista da Silva, médio brasileiro que defendia as cores do Grémio Prudente. 

Fonte: A Bola

Fábio Junior reclama dívida, é mal-educado com Mozer mas recua


Fábio Júnior esclareceu o caso após vitória frente ao Penafiel

Fábio Júnior, avançado da Naval 1º de Maio, confirmou neste sábado ter protagonizado um caso no seio do clube. O plantel ainda não recebeu o mês de Dezembro de 2010, mas tem a garantia que a situação será regularizada até 5 de Fevereiro.

O avançado terá, ainda, valores à parte para receber. Por isso mesmo, a quente, foi mal-educado com o treinador da Naval quando recebeu a convocatória para o jogo com o Penafiel. Fábio Júnior pediu imediatamente desculpas a Mozer e seguiu viagem para Norte. Aliás, foi mesmo titular no Estádio 25 de Abril.

«São situações internas, de facto houve esse problema mas foi tudo resolvido a tempo e horas. O jogador esteve em campo e não perdeu o espírito colectivo. Queremos todos estar cada vez melhores mas salvar a Naval 1º de Maio da despromoção. Temos uma postura de união, de espírito de equipa, e isso faz com que os jogadores façam um esforço suplementar perante os problemas», explicou Mozer, no final da partida.
O técnico reconhece as dificuldades financeiras no clube. «Na vida, trabalhamos, temos os nossos ordenados. A vida não está fácil para todos, há sempre dificuldades enormes de ponto de vista financeiro. Mas temos de fazer esforços, só melhorando dentro do relvado podemos encontrar forma de melhorar a situação financeira. O Fábio Júnior pode ter questões pendentes, como tem, mas caiu em si rapidamente», acrescentou.

O jogador alinhou pelo mesmo diapasão, na conversa com os jornalistas: Houve um mal-entendido, estava de cabeça quente mas não foi nada de mais. Já pedi desculpas pelo que falei naquele momento. Vou com este grupo até sairmos desta situação. Expressei-me mal, pedi. Todos os clubes têm salários em atraso, infelizmente este não é excepção.»

Fui mal-educado com o treinador, no momento, aconteceu-me isso pela primeira vez na carreira e não quero problemas com o mister Mozer», acrescentou Fábio Júnior, sem fechar a porta a uma transferência nos próximos dias: «Ainda tenho possibilidade, até segunda-feira, de sair. Se for bom para mim, gostaria de sair, claro. Se não, fico na Naval com todo o gosto.» 

Fonte: Mais Futebol

Mozer enaltece o «respeito pela competição e pelo clube em si»

Mozer, treinador da Naval 1º de Maio, comentou desta forma o triunfo tangencial no reduto do Penafiel (0-1), na última jornada da fase de grupos da Taça da Liga:

«Foi um bom jogo, das duas equipas. O Penafiel entrou bem no jogo, durante 20 minutos tivemos dificuldades, mas aos poucos equilibrámos a partida. As melhores oportunidades pertenceram à Naval e, aproveitando alguma fadiga do Penafiel, apostámos forte na segunda parte e penso que a vitória é justa. Os processos que temos trabalhado foram hoje perfeitos. Fomos felizes na execução das saídas rápidas para o ataque, fomos premiados com um golo e podíamos ter marcado mais. O respeito pela competição e pelo clube em si serviu para apresentarmos bom futebol.» 

Taça da Liga: Penafiel-Naval, 0-1 (crónica)

Prémio para a clarividência num jogo que valeu por si mesmo

Penafiel e Naval encontraram-se a Norte para um jogo que valeu por si mesmo. Na terceira jornada da fase de grupos da Taça da Liga, ninguém pensava realisticamente no apuramento para a próxima fase.

Contudo, o orgulho bastou para proporcionar um espectáculo interessante. O tento solitário de João Pedro (0-1) bastou para animar, apesar da recta final mais cinzenta. Prémio para a clarividência visitante.

O Penafiel entrava em jogo com uma tarefa nos limites da razoabilidade. A formação duriense teria de golear a Naval 1º de Maio e esperar o mesmo do Estoril, na recepção ao Sporting. Cedo se percebeu que até a tarefa no 25 de Abril seria complicada.

Um troféu em jogo?

Mozer apresentou uma Naval forte, pelo menos a avaliar pelos nomes colocados em campo. A equipa da Figueira da Foz viajou sem esperanças de qualificação para a próxima fase, pretendendo ainda assim despedir-se da Taça da Liga com um triunfo.

A formação local contou com o apoio de pouco público, numa noite fria em Penafiel. Era um jogo a feijões, a expressão mais ouvida nos minutos que antecederam o encontro. Não pareceu. Com o apito inicial, os onzes lançaram-se ao ataque e procuraram o golo como se estivesse um troféu em jogo.

O Penafiel apostava claramente nos lançamentos longos, para as costas da defensiva da Naval, não apresentando alternativas interessantes a um estilo de jogo com tendência fatal para o fora-de-jogo. Guedes, o ponta-de-lança escalado, terá chegado à dúzia de posições irregulares. Sintomático.

Atacar pouco e bem

Os homens de Mozer adaptaram-se bem à estratégia contrária e apostaram na criatividade ofensiva para criar desequilíbrios em contra-ataque. Fábio Júnior e Michel Simplício trabalhavam bem, o Penafiel também desenhava alguns lances mas o nulo perdurava teimosamente.

De oportunidade em oportunidade, num jogo bem mais interessante que todas as previsões desanimadoras, chegou-se ao intervalo. Faltava apenas o golo para justificar a presença dos resistentes no Estádio 25 de Abril, outrora palco de duelos no escalão principal.

Com a etapa complementar, chegou a tal cereja no topo do bolo. A Naval, em mais uma resposta inteligente a um ataque desenfreado dos locais, colocou-se em vantagem. João Pedro progrediu no terreno em tabelas com Carlitos até chegar à área duriense, rematando rasteiro para fora do alcance de Márcio Ramos.

As hipóteses, inicialmente apenas matemáticas, esfumavam-se de vez. O Penafiel já nem pensava na Taça da Liga. Queria apenas evitar a derrota, alimentava-se do orgulho que acompanha uma equipa em todos os jogos que disputa. O mesmo que serviu à Naval para encarar este compromisso.

Os homens da Figueira da Foz estiveram perto do segundo golo, enquanto se ansiava pelo empate entre os locais. Jogo aberto, Naval mais recuada sem abdicar do contra-ataque. O coração não chegou para o Penafiel anular a desvantagem, até final de um jogo de futebol que valeu por si só.

Ficha de Jogo:

Estádio 25 de Abril, em Penafiel.
Árbitro: Diogo Santos (AF Aveiro), auxiliado por Bruno Silva e Pedro Ribeiro
Quarto árbitro: Tomás Santos.


PENAFIEL: Márcio Ramos; Zamorano, Penela (Costa, 78m), Sandro e Elízio; Jardel (Rafa, 75m), Ferreira e Hugo Soares (Michel, 66m); Wesllem, Kanu e Guedes.
Suplentes não utilizados: Tiago, Manoel, Costa, Ginho e Cascavel.
Treinador: José Garrido
NAVAL: Salin; Carlitos, João Real, Gomis e Camora; Manuel Curto (Hugo Machado, 75m), Godemeche e Michel Simplício; João Pedro (Marinho, 77m), Fábio Júnior (Previtali, 87m) e Edivaldo.
Suplentes não utilizados: Bruno Jorge, Alex Hauw e Rogério Conceição
Treinador: Mozer

Marcadores: João Pedro (51m)
Disciplina: cartão amarelo para Ferreira (58m), Marinho (81m) 

Mozer assume que é obrigatório vencer em Penafiel

O treinador da Naval, Carlos Mozer, reconheceu esta sexta-feira que os figueirenses estão obrigados a vencer amanhã em Penafiel, apesar de as possibilidades de qualificação para as meias-finais da Taça da Liga serem nulas, uma vez que o Sporting tem mais cinco pontos do que a Naval.

«Não nos é permitido outro resultado que não seja a vitória», sublinhou o treinador brasileiro, na Figueira da Foz.

Carlos Mozer quer aproveitar a partida em Penafiel para «cimentar a filosofia de jogo» e quer uma Naval «com mentalidade de vitória». O responsável referiu que a equipa está a evoluir e quer os jogadores concentrados em atingir a permanência na Liga.

«Existe uma evolução acentuada e espero que os meus jogadores interpretem bem o caminho que estamos a traçar sem descurar o nosso maior objectivo: a manutenção na Liga», completou Mozer.

Fonte: A Bola

Fábio Júnior e Rogério Conceição convocados para Penafiel

Os regressos do defesa Rogério Conceição e do avançado Fábio Júnior são as novidades da lista de convocados do treinador da Naval, Carlos Mozer, para a deslocação de amanhã (19.15 horas) a Penafiel, em jogo da Taça da Liga.

Ao invés, em relação à última convocatória (empate com o Portimonense) ficaram de fora Orestes e Giuliano, ambos lesionados.

Lista de convocados:
Guarda-redes: Salin e Bruno Jorge
Defesas: Daniel Cruz, Carlitos, Real, Gomis e Rogério Conceição
Médios: Manuel Curto, Alex Hauw, Godinho, Godemèche e Hugo Machado
Avançados: Michel Simplício, Edivaldo Bolívia, Previtali, João Pedro, Fábio Júnior, Camora e Marinho

Fonte: A Bola

Aprígio quer mais três jogadores

Aprígio Santos, presidente da Naval, quer contratar um guarda-redes e dois avançados para ajudar a a equipa na segunda metade da época.

Quem confia na recuperação é Marinho, extremo que completou 100 jogos com a camisola navalista com o Portimonense (1-1). «O grupo está optimista, vamos dar a volta», disse o extremo.

Fonte: A Bola

Solomon Okpako treina à experiência

Jovem (20 anos) médio nigeriano tenta agradar a Carlos Mozer

Depois do lateral-direito Tiago Rosa, chegou agora a vez da Naval testar o médio Solomon Okpako, um jovem nigeriano, de 20 anos, que actuava no Panionios da Grécia. O jogador é internacional sub-20 pelo seu país e irá mostrar-se até final da semana, com vista a uma possível contratação para um sector carenciado.

A baliza, até pela saída de Jorge Batista, e o ataque também deverão receber reforços mas, até ao momento, não houve qualquer definição dos responsáveis navalistas nesse sentido. 


Fonte: Mais Futebol

Naval empresta Jonathas ao FC Atyrau do Cazaquitão

Defesa vai rodar durante dois anos

O defesa Jonathas, jogador que não entrava nas contas de Carlos Mozer, vai ser emprestado ao FC Atyrau, do Cazaquistão, por dois anos, apurou o Maisfutebol junto de fonte próxima do processo. O jogador, tal como revelou o nosso jornal, esteve durante algum tempo à experiência do clube, acabando por convencer os seus responsáveis.

O jogador tem, contudo, contrato com o clube da Figueira até Junho de 2013 mas, por ter sido opção apenas com Victor Zvunka, acaba por deixar o plantel navalista de forma natural. O mesmo aconteceu com Jorge Batista, mas, neste caso, o jogador rescindiu o contrato que tinha até 2012.

A Naval deverá anunciar nos próximos dias a contratação de um novo guardião, uma vez que as opções para a baliza limitam-se agora a Romain Salin e Bruno Jorge. 


Fonte: Mais Futebol

Jorge Baptista consegue rescisão por mútuo acordo

Terminou a ligação de Jorge Baptista à Naval. O guarda-redes há várias semanas que negociava com a direcção e o acordo foi agora alcançado, sendo livre para decidir o seu futuro.

Depois de dois anos e meio no clube da Figueira da Foz, Jorge Baptista poderá agora regressar ao Gil Vicente, clube que milita na Liga de Honra e que representou entre 2005 e 2007.

Nas próximas horas o defesa brasileiro Jonathas também deve abandonar o clube. 

Fonte: A Bola

Formação: Resultados do fim-de-semana

A equipa de juniores da Naval está apurada para a Fase Final do Campeonato Nacional de Juniores, depois de ter vencido o Belenenses por 2-1

Resultados dos escalões de formação:

Júniores | Camp.Nacional
Naval 2 – Belenenses 1

Juvenis | Camp.Distrital
U. Coimbra 1 – Naval 2

Iniciados | Camp.Nacional
Naval 6 – Santarém 0

Iniciados | Camp.Distrital
Naval 0 – Pedrulhense 1

Infantis | Camp. Distrital
Naval A 4 - Touring 3
Ala Arriba 0 - Naval B 3

Benjamins | Camp. Distrital
Naval A 11 - Praia da Leirosa 1
Cova-Gala 1 - Naval B 2


Fonte: Naval 1º de Maio

Lateral Tiago Rosa à experiência




O lateral direito Tiago Rosa, de 24 anos, está a treinar à experiência com o plantel da Naval. O defesa começou a mostrar-se a Carlos Mozer esta segunda-feira e irá continuar a fazê-lo durante a semana, na tentativa de dar o salto para o futebol profissional já que evolui actualmente no Oriental, da II Divisão.

A lesão de José Mário, que não deverá jogar mais esta época, tornando as opções para o lugar mais escassas - Carlitos é o único defesa direito de raiz, além do «adaptado» Gomis - leva o clube da Figueira a tentar a sorte no mercado.

Até ao fecho das inscrições, na próxima segunda-feira, esperam-se mais movimentações, pois a Naval precisa de mais um guarda-redes, caso se confirme a saída de Jorge Batista, um médio e um avançado.

Fonte: Mais Futebol

Jorge Baptista tenta rescisão

Semana decisiva na Figueira da Foz no que a entrada e saídas diz respeito. Jorge Baptista poderá chegar a acordo para a rescisão.

Jogador e clube prosseguem esta tarde as negociações. Face a esta provável saída, a Naval prepara-se para se reforçar com mais um médio e um avançado de divisões inferiores do futebol português. 

Fonte: A Bola

Previtali contente por «voltar a sentir-se útil

Avançado francês «ressuscitou» para os golos 

Esperava-se muito deste francês na Figueira no início da época. Melhor marcador da equipa na pré-temporada, nem a chegada tardia de Fábio Júnior o despertou para os golos quando os jogos começaram a doer. O jejum ameaçava eternizar-se até que, na última quarta-feira, para a Taça da Liga, acertou com as redes. Agora, parece ter-lhe tomado o gosto. Conheça Previtali, o avançado da Naval que marca quando menos se espera.

«Estou satisfeito pelos golos nestes últimos dois jogos, mas tudo isto tem que ser visto na perspectiva da equipa em primeiro lugar. É bom sentir-me útil agora que estou novamente a jogar mais, mas volto a dizer que tudo o que faço é para ajudar a equipa a recuperar», explica, humilde, o autor do empate frente ao Portimonense: «Estou sobretudo contente pela equipa, porque graças a este golo saímos com um ponto, em vez de zero.»

O «tropeção» diante da equipa algarvia, um concorrente dos figueirenses, deixou um amargo de boca e a certeza de pelo menos mais uma semana com a lanterna vermelha. Agora, há que recuperar fora de casa, onde, afinal, a equipa até somou a maioria do seu pecúlio: «O objectivo é sempre levar os pontos, para que possamos sair da situação em que nos encontramos. Vamos fazer com que estes dois pontos perdidos apareçam num outro campo, onde não seja tão expectável.»

Uma última palavra para o jogo da frustração - uma vitória teria permitido largar o fundo da classificação e ficar a apenas três pontos da linha de água - para destacar o empenho dos jogadores: «Apesar de tudo, até penso que a primeira parte foi melhor que a segunda, até porque com o andar do tempo e o resultado desfavorável, as coisas não estavam fáceis. Ainda assim, conseguimos fazer passar a ideia de que somos uma equipa que deu o máximo e tentou tudo por tudo para voltar a entrar no jogo, de forma a somar pontos.»

Juniores na fase final do campeonato nacional

JUNIORES NA FINAL FOUR....RUMO AO 1º LUGAR...NÓS ACREDITAMOS!!!!


A equipa de Juniores da Naval 1º de Maio apurou-se, ontem, para a fase final do Campeonato Nacional de Juniores, ao vencer o Belenenses por 2-1. A equipa comandada por Luís Miguel Carvalho consegue, de novo, atingir uma meta elevada por entre as camadas mais jovens dos clubes portugueses. Parabéns Miúdos e a todos os que trabalharam para alcançar esta 1a etapa. E agora é lutar para serem os primeiros... Força Luís, Força "Putos", Força Naval!!!!!


Mozer realça anti-jogo do Portimonense

Carlos Mozer: «Não era este o resultado que esperávamos nem tão pouco o que procurámos durante o jogo. A primeira parte foi dividida, contudo o Portimonense entrou forte teve mérito ao marcar cedo um golo que nos condicionou. Conseguimos reagir à procura da igualdade, mas a postura do Portimonense e o seu anti-jogo, não nos deixou alternativas, mesmo que a equipa tenha tido uma boa atitude e tenha feito algumas boas jogadas pelos corredores. Queremos sair da zona de despromoção para isso precisamos de sete vitórias e tenho confiança em as conseguir.»

Naval-Portimonense 1-1 (destaques)

Salin
Apesar de ter sido batido numa espécie de cruzamento-remate, a verdade é que nada podia fazer perante o remate de Ivanildo. Não teve muitas defesas vistosas, mas nunca perdeu a compostura e foi graças às suas intervenções seguras que a Naval esteve tanto tempo a perder apenas pela margem mínima.





Previtali
Prémio pela abnegação. O avançado francês é fraco tecnicamente, mas compensa pela atitude. Fartou-se de encostar o cabedal aos centrais algarvios e na única oportunidade que teve, marcou. Afinal de contas, é isso que se pede aos pontas-de-lança.


Naval-Portimonse 1-1 (crónica)

Golo a abrir, golo a fechar e duas equipas a afundarem-se

Naval e Portimonense entraram nesta partida aflitos e nenhuma das equipas melhorou a sua situação. O empate não agrada a ninguém: os dois perderam a hipótese de respirar um pouco mais, mas são os algarvios que mais se podem queixar, pois estiveram em vantagem durante 88 minutos, permitindo a igualdade da Naval no segundo minuto de compensação.

Seja como for, o jogo deste sábado contribuiu para dois factores negativos para os planos figueirenses: por um lado, já lá vão 316 dias sem ganhar em casa; por outro, com este empate parece ter-se perdido aquela moral extra que advinha da entrada de Carlos Mozer.

Dificilmente os algarvios poderiam ter melhor início. Não será de mais dizer que Carlos Azenha estudou bem a lição antes de viajar para a Figueira da Foz, mas marcar logo na primeira situação é o melhor que pode acontecer para fazer resultar qualquer estratégia. Assim, logo aos quatro minutos Ivanildo teve a mestria para transformar um livre directo em golo, quando toda a gente esperava um cruzamento. Prémio bem merecido pela intencionalidade.

E se foi um extremo a desfazer um nulo, o extremo do outro lado foi aquele que mais contribuiu para manter a defesa navalista em sobressalto por mais uns bons minutos. Praticamente até à meia hora, Candeias não se cansou de infernizar a vida de Carlitos e não só, e os algarvios só não aumentaram por falta de jeito e às vezes por excesso de confiança. Certo é que mesmo quando o Portimonense baixou a intensidade a Naval não conseguiu qualquer jogada digna desse nome nos últimos 30 metros, e por aí se justificava o 0-1 ao intervalo.,

O empate quando menos se esperava

Após o descanso a Naval reagiu, mas foi sol de pouca dura. Oportunidade flagrante só se pode contar uma, através de um cabeceamento de Godemèche ao minuto 53. No resto, destaque apenas para o efeito que os suplentes entrados ao intervalo trouxeram ao jogo, com as deambulações de Michel Simplício a incomodarem o reduto mais atrasado dos homens de Portimão e Hugo Machado a ganhar um sem número de faltas.

Contudo, à medida que se aproximavam os minutos finais, mais parecia que o Portimonense tinha a vitória segura. Os avançados Kadi e Pires não se podem queixar da falta de municiamento de Candeias, mesmo que as situações no último terço da Naval já não abundassem tanto como na primeira parte.

E foi no meio desta aparente letargia que a Naval conseguiu a igualdade. Marinho ganhou a linha e tirou da cartola um cruzamento perfeito para Previtali se estrear a marcar na Liga e dar um ponto à sua equipa; se não fosse ele, também já lá estava o improvisado ponta-de-lança Real nas suas costas para facturar.

Este é um prémio para o crer da Naval, mas um castigo demasiado pesado para o Portimonense que fez a melhor exibição da era Carlos Azenha. Só que, contas feitas, e lá no fundo, estas duas equipas ontem limitaram-se a reforçar o indesejado estatuto de principais candidatas à descida... 


«Precisamos de pelo menos sete vitórias» - Mozer

Carlos Mozer, treinador da Naval, fez as contas ao campeonato e calcula que para ficar na liga a sua equipa precisa de pelo menos sete vitórias até final da época, isto numa altura em que faltam 14 jogos.

«Todos os jogos da Naval são especiais, mas precisamos agora de sete vitórias e temos de lutar com todas as forças para as conquistarmos. Espero que frente ao Portimonense consigamos já uma delas», disse o antigo internacional brasileiro na conferência de antevisão da partida da 16.ª jornada.

Para o técnico navalista, este vai ser «um jogo de luta», no qual as duas equipas têm «margem de erro diminuta».

A necessidade de ganhar pelo menos metade dos jogos até final, fazendo fé nas contas de Mozer, levou a equipa da Figueira da Foz a fazer uma combinação no balneário: «Há muitos pontos ainda para conquistar e para atingirmos o nosso objectivo de manutenção, necessitamos de pelo menos sete vitórias e seja em que circunstância for temos de lutar por elas».

Fonte: A Bola

Alex Hauw e Curto regressam aos convocados

Os médios Alex Hauw e Curto estão de regresso aos convocados da Naval que recebe este sábado o Portimonense em jogo da 17.ª jornada da Liga.

Em relação ao jogo da Taça da Liga com o Estoril (2-2), o treinador Calos Mozer deixou Lupède e Rogério Conceição de fora.

Os lesionados José Mário, Davide e Fábio Júnior também não entram nas opções para este encontro.

Eis a lista de convocados:

Guarda-redes: Salin, Bruno Jorge;

Defesas: Orestes, Daniel Cruz, Carlitos, Real e Gómis;

Médios: Curto, Alex Hauw, Giuliano, Godinho, Godemèche e Hugo Machado;

Avançados: Michel Simplício, Edivaldo Bolívia, Previtali, João Pedro, Camora e Marinho.

Fonte: A Bola

Jonathas próximo do FC Atyrau (Cazaquistão)

Defesa regressa à Figueira nos dentro de dias 

O central Jonathas regressa nos próximos dias à Figueira depois de um período de testes no FC Atyrau, equipa do Cazaquistão que se encontra na Turquia em estágio, tal como o Maisfutebol avançou. Segundo foi possível apurar, a experiência correu bem ao brasileiro, que poderá trazer na bagagem uma proposta concreta do clube, algo que os responsáveis figueirenses viriam com bons olhos.

Jonathas foi opção apenas para Victor Zvunka e, desde a saída do francês, não mais foi convocado nem por Rogério Gonçalves, nem por Carlos Mozer. A saída do clube da Figueira seria, por isso, encarada sem dramatismos, faltando apenas saber se será a título definitivo ou por empréstimo. O jogador, recorde-se, tem contrato até 2013.

Hesitante no início quanto à possibilidade de requerer reforços neste mercado de Inverno, Carlos Mozer já começou a chegar a algumas conclusões. A contratação de um guarda-redes afigura-se, neste momento, como prioritária em função da saída iminente de Jorge Batista.

Nesse sentido, é esperado na próxima semana um guardião brasileiro para ser observado pelo técnico. Mas os esforços serão direccionados ainda para a aquisição de um médio-defensivo e um avançado, que deverão vir igualmente do outro lado do Atlântico.

Na preparação para a recepção ao Portimonense, destaque para as dúvidas quanto à utilização de Hugo Machado e Fábio Júnior, mas o segundo parece reunir maiores probabilidades de recuperar a tempo de ser opção. 

Naval-Estoril, 2-2 (crónica)

Era a oportunidade de ouro para a Naval voltar às vitórias em casa, onde não ganha há mais de 10 meses, mas vai ficar para outra oportunidade. A equipa da Figueira ainda esteve em vantagem, por 2-0, só que permitiu a remontada ao adversário e, com isso, ambas as equipas dizem praticamente adeus à prova.

Não é que ela interessasse muito a qualquer dos lados, mas uma vitória para os locais teria sido um excelente tónico para o jogo de sábado, novamente em casa, diante do Portimonense.Paciência.

A Naval não podia desejar melhor início de jogo. Com apenas um titular no onze, Carlitos, a equipa revelava dificuldades em penetrar na defesa «canarinha» mas Hugo Machado foi o «desbloqueador» de serviço, com uma assistência para o golo inaugural de Previtali, e um livre superiormente convertido que parecia encaminhar o resultado para a goleada. Afinal, tinha decorrido apenas um quarto-de-hora de jogo...

Em evidência, estava a eficácia revelada pelos donos da casa, com dois golos obtidos nos dois primeiros remates à baliza de Vagner. No banco, Mozer sorria. Mas por pouco tempo. O Estoril chegou ao empate com aparente facilidade, através de dois lances de bola parada, com o estreante Bruno Jorge em destaque... pela negativa.

Primeiro comete a grande penalidade sobre Clodoaldo que o próprio se encarregaria de converter e, pouco depois, mal colocado, não evita o empate novamente num livre, de Vinícius Reche. Tudo voltava ao mesmo e, na segunda parte, o técnico figueirense via-se obrigado a ter de colocar os «pesos-pesados» em campo para evitar dissabores.

Edivaldo e Marinho avançaram para o terreno de jogo mas, na segunda parte, não houve nem eficácia, nem inspiração. E quando Hugo Machado e Clodoaldo, os dois jogadores mais influentes da partida, deixaram o terreno de jogo, então, o empate ficou sentenciado, mesmo se Godemèche ainda atirou escandalosamente por cima, na melhor oportunidade dos figueirenses. Para estreia de Mozer em casa, podia ter sido bem melhor...

Ficha de Jogo:

Estádio: José Bento Pessoa, na Figueira da Foz.
Árbitro: Hélder Malheiro (Lisboa), auxiliado por Ricardo Santos e Hernâni Fernandes.
Quarto árbitro: Nuno Pereira.

NAVAL: Bruno Jorge; Carlitos, Lupède, Rogério Conceição e Camora; Godinho; Giuliano (Edivaldo, 68 minutos) e Hugo Machado (Godemèche, 77); João Pedro, Previtali e Simplício (Marinho, 69).
Suplentes não utilizados: Salin, Gomis, João Real e Daniel Cruz.
Treinador: Carlos Mozer.

ESTORIL: Vagner; Bruno Nascimento, Tiago Bernardi (Luciano Bebé, 62), Lameirão e Murilo Ceará; Steven Vitória; Erick (João Coimbra, 46), Nelsinho e Vinicius Reche; Tony Taylor e Clodoaldo.
Suplentes não utilizados: Mário Matos, Jefferson, Filipe da Costa e Alex Afonso.
Treinador: Vinícius Eutrópio

Ao intervalo: 2-2.
Marcadores: Previtali (10), Hugo Machado (15), Clodoaldo (22, g.p.)e Vinícius Reche (38).
Disciplina: cartão amarelo para Bruno Jorge(21).

Fonte: Mais Futebol



João Pedro (Naval): «Empate não nos belisca em nada»

João Pedro, jogador da Naval, no final do empate, na Figueira, com o Estoril, em jogo a contar para a segunda jornada da terceira fase da Taça da Liga, grupo D:

«Foi um jogo bem conseguido na nossa parte, com um volume de jogo ofensivo muito grande. Entrámos bem, a pressionar, sem os deixar pensar, e fizemos dois golos. Depois, recuámos um bocadinho e foi ai que conseguiram chegar ao empate, mas continuámos a lutar e criar oportunidades. Todos os jogos são importantes e as vitórias, que dão confiança, ainda mais, mas este empate não nos vai beliscar em nada. Estamos satisfeitos com aquilo que produzimos durante a partida.»

Fonte: Mais Futebol


Mozer viu comportamento brilhante

Carlos Mozer (Naval):

«Lições? Sim, tirámos muitas e boas. Tudo aquilo que a Naval fez dá indicação de que os jogadores estão a compreender o que se pede e a cumprir à risca o plano de jogo. Não era o resultado que esperava. O primeiro golo deles foi precedido de fora-de-jogo. Ai, muda um bocadinho o jogo, mas a Naval foi muito mais equipa, pressionou muito mais, tomou conta do jogo, e teve inúmeras ocasiões para marcar. Faltou apenas uma eficácia maior na finalização. Só na segunda parte é que o Estoril nos criou algumas dificuldades, nos primeiros cinco minutos, mas conseguimos voltar a equilibrar e regressámos ao jogo que havíamos feito na primeira parte. Agora, fica difícil para passarmos à próxima fase, mas fizemos tudo ganhar este encontro. Estamos num plano de evolução, estamos a melhorar, hoje houve uma mudança grande na equipa mas os jogadores tiveram um comportamento brilhante. Portimonense? É outro jogo, para buscar os três pontos, e vamos ser determinados como fomos hoje.»

Fonte: Mais Futebol 

Naval - Belenenses (Juniores)

NAVAL 1º DE MAIO - BELENENSES

CAMPEONATO NACIONAL DE JUNIORES

Dia 22 de Janeiro, Sábado
LOCAL: Arazede
HORA: 15:00

Realiza-se este fim de semana um jogo muito importante para a aspiração da equipa de juniores da Naval 1º de Maio à final four do Campeonato Nacional de Juniores.

Convocatória: Todos os jogadores foram convocados.

Convocamos também todos os Navalistas!!!!Força Naval!!!!


Vem apoiar os nossos "remadores"

Mozer assume favoritismo para jogo com o Estoril

O treinador da Naval, Carlos Mozer, quer chegar longe na Taça da Liga e assume como objectivo vencer amanhã o Estoril, na 2.ª jornada do Grupo D da prova.

«A partida com o Estoril tem para nós um duplo objectivo. O nosso brio profissional obriga-nos a procurar sempre a vitória, por outro lado vou poder conhecer e avaliar melhor alguns dos jogadores que ainda não vi em competição», disse Mozer na antevisão ao jogo na Figueira da Foz.

«Não podemos descurar a hipótese de vencer o jogo. É uma competição oficial onde estamos inseridos, está tudo em aberto, queremos chegar o mais longe possível», prosseguiu o treinador, sublinhando que a sua equipa «é obrigada a assumir favoritismo».

«Temos de ir buscar o resultado que nos interessa, neste caso a vitória, e só o poderemos fazer assumindo o jogo. Espero que os meus jogadores continuem a mostrar-se confiantes e a darem a garantia de que sempre que entram em campo têm na mente um só resultado, a vitória», atirou.

Fonte: A Bola

Lupède e Carlitos regressam aos convocados

O treinador da Naval, Carlos Mozer, anunciou esta terça-feira a lista de convocados para o jogo de amanhã com o Estoril, na Figueira da Foz, referente ao Grupo D da 2.ª jornada 3.ª fase da Taça da Liga.

Em relação ao jogo com o FC Porto, Lupède e Carlitos regressam aos eleitos, ao passo que Fábio Júnior, Alex Hauw e Curto ficam de fora.

José Mário, lesionado, e Davide, por opção técnica, também ficam de fora da convocatória.

Eis a lista completa de convocados:

Guarda-redes: Salin, Bruno Jorge;

Defesas: Lupède, Orestes, Daniel Cruz, Carlitos, Real, Gómis e Rogério Conceição;

Médios: Giuliano, Godinho, Godemèche e Hugo Machado;

Avançados: Michel Simplício, Edivaldo Bolívia, Previtali, João Pedro, Camora e Marinho.

Fonte: A Bola

Naval - Estoril

NAVAL 1º DE MAIO - ESTORIL PRAIA


2ª JORNADA



AMANHÃ, QUARTA-FEIRA, 19 PELAS 16H
LOCAL: ESTÁDIO MUNICIPAL JOSÉ BENTO PESSOA


 VEM APOIAR A NAVAL 1º DE MAIO 
COM O COLETIVO MARAVILHAS


Fonte: Coletivo Maravilhas

Mozer prepara estreia na Figueira da Foz

Depois da derrota no Estádio do Dragão (3-1), a Naval deu ontem início a uma semana sem folgas com um treino no estádio onde amanhã recebe o Estoril para a Taça da Liga, no primeiro jogo de Mozer em casa. Recorde-se que, desde que o brasileiro tomou conta da equipa, esta venceu em Guimarães e perdeu com o FC Porto. O desafio inaugural na Figueira da Foz servirá para Mozer observar jogadores menos utilizados antes do jogo com o Portimonense, no regresso da Liga, importantíssimo por se tratar de um adversário directo na luta pela sobrevivência no primeiro escalão. 

Fonte: O Jogo

Gómis feliz por estar na história da Naval

Jogador foi o primeiro da história do clube da Figueira da Foz a marcar um golo em casa do FC Porto. Aproveitou para criticar a arbitragem de Cosme Machado.

Gómis, marcador do golo navalista no Dragão – primeiro da história do emblema figueirense –, revelou a A Bola estar muito feliz pelo feito alcançado.

«Estou feliz por ver o meu nome associado ao primeiro golo que a Naval marcou ao FC Porto, aliás, foi um golo mais que merecido pelo empenho que demonstrámos na partida», salientou, acrescentando:

«Sinto, no entanto, um certo desencanto porque, no lance do primeiro golo do FC Porto, disseram que estávamos desatentos mas não é verdade. Desatento esteve o árbitro, Cosme Machado, que permitiu que o jogador do FC Porto fizesse o lançamento do esférico com duas bolas em campo.»

Fonte: A Bola

Gomis: «Aguentámos 44 minutos»

Defesa marcou ao F.C. Porto

Gomis, autor do golo da Naval frente ao F.C. Porto (3-1), na 16ª jornada da Liga, em declarações à SportTV:

«Aguentámos 44 minutos, tivemos um momento de desconcentração e sofremos dois golos. Não vamos desistir, vamos dar tudo para ficarmos na primeira divisão. No próximo jogo queremos já estar bem e somar os três pontos.»

Mozer: «Errar contra a melhor equipa da Europa paga-se caro»

Carlos Mozer, treinador da Naval, gostou da resposta que os seus jogadores deram em casa da «melhor equipa da Europa». E mostra-se extremamente optimista em relação ao futuro.

«A jogar a este nível qualquer erro faz a diferença. Contra a melhor equipa da Europa ainda mais. Mostrámos qualidade de jogo, um bom modelo e queremos apresentar-nos com esta confiança em todo o lado. Em alguns momentos facilitámos. Contra jogadores com a dimensão do Hulk e do Falcao isso paga-se caro. Jogámos sem complexos.»

Sobre o primeiro golo da Naval no Dragão

«A Naval nunca tinha marcado aqui e conseguiu fazê-lo hoje. Fizemos uma segunda parte digna, mas a vitória do Porto é justíssima. Gostei do empenho e do rigor dos meus jogadores. Acho que estamos a caminhar para situações mais favoráveis.»

Sobre a luta pela manutenção

«Este jogo não fazia parte do nosso calendário. Os nossos adversários são outros e é com esses que temos de pontuar. O jogo de hoje serve para adquirir mais confiança, acima de tudo. Saímos daqui tristes porque perdemos, mas o fundamental foi aquilo que demonstrámos. Estamos no bom caminho.» 


Mira em fé na manutenção

Fernando Mira, técnico-adjunto da Naval:

«Conseguimos implantar o nosso futebol, mas encontrámos um F.C. Porto muito forte. Penso que o nosso objectivo continua a ser a manutenção e continuamos a lutar por ela. Acreditamos na nossa filosofia e processos de trabalho e vamos lutar jogo a jogo pela permanência na Liga.»

F.C. Porto-Naval, 3-1 (destaques)


 


Fábio Júnior e Marinho, os únicos sobreviventes

O primeiro pôs em sentido a defesa portista na primeira parte ao criar uma grande jogada quando driblou vários adversários e ofereceu o golo a Marinho que não teve tranquilidade para bater Helton. Foram os dois jogadores que puseram a defesa portista em sentido ao logo da partida com vários rasgos em velocidade e tentativas de remate à baliza de Helton.

Fonte: Mais Futebol

F.C. Porto-Naval, 3-1 (crónica)

Com dois Zorros não há emboscada que resista 

Hulk e Falcao. Falcao e Hulk, para os que preferirem. Dupla destinada à eternidade no reconhecimento do Dragão. Sem querer emudecer os ecos do passado, há uma evidência a assinalar: estes dois fazem já parte da galeria notável e elitista de avançados e goleadores do F.C. Porto. Dois golos para um, um golo para outro, Naval abatida após ter lançado uma interessante emboscada no território do líder.

Comecemos por aqui. Ainda embalada na aragem triunfal de Guimarães, a equipa de Carlos Mozer quis controlar o jogo, bloquear o acesso à sua baliza e manietar os saqueadores de Villas-Boas. Mas, como emboscar um pelotão de homens que tem, não um, mas dois Zorros? A estratégia resultou durante 44 minutos, aproveitou o entorpecimento das tropas contrárias e até ensaiou um ataque perigosíssimo através de Fábio Júnior e Marinho.


Nada feito. A espada de Falcao desenhou o primeiro rasgão nas costas navalistas e a de Hulk dilacerou a esperança do último classificado do campeonato. À ida para o intervalo, os valentes de Mozer perceberam o quão inútil terá sido tanta concentração, tanta organização e tanta crença.

Depois, na etapa complementar, houve demasiados sargentos Garcías. Ineptos, trapalhões, expostos uma e outra vez à baioneta dos dois Zorros e respectiva plêiade. O F.C. Porto resistiu bem à tal emboscada, superou o cerco e aproveitou a noite irrepreensível dos seus dois melhores marcadores.

Tudo até podia ter sido mais simples se Silvestre Varela, ao invés da trapaça, tivesse optado pelo que se impunha. Isolado diante de Romain Salin, hesitou, puxou a bola para a esquerda e, ao perceber o erro, atirou-se para o relvado. Cartão amarelo bem mostrado pelo árbitro.


Perante tamanha clemência, e ainda antes de perecer às mãos da dura led, sed lex reinante (nove jogos, nove vitórias do F.C. Porto em casa) , a Naval pôs a cabeça de fora e assustou. Sem efeitos práticos, a rebelião morreu naquela finalização disparatada de Marinho.

Orquestrado por um magistral João Moutinho (tanta, mas tanta qualidade), em passes verticais e nalgumas triangulações ziguezagueantes, o dragão começou a impor a sua superioridade, até dar as estocadas fatais através de Falcao e Hulk.

A primeira nasceu num lançamento lateral na esquerda, passou por Varela e acabou na conclusão simples do colombiano; a segunda foi uma combinação tripartida (Falcao, Belluschi e Hulk) e derramada no remate do brasileiro; a terceira contou com a benesse desastrada de Orestes, antes da corrida frenética e golo de Hulk.


A história parecia definitivamente encerrada, mas antes do apito final ainda houve uma recompensa justa. A Naval marcou de grande penalidade, por Orestes, numa altura em que as espadas e as máscaras do F.C. Porto já estavam encostadas a um canto.

90 minutos de peripécias, voltas e mais voltas para duas conclusões: o F.C. Porto segue livre e bem vivo na liderança: a Naval, com Mozer, é uma equipa mais valente e capaz de acreditar em si mesmo. 


Juniores da Naval a três pontos da fase final

A formação de Juniores da Naval venceu esta tarde o Vitória de Setúbal por 2-1 em jogo a contar para a antepenúltima jornada da 1ª fase do Nacional de Juniores A, consolidando a sua posição de 4º classificado, posição que garante o direito desportivo de passar á Fase Final da competição.

Quando faltam duas jornadas para o termo da 1ª Fase a equipa figueirense que detém de uma vantagem de três pontos sobre o Marítimo, faltam apenas conquistar três dos seis pontos em disputa já que num eventual desempate entre insulares e figueirenses a Naval tem vantagem.

A turma da Naval recebe no próximo sábado o Belenenses, jogo que será disputado em Arazede, deslocando-se na última jornada ao terreno do União de Leiria.

Quanto ao jogo de Setúbal a Naval foi a primeira equipa a chegar á vantagem face a um “golaço “ do “capitão” Grou, todavia os sadinos estabeleceram o empate. Na segunda metade da partida Romeira numa das suas cobranças de bola parada, anichou a redondinha nas malhas e a Naval somou os respectivos três pontos.


Manuel Curto sem saudades dos tempos de avançado

Campeão da Europa de sub-17 relança carreira na Figueira

Levantou a taça relativa ao título do Europeu de sub-17 em 2003, esteve no Mundial subsequente da categoria, era avançado e marcava golos, muitos golos. De tal forma que, na segunda destas provas, foi o melhor marcador, com cinco remates certeiros, tantos quantos um tal de... Fabregas.

O futuro, nessa altura, do jovem formado no Benfica pintava-se de cor-de-rosa, talvez até de todas cores. Um arco-íris de promessas de mais um «produto» de uma geração que revelou Miguel Veloso, Manuel Fernandes ou João Moutinho, entre muitos outros.

Falamos, pois, de Manuel Curto, o avançado reconvertido em «cabeça de área», como dizem os brasileiros, que tenta por estes dias relançar a carreira na Figueira da Foz, de novo entre os emblemas maiores cá do burgo, depois da aridez de um percurso feito pelo E. Amadora, Torreense, Pinhalnovense, Rio Maior ou Estoril.

E começamos por ai, por essa «metamorfose» das quatro linhas, que, por sinal, foi do agrado do jogador da Naval: «Eu era sobretudo médio-ofensivo mas alguns treinadores entenderam que eu podia jogar a médio-defensivo e é, neste momento, a posição onde me sinto melhor.»

Quando se lhe pergunta se tem saudades desse tempo em que se digladiava com os centrais e a proximidade com as redes o tornavam um bom amigo dos golos, Curto tem uma resposta ao jeito do nome mas, ao mesmo tempo, conclusiva: «Não. Eu gosto mesmo é de jogar como médio-defensivo.» Ponto final. Adiante.

«Mozer é um líder nato»

Visto por muitos como um dos artífices da nova vida navalense, pelo menos do bom pronuncio deixado em Guimarães, o camisola 5 da equipa figueirense é eloquente nos elogios ao novo treinador: «O Mozer é um líder nato, já foi jogador e isso é importante, porque ele compreende bem as nossas necessidades.»

Depois de terem sido os primeiros a derrotar o V. Guimarães em casa esta época, os navalistas procuram feito idêntico no Dragão: «Encaramos o jogo da mesma forma do anterior. Será muito difícil, diante do líder do campeonato, mas com trabalho e humildade vamos conseguir um bom resultado. O objectivo é trazer os três pontos.»

Um discurso ambicioso, de quem quer deixar de ser um mero mensageiro da esperança.


Naval no mercado por um guarda-redes

 Jorge Batista está de saída para poder jogar mais

A Naval está à procura de um guarda-redes na sequência do desejo manifestado por Jorge Batista em deixar o clube, apurou o Maisfutebol. O suplente de Salin, que já o fora de Peiser nas últimas duas épocas, tem sido pouco utilizado e, à beira de completar 34 anos, pretende jogar com mais regularidade, o que será difícil na Figueira.

Nesse sentido, o jogador, autorizado a ausentar-se dos treinos nos últimos dois dias, tem neste mês de Janeiro uma excelente oportunidade para dar novo rumo à carreira. Apesar de ter contrato até 2012, os responsáveis navalistas não irão colocar-lhe entraves, devendo a rescisão ser anunciada nos próximos dias.

A SAD figueirense pretende assegurar uma sucessão à altura, algo que já começou a ser tratado, através dos primeiros contactos de mercado. Enquanto isso, o guarda-redes da equipa de juniores, João Gomes, tem vindo a colmatar a vaga nas sessões de trabalho.

Jonathas na Turquia numa equipa do... Cazaquistão

Jorge Batista não tem sido o único a faltar aos treinos ultimamente, já que também o defesa Jonathas foi autorizado a prestar provas numa equipa do Cazaquistão, que se encontra actualmente a estagiar na Turquia.

Uma vez mais, caso seja aprovado nos testes, a Naval não se oporá à sua saída. Utilizado apenas durante o consolado de Victor Zvunka, o brasileiro já não contava para Rogério Gonçalves, nem agora para Carlos Mozer.

Entretanto, o médio Nivaldo, jogador do Alecrim, do Brasil, com o qual a Naval tem um protocolo, cumpriu o período experimental e foi dispensado, tal como acontecera aos compatriotas Rilla e Cadu. 


Fonte: Mais Futebol

Mozer pede coragem à equipa para derrotar FC Porto

Carlos Mozer, treinador da Naval, deseja pontuar no encontro com o FC Porto e, por isso, pede coragem ao grupo para enfrentar o líder.

«Espero da minha equipa determinação, coragem, espírito de colectivo e, claro, uma pontinha de sorte», disse esta manhã, após o último treino antes da viagem para o Porto.

O técnico brasileiro está ciente das dificuldades que vai encontrar no Dragão, mas isso não o esmorece e dá um grande voto de confiança aos jogadores.

«Tenho consciência que vou encontrar um FC Porto muito difícil, mas a Naval está consciente, apesar das dificuldades, que tem de ter grande concentração e ambição para conquistar pontos. O Porto é muito forte, mas acredito na estrutura de jogo da minha equipa tal como acreditei em Guimarães», elogiou. 

Fonte: A Bola

Rogério Conceição é a novidade para o Dragão

O defesa-central é a novidade na lista de convocados de Carlos Mozer para o encontro de amanhã com o FC Porto. O brasileiro substitui o lateral Carlitos, que está a cumprir castigo.

Confira a lista dos 20:

Guarda-redes: Salin e Bruno
Defesas: Orestes, Daniel Cruz, João Real, Gomis, Rogério Conceição
Médios: Manuel Curto, Alex Hauw, Godinho, Godemèche, Giuliano, Hugo Machado
Avançados: Michel Simplício, Bolívia, Previtali, João Pedro, Fábio Júnior, Camora, Marinho

Fonte: A Bola

Baptista e Jonathas podem sair

Guarda-redes e defesa foram autorizados pelo clube a procurar soluções para o futuro.

O guarda-redes Jorge Baptista e o defesa Jonathas foram ausências notadas no treino de ontem da Naval. Nuno Cardoso, director-desportivo, apenas informou que os jogadores «foram autorizados» a não treinarem.

Entretanto, ao que A BOLA apurou, existem conversações entre os atletas e o clube para se encontrar uma solução imediata para o futuro. Resta saber se passa pela desvinculação ou empréstimo.

O espaço dos dois jogadores na equipa tem vindo a decrescer. O experiente guardião não foi além de 180 minutos em cada uma das últimas duas temporadas. No caso de Jonathas, apenas foi utilizado nas três primeiras jornadas pelo treinador Victor Zvunka.

Fonte: A Bola


Mozer só perdeu uma vez

Reencontra Fc Porto com o qual travou intensos duelos

Depois do auspicioso arranque à frente da equipa técnica da Naval – triunfo em Guimarães –, Carlos Mozer tem, domingo, mais um teste de fogo, ao visitar o até agora invicto FC Porto. Um adversário com o qual o brasileiro travou intensas batalhas enquanto jogador, ao serviço do Benfica, e com quem perdeu apenas uma vez – na 2.ª mão da Supertaça em 1993/94.

Fonte: Record

«No futebol as surpresas são uma constante»

Jogador quer surpreender FC Porto

O avançado brasileiro da Naval, Bolívia, disse esta quinta-feira que a equipa está focada no objetivo de pontuar domingo no Estádio do Dragão frente ao FC Porto, em jogo da 16.ª jornada da Liga ZON Sagres.
"Estamos conscientes que nos encontramos num momento delicado" frisou o jogador em conferência de imprensa, reiterando que "toda a equipa está focada na necessidade de poder surpreender o FC Porto".
Bolívia reconhece que o FC Porto é líder destacado, mas sublinha que a equipa não teme os dragões. "Todos os jogos começam com zero a zero e têm a sua própria história, sabemos das dificuldades que nos esperam, porém, no futebol as surpresas são uma constante", vincou.
Depois de um longo jejum de vitórias, onde a equipa agora comandada por Mozer esteve 13 jornadas sem vencer, Bolívia refere que a vitória alcançada em Guimarães não permite grandes euforias. "Vencemos uma batalha mas temos uma guerra dura pela frente", disse.
O trabalho do novo treinador da Naval também foi referenciado pelo jogador: "[Carlos] Mozer é mais um elemento que chegou para nos ajudar, como técnico tem a sua metodologia e ideias próprias, o grupo confia nele, estamos a tentar adaptar-nos rapidamente".
"Mozer tem tido uma mensagem forte junto do grupo, ajudando-nos a compreender e interiorizar que no futebol para haver felicidade é preciso vencer", acrescentou.
FC Porto e Naval, primeiro e último classificado da tabela, respetivamente, com 41 e oito pontos, defrontam-se no domingo no Estádio do Dragão, pelas 18 horas, em jogo que será dirigido pelo bracarense, Cosme Machado.
Nivaldo não convenceu
Entretanto, o brasileiro Nivaldo que se encontrava em período de experiência na sequência de um protocolo negociado entre a Naval e o Alecrim FC, não convenceu a equipa técnica e foi dispensado.

Fonte: Record 

«Mozer trouxe alegria, confiança e... a vitória», Marinho

Avançado quer confirmar recuperação navalista diante do F.C. Porto

Marinho já nota algumas nuances no dia-a-dia dos figueirenses, com pouco mais de uma semana de convivência com Carlos Mozer, «São métodos e personalidades diferentes, e ainda estamos a assimilar as ideias do novo treinador, mas, nestes poucos dias, trouxe alegria, mais confiança, e uma vitória é sempre bom. Quando ganhamos, as coisas correm da melhor forma.»

O avançado navalista foi um dos rostos da mudança trazida por Mozer à Figueira. A vitória em Guimarães, na última jornada, teve a sua chancela, ou não tivesse «arrancado» a grande penalidade que permitiu à equipa recuperar no marcador, encarregando-se, ele próprio, de selar o triunfo, o segundo esta época.

Agora, com o F.C. Porto no horizonte, o veloz extremo quer confirmar a retoma, num dos palcos mais difíceis da Liga. «O objectivo é pontuar. Se marcar, será um acréscimo, mas se for outro colega a fazer golo, o sentimento é igual. O importante é trazer pelo menos um ponto do Dragão», afirma o jogador do emblema figueirense.

Para conseguir a meta traçada, Marinho entende que «vai ser preciso correr, lutar ser mais unidos do que o F.C. Porto». «Vai fazer-nos falta também alguma da sorte que nos tem faltado. Na semana passada, reconheço que a tivemos. Nestes momentos é preciso ter sorte e nós vamos lutar por ela», assegurou.


Kévin Gomis será hipótese quase certa para lateral-direito

Expulsão do lateral diante do V. Guimarães abre as portas do onze ao franco-guineense

A ausência do lateral-direito Carlitos, que está suspenso por um jogo por culpa do cartão vermelho directo que viu no jogo frente ao Guimarães, é neste momento um dos pólos de preocupação para o treinador da Naval, Carlos Mozer, que prepara a difícil deslocação de domingo ao Estádio do Dragão, próximo compromisso dos figueirenses na Liga.

O franco-guineense Gómis perfila-se como eventual candidato ao lugar de lateral-direito, já que, além de Carlitos, também José Mário, outra opção para este lugar, está impossibilitado de dar o seu contributo à equipa, pois encontra-se em fase de recuperação a uma intervenção cirúrgica ao menisco.

Fonte: A Bola