Carlos Mozer é o escolhido

Brasileiro é a opção de Aprígio Santos para suceder a Rogério Gonçalves. Será apresentado depois do jogo com o Sporting. Já esteve reunido com o treinador interino Fernando Mira.

Ponto final no suspense quanto à sucessão técnica na Naval, com Aprigio Santos a anunciar, ontem, a contratação de Carlos Mozer para suceder a Rogério Gonçalves.

«Mozer é a minha escolha, existe um acordo de principio e será ele o treinador da Naval», referiu o presidente da Naval, acrescentando que ainda não foi assinado qualquer contrato.

«Há pequenas arestas por limar e creio que, no essencial, o acordo está encontrado. A apresentação será feita nos primeiros dias da próxima semana», completou Aprígio Santos, sem revelar a duração do vínculo.

O antigo central do Benfica e da selecção do Brasil esteve reunido com Aprígio Santos, almoçou depois com o treinador interino Fernando Mira e partiu de imediato para Lisboa a fim de iniciar contactos para constituir a equipa técnica que acompanhará.

Fonte: A Bola

Viagem ao Alvalade XXI

Sporting - Naval


Segunda, 3 Janeiro 2011
19H15

Taça da Liga
BWIN CUP

Viagem a Lisboa
 
Saída às 15H00 do Estádio

Preços

Viagem + Bilhete para o jogo

10 Maravilhas Sócios do Colectivo
15 Acompanhantes de Sócio
20 Não Sócios


NÓS ACREDITAMOS!!!

Informações
96 292 59 88

Fonte: Coletivo Maravilhas

Carlos Mozer é o treinador

Carlos Mozer foi o escolhido pelo presidente Aprígio Santos para assumir o cargo de treinador e está já na Figueira da Foz, a almoçar neste momento, num restaurante da cidade, com o treinador interino Fernando Mira.

A informação foi confirmada a A BOLA pelo líder do clube figueirense, mas, para já, não é adiantada qualquer informação suplementar.

Mozer estreou-se em 2000 como treinador, na equipa técnica de José Mourinho, no Benfica. Em 2007 foi campeão em Angola ao serviço do Interclube e em 2009 passou pelo Raja Casablanca, de Marrocos. 

Fonte: A Bola

Nivaldo à experiência

O brasileiro Nivaldo, oriundo do Alecrim FC, começou hoje a treinar-se à experiência na Naval, no âmbito do protocolo assinado entre os dois clubes.

Nivaldo Rodrigues Ferreira, de 22 anos, 1,85 metros e 81 quilogramas, é médio ofensivo e no Brasil já representou Juventus, Serra, Vila Velhense, Queimadense, São Bernardo e Baraúnas.

Recorde-se que o Alecrim FC, que detém o passe do jogador, assinou recentemente um protocolo com o emblema da Figueira da Foz, no qual se prevê um intercâmbio de jogadores.

Fonte: A Bola

Orestes assume que a equipa está infeliz

O defesa Orestes mostrou-se ontem preocupado com o momento da equipa.

«Face às circunstâncias a equipa não está contente e nem tem alegria», disse o central.

Ontem, ainda sem anúncio do novo treinador, o treino voltou a ser orientado por Fernando Mira, que prossegue a preparação para o jogo com o Sporting para a Taça da Liga. 

Fonte: A Bola

Treino ainda sem treinador novo e mais duas ausências

Previtali e Cadu não participaram nos trabalhos ainda dirigidos por Mira 

A Naval regressou esta segunda-feira aos treinos depois das férias de Natal ainda sem novo treinador. Esperava-se que a sessão pudesse já ser orientada pelo sucessor de Rogério Gonçalves, mas o processo conheceu um atraso devido a um pequeno problema de saúde do presidente Aprígio Santos.

Paulo Torres continua a ser a principal opção para ocupar o cargo e, sabe o Maisfutebol, envidou esforços nas últimas horas para ficar livre do compromisso com o Torreense, por forma a poder vincular-se à Naval.

Do treino, destaque para as ausências do recém-contratado Cadu e também de Previtali, que, no entanto, já deverá apresentar-se esta terça-feira, dia em que estão programados dois treinos, tudo dependendo ainda da chegada do novo técnico. 


Fonte: Mais Futebol

Paulo Torres na linha da frente

Paulo Torres poderá ser o sucessor de Rogério Gonçalves no comando técnico da Naval.

O actual treinador do Torreense, equipa da zona sul da 2.ª Divisão, é um dos nomes em cima da mesa e as próximas horas poderão ser decisivas. Paulo Torres surge na sequência da resposta negativa dada por Lito Vidigal. O antigo treinador do União de Leiria era o principal alvo do presidente Aprígio Santos, porém, essa possibilidade está agora fora de questão com recusa do convite.

Assim, o nome de Paulo Torres ganha mais força surgindo na linha da frente. Certo é que este será um processo para ser terminado no início desta semana.

Contactado por A BOLA, Paulo Torres confirmou as negociações e não escondeu a satisfação pelo interesse demonstrado.

«A hipótese Naval já foi comentada. Tenho muito respeito pelo clube e pelo seu historial. Seria uma honra trabalhar na Figueira da Foz», declarou o treinador, dando a ideia de que tudo poderá ficar concluído nos próximos dias:
«Até agora tudo não passou de conversas. Mas é verdade que as coisas avançaram num bom sentido, faltando apenas alguns detalhes. Neste momento não se poderá adiantar mais nada.»

Fonte: A Bola

Rogério Conceição: «Nunca foi tão triste»

Lamenta passar natal no último lugar

Mesmo em período de férias, o mau momento da equipa figueirense não deixa ninguém indiferente. O central brasileiro Rogério Conceição lembra que nunca esteve numa situação destas, por isso admite que está a passar um Natal como nunca aconteceu. “Nunca foi tão triste”, sublinha.
Apesar das adversidades, o jogador, de 26 anos, não quer ouvir falar em desistir. “Sabemos que a situação é muito difícil, mas não vamos ceder”. Segundo Rogério Conceição, “este é um grupo de guerreiros, que vai dar a volta à situação. Não vamos descer a Naval”, promete o jogador, que chegou esta época ao futebol português, oriundo do Vila Nova, do Brasil. Antes, Conceição já atuara, porém, no futebol europeu, representando clubes da Grécia e do Chipre. Na Figueira da Foz tem sido titular, tendo já registado 12 jogos como titular na Liga Zon Sagres.
Reconhecendo que os principais culpados são os jogadores, o central brasileiro lembra o jogo com o Nacional, para ilustrar o que tem falhado esta época: “O jogo na Madeira foi o pior momento da época. Queríamos reagir mas não nos deixaram.”
O plantel cumpre hoje o último dia de férias, regressando aos treinos amanhã, no municipal figueirense. O nome do novo treinador está prestes a ser anunciado.

Fonte: Record

José Mário aguarda por Janeiro para ser operado

Defesa sofreu lesão no joelho direito e vai parar vários meses 

O lateral José Mário deverá ser sujeito a uma cirurgia ao joelho direito no próximo mês de Janeiro por forma a debelar uma lesão sofrida há algumas semanas no joelho direito. Neste momento, o departamento clínico da Naval está a avaliar o caso do jogador, em colaboração com um especialista, para definir o melhor momento para executar a operação

«Tudo indica que iremos avançar para um procedimento cirúrgico, seguramente apenas em Janeiro, até porque é preciso, primeiro, ultrapassar o processo inflamatório», explicou ao Maisfutebol Pedro Santos, médico do clube da Figueira da Foz. O jovem defesa terá, por conseguinte, um longo período de paragem pela frente.

Os restantes atletas em recuperação, casos de Orestes e Salin, não inspiram cuidados de maior e estarão aptos para competir a 2 de Janeiro, frente ao Sporting, em jogo a contar para a Taça da Liga. 


Fonte: Mais Futebol

Nivaldo é o primeiro «fruto» da parceria com o Alecrim

O protocolo firmado entre a Naval e o Alecrim começa a dar frutos. A chegada do primeiro jogador do emblema brasileiro à Figueira será uma questão de dias e, de acordo com as informações prestadas pelo presidente do clube ao Maisfutebol, o atleta em causa é o médio defensivo Nivaldo, que foi uma das revelações da última edição do campeonato brasileiro (Série C).

«Vamos mandá-lo para Portugal dentro em breve e ficará ai durante oito a 10 dias para ser avaliado pela equipa técnica da Naval. Ele foi um dos destaques do campeonato e pode ser um atleta muito útil», afirmou Orlando Calda.

Nivaldo Rodrigues Ferreira, ou apenas Nivaldo, tem 22 anos, mede 1, 85 m (81 quilos), e pasou pelo Juventus (São Paulo), Serra, Vila Velhense (ambos do estado de Espírito Santo), Queimadense, São Bernardo (ambos de São Paulo) e Baraúnas (Rio Grande do Norte), antes de se vincular ao Alecrim.


Fonte: Mais Futebol

Lito já tem proposta

Aprígio e treinador vão voltar a reunir-se

Aprígio Santos quer apresentar o novo treinador aos jogadores na próxima segunda-feira, quando estes regressarem das miniférias de Natal e prontos para atacar o que resta do campeonato com apenas um objetivo em mente: salvar o clube da descida.
Record sabe, junto de fonte próxima do processo, que o técnico Lito Vidigal já tem conhecimento da proposta da Naval, mas a primeira reunião foi... inconclusiva. O treinador, de 41 anos, ouviu as ideias do presidente do clube figueirense, colocou algumas condições, mas não assumiu nenhum compromisso. Treinador e presidente voltarão a reunir-se antes do Natal e, então aí, será tomada uma decisão. O atual momento da Naval, aliado a outras possibilidades que Lito Vidigal possa ter, neste momento, para prosseguir a sua carreira, será a justificação para a resistência do técnico em aceitar a proposta figueirense.
Paulo Torres
Apesar de Ulisses Morais surgir como opção com alguma aceitação no clube, a verdade é que Aprígio balança também para a hipótese de apostar num treinador jovem. E neste pormenor as últimas horas revelaram um nome: Paulo Torres, de 39 anos, atual técnico do Torreense, cujo dossiê o presidente da Naval já tem nas mãos.

Fonte: Record

Boas Festas

A equipa d´O Navalista deseja a todos um óptimo Natal, com muita paz, saúde e felicidade.

José Mário pode ser operado

O defesa está parado há algumas semanas devido a um problema no joelho e amanhã será submetido a exames complementares de diagnóstico.

Nesta altura, o departamento médico da Naval está a equacionar recorrer a uma intervenção cirúrgica para debelar esta lesão, decisão que será tomada depois da análise dos resultados dos exames.

Por outro lado, Orestes já faz corrida no relvado, iniciando a última etapa da recuperação de um problema na coxa.

Os treinos de ontem ficaram marcados pelas ausências de Godemeche, Alex Hauw, Gomis, Lupéde e Sallin, todos devidamente autorizados para se deslocarem a França onde irão passar o Natal com as respectivas famílias.

Fonte: A Bola

Magno Silva pode assinar

O médio brasileiro, proveniente do Grémio Prudente, poderá ser o próximo reforço da equipa da Figueira da Foz.

O jogador, de 25 anos, já terá aceite os termos contratuais propostos pela Naval, faltando apenas alguns aspectos burocráticos para que o contrato seja assinado.

No entanto, ao que A BOLA apurou, é provável que Magno Silva viaje para Portugal depois do Natal.

No treino desta manhã, Cadu e Rilla já se treinaram com os restantes companheiros, num claro sinal de que terão passado nos exames médicos a que foram sujeitos. 

Fonte: A Bola

Cadu e Rilla são reforços

Cadu e Rilla são os primeiros reforços da equipa da Figueira da Foz para o novo ano.

Carlos Eduardo, conhecido por Cadu, avançado de 24 anos com 1,85m que actuava no Santo André, da Série B do Brasil, e Rilla, central de 28 anos que acabou de disputar o campeonato rondoniense de 2010 vão reforçar a Naval em Janeiro.

Os dois jogadores chegaram hoje a Portugal, e amanhã vão realizar alguns exames clínicos para despistar eventuais lesões.

Se não houver lesões, ambos serão inscritos na Liga. 

Fonte: A Bola

Seis ausências em treino orientado por Fernando Mira

O treinador orienta neste momento uma sessão de trabalho que não conta com as presenças de José Mário, Orestes e Sallin, Giuliano, Fábio Júnior e Michel Simplício.

Se os três primeiros estão entregues ao departamento médico do clube, os motivos que afastaram os restantes jogadores ainda são uma incógnita, já que, os dirigentes do emblema da Figueira da Foz ainda não explicaram as ausências.

O ambiente vivido no treino é de alguma ansiedade, uma vez que os jogadores querem saber rapidamente quem é o sucessor de Rogério Gonçalves.

Lito Vidigal é a hipótese mais forte neste momento. 

Fonte: A Bola

Lito Vidigal é possibilidade

É dos treinadores preferidos do presidente Aprígio Santos. Rogério Gonçalves esvaziou o cacifo.

Lito Vidigal pode ser o novo treinador da Naval.

O antigo treinador de Estrela da Amadora, Portimonense e UD Leiria é um dos nomes bem colocados junto de Aprígio Santos, presidente dos figueirenses, que até pensou em Vidigal para suceder a Viktor Zvunka.

Na altura escolheu Rogério Gonçalves, o qual esteve ontem no estádio e recolheu os bens pessoais. 

Fonte: A Bola

Rogério Gonçalves despediu-se dos jogadores

Fernando Mira orientou o treino como técnico interino até novas ordens 

Rogério Gonçalves esteve na manhã desta segunda-feira no Estádio José Bento Pessoa para se despedir dos jogadores. Demitido na véspera do cargo que ocupou durante dois meses e meio, o técnico teve uma passagem rápida pelas instalações, antes do início do treino, orientado por Fernando Mira, o treinador adjunto que habitualmente assume o comando da equipa logo após as «chicotadas psicológicas».

Orestes, Daniel Cruz e Marinho trabalharam no ginásio, em gestão de esforço, enquanto os dois jogadores lesionados de momento, Salin e José Mário, estiveram ausentes dos trabalhos, prosseguindo os respectivos planos de recuperação.

Entretanto, segundo as últimas informações recolhidas pelo Maisfutebol no Chipre, o AEL Limassol, que esteve no domingo na Figueira para observar e negociar o lateral Daniel Cruz, desistiu da aquisição do jogador. 


AEL Limassol em Portugal para levar Daniel Cruz

Director técnico do clube cipriota está na Figueira e já avançou com uma proposta 

O lateral-esquerdo da Naval Daniel Cruz é pretendido pelos cipriotas do AEL Limassol , que enviaram este domingo à Figueira da Foz o seu director técnico, Marios Agathocleous. O dirigente observou o jogador e encetou de imediato contactos para obter o concurso do brasileiro, cujo contrato expira no final da época.

De acordo com a imprensa do país mediterrâneo, o clube já terá chegado a acordo com o defesa para um contrato de ano e meio, faltando saber qual a receptividade da Naval, que tem em Camora a única alternativa consistente para o lugar.

A Naval treina esta segunda-feira, pelas 10h00, e vai manter-se em actividade até quarta-feira. O regresso de férias está agendado para dia 27. 


Camora (Naval): «Ainda é possível evitar a descida»

Camora, jogador da Naval, no final da derrota por 3-0, na Figueira da Foz, este domingo, diante da U. Leiria:

«Entrámos bem, com boa posse de bola e oportunidades, mas não conseguimos marcar e depois sofremos um golo, de grande penalidade, que nos abateu. Contra 10, não conseguimos aproveitar e ficou cada vez mais difícil darmos a voltar. Estávamos numa situação complicada, que agora ficou ainda mais. Vamos tentar fazer pontos na segunda volta. A nossa vontade é grande, o grupo está unido, e ainda é possível evitar a descida.»


Rogério Gonçalves demitido após derrota com U. Leiria

 Fernando Mira VOLTA A ASSUMIR EQUIPA

O treinador da Naval, Rogério Gonçalves, foi este domingo demitido, depois da derrota por 3-0 na receção à U. Leiria, da 14.ª jornada da Liga ZON Sagres, apurou a Agência Lusa.
O presidente do clube, Aprígio Santos, avançou à Agência Lusa que demitiu o treinador Rogério Gonçalves, após novo desaire no Estádio José Bento Pessoa e a manutenção no último lugar do principal campeonato nacional.
O antigo técnico navalista ainda esteve na conferência de imprensa, mas mal saiu desta ficou a saber que estava de saída da turma figueirense.
Aprígio Santos adiantou ainda que o tradicional interino Fernando Mira ficará encarregue da equipa da Figueira da Foz a partir de segunda-feira.
Rogério Gonçalves era o segundo treinador da Naval esta temporada, depois de ter substituído o francês Victor Zvunka.

Fonte: Record

Conferência de imprensa de Rogério no pós-jogo.

Rogério Gonçalves (Naval):

«A nós tudo nos acontece. Entrámos bem, criámos oportunidades, e depois, contra a corrente do jogo, sofremos um golo, que, como viram, foi muito consentido, como aliás, o foi também o segundo. A este nível, os erros pagam-se muito caro. Depois do primeiro golo voltámos a estar por cima, mas não conseguimos marcar. A equipa está ansiosa, nervosa, e a precisar de pontos e encontrando-se a perder jogou mais com o coração do que com a cabeça. O nosso percurso é negativo e não tem sido fácil gerir esta situação de estarmos em último. O Leiria é uma equipa tranquila, e depois de se encontrar a ganhar fechou-se bem, baixou o bloco e soube sair sempre a preceito. Notou-se que havia uma equipa tranquila e outra muito intranquila.»

 Fonte: Mais Futebol

Naval-U.Leiria, 0-3 (crónica)

No pódio pelo menos por um dia 

A U. Leiria ascendeu ao terceiro lugar da Liga e fica agora à espera do resultado do Sporting, que fica «obrigado» a ganhar em Setúbal para confirmar a honrosa posição. Mas pelo menos por um dia, os homens do Lis vão ter direito a último lugar do pódio depois da vitória tranquila deste domingo na Figueira da Foz. Foi o segundo triunfo fora de portas esta temporada da equipa de Leiria.

Perante uma Naval que voltou a mostrar bons indícios mas, mais uma vez, claudicou à primeira contrariedade, os leirienses precisaram de uma tremenda eficácia na primeira parte para se colocarem em vantagem, de grande penalidade, por Carlão, mas consolidaram a exibição e o resultado na segunda metade, com o segundo golo, de Zhang. O terceiro, de Diogo Amado, só serviu mesmo para a contabilidade.

Com 10 jogadores - Paulo Vinícius foi expulso por duplo amarelo -, os comandados de Pedro Caixinha foram solidários e consistentes, beneficiando ainda do desânimo dos navalistas. Não há melhoras na Figueira. Pode haver uma revolução em Janeiro mas, ainda assim, a salvação da equipa começa a assumir contornos de quimera.

Boa entrada dos figueirenses «traída» pela grande penalidade

A Naval surpreendeu pela entrada decidida, empurrando a União para a sua área. Numa sucessão de remate e cantos, valeu os reflexos de Gottardi entre os postes a evitar males maiores para os forasteiros. O esquema em 3x4x3, uma inovação com Rogério Gonçalves, permitia controlar o adversário e explorar os flancos no ataque, numa dinâmica agradável e prometedora.

O golo leiriense surge, por conseguinte, contra a corrente, no primeiro remate dos comandados de Pedro Caixinha e na sequência de uma grande penalidade cometida por Giuliano sobre Pateiro muito duvidosa. A falta aconteceu numa zona onde é difícil determinar se já foi na área ou fora dela. Quem não se importou com essas questões foi Carlão, que não perdoou da linha de 11 metros.

Os donos da casa não se deixaram abater e continuaram a procurar a baliza de Gottardi. E mais uma vez o guarda-redes brasileiro revelou-se uma mais-valia entre os postes, negando o golo a Marinho, Edivaldo, João Real e Fábio Júnior. Do outro lado, pouco ou nada se via. Até ao intervalo, a U. Leiria só logrou mais um remate, por José António, num lance sem grande perigo.

Festival NGal, para o bem e para o mal

A expulsão de Paulo Vinícius, este domingo a jogar como central pela primeira vez esta época, deu alguma esperança à Naval mas, paradoxalmente, foi a União que desperdiçou duas oportunidades de ouro consecutivas, sempre por NGal. Dois lances a roçar o caricato, com o camaronês, depois de isolado, a desistir inexplicavelmente da jogada só com Jorge Batista pela frente, e, logo a seguir, a não conseguir passar pelo guarda-redes terminando com um remate por cima!

Mas foi este mesmo jogador que, pouco depois, tanto insistiu que acabou por colocar a bola, com ressaltos pelo meio, nos pés de Zhang para o segundo da tarde. O ânimo, pouco, que restava aos locais ficou por terra e os leirienses, mesmo com 10, souberam fechar-se e controlar os acontecimentos. 


Fonte: Mais Futebol

«Apenas a vitória nos serve» - Rogério Gonçalves

O técnico da Naval é peremptório. Perante a situação da equipa na tabela classificativa, só a vitória interessa na recepção deste domingo ao U. Leiria.

«Temos consciência de que é um jogo muito importante, atendendo à nossa posição na tabela. Sabemos que apenas a vitória nos serve e, mesmo ganhando, os próximos jogos terão de ser encarados da mesma maneira», assumiu o treinador navalista.

«Espero uma boa resposta da minha equipa, mesmo reconhecendo a intranquilidade e ansiedade que a nossa situação provoca, mas continuo a acreditar que temos valor e qualidade para conseguirmos dar a volta a este momento menos bom», prosseguiu Rogério Gonçalves, que não esqueceu o valor do adversário, «bem posicionado na tabela, que respira confiança e que acima de tudo vem jogar sem sentir pressão».

«Não peço o impossível aos meus jogadores», vincou o técnico, revelando a mensagem que passou ao grupo: «Sejam eles próprios, não se inibam e transportem para o jogo a alegria que mostraram no trabalho que desempenharam ao longo da semana.» 
 
Fonte: A Bola

Godemèche, Alex Hauw, Previtali e Bruno de regresso aos convocados

Godemèche, Alex Hauw, Previtali e Bruno Jorge estão de regresso aos convocados da Naval, tendo em vista a recepção deste domingo ao União de Leiria.

Alex e Godemèche entram novamente nas contas de Rogério Gonçalves após cumprirem um jogo de suspensão, enquanto Previtali e Bruno tinham ficado de fora por opção.

O técnico da formação da Figueira da Foz deixou agora Salin, José Mário (ambos por impedimento físico), Rogério Conceição (suspenso por um jogo), Curto, Michel Simplício, Jonathas e Lupède, todos por opção.

Eis a convocatória completa:

Guarda-redes: Jorge Batista e Bruno Jorge;

Defesas: Carlitos, Daniel Cruz, Real, Gómis e Orestes;

Médios: Alex Hauw, Giuliano, Godinho, Godemèche, Hugo Machado, Davide e Marinho;

Avançados: Edivaldo Bolívia, Previtali, João Pedro, Fábio Júnior e Camora. 

 Fonte: A Bola

Fábio Júnior avisa Leiria

O avançado brasileiro Fábio Júnior chegou à Naval em Janeiro, altura em que os figueirenses viviam dias tranquilos, terminando a época na melhor classificação de sempre na Liga, o oitavo lugar. Fábio ganhou protagonismo ao marcar golos a Benfica e Sporting. "A esperança é a última a morrer. Quem trabalha alcança objectivos", responde, questionado sobre o actual último lugar da equipa. "Vou dar tudo de mim", promete, acreditando: "A Naval vai conseguir impor o seu futebol dentro de campo". O avançado apenas festejou um golo, em Braga. "Sofro duras marcações", explica, mas "a equipa tem criado varias situações para marcar". O brasileiro está "confiante" e aposta no 1 no Totobola ante o Leiria.

Fonte: O Jogo

Naval assina protocolo com o Alecrim do Brasil

Parceria pode garantir reforços para o clube da Figueira 

A Naval está em negociações para assinar um protocolo com o Alecrim FC, equipa da cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, que disputa actualmente a Série D do Brasil, além do respectivo campeonato estadual. Os contactos desenvolveram-se nas últimas semanas e, neste momento, tudo se encaminha para a oficialização da colaboração até porque um vice-presidente do clube, Marcelo Henrique, encontra-se em Portugal para colocar o «preto no branco».

O Maisfutebol entrou em contacto com o presidente do Alecrim para conhecer em maior detalhe os moldes da parceira e, em traços gerais, o clube da Figueira poderá receber em breve jogadores do emblema nordestino.

«O presidente da Naval quer ter um apoio aqui no Brasil e, desta forma, nós poderemos enviar jogadores para ai e também receberemos atletas até aos 23 anos. Temos um vice-presidente há dois dias em Portugal, que apresentou dois ou três nomes. Penso que estarão em vias de ficar acertados e, para a semana, é possível que possam viajar», afirmou Orlando Caldas.

Da parte da Naval, não foi possível chegar à fala com o presidente Aprígio Santos, ficando por apurar se os jogadores em causa virão para a Figueira com contrato ou se irão sujeitar-se a um período de observação, sendo que a segunda hipótese surge como a mais plausível. 


Marinho: «Deixem-nos trabalhar»

Figueirenses querem ultrapassar crise
 
Marinho, avançado da Naval, disse esta quinta-feira que a equipa da Figueira da Foz está unida e confiante e vai ultrapassar a crise de resultados.
"Não vamos endereçar culpas a ninguém, temos de ser nós, jogadores, a assumir as nossas próprias culpas pelo momento da equipa. Porém, julgo-me no direito de fazer um apelo: deixem-nos trabalhar", vincou o avançado figueirense.
A Naval já não vence em casa há 280 dias. A última vitória (1-0) data de 12 de março, frente ao adversário do próximo domingo, a União de Leiria, um dado estatístico que a equipa quer inverter.
"Temos consciência de que todos os jogos que teremos de disputar têm de ser encarados como uma final, é nessa perspetiva que vamos abordar o jogo com a União de Leiria esperando obviamente que consigamos conquistar a vitória".
Marinho garante que o grupo "está coeso, unido e não vai atirar a toalha ao chão". "Tudo nos tem acontecido, deixem-nos trabalhar e levantar a cabeça, estamos convictos de que conseguiremos atingir os nossos objetivos", concluiu.
A formação navalista tem todo o plantel disponível, com exceção de Zé Mário, fisicamente impedido de dar o seu contributo à equipa.
Naval e União de Leiria, respetivamente 16.º e 5.º classificados, com 5 e 21 pontos, defrontam-se no domingo na Figueira da Foz, em jogo da 14.ª jornada da Liga ZON Sagres, numa partida dirigida por Paulo Batista, de Portalegre. 

Fonte: Record

 

Davide diz que ninguém desiste

MÉDIO RECUSA ATIRAR A TOALHA AO CHÃO

Davide recusa atirar a toalha ao chão, apesar da ansiedade da equipa pelo último lugar na classificação. O médio, de 27 anos, não desiste: “Estamos vivos e preparados para iniciar uma nova fase. Não vamos desistir de lutar. Mas também espero que não nos empurrem para baixo, o que tem acontecido algumas vezes.”
O jogo com a U. Leiria é tido como fundamental para dar o clique que falta à Naval para iniciar a recuperação. “Precisamos de uma vitória e temos de a conseguir no próximo jogo”, explica.

Fonte: Record

Naval: Gómis recuperado

Gómis foi a principal novidade do treino de ontem (14) da Naval, trabalhando sem condicionalismos. Menos uma dor de cabeça para Rogério Gonçalves, já que a integração do central aumenta o lote de opções para o jogo com a União de Leiria.
A sessão não contou com o lateral Carlitos (autorizado a ausentar-se pelo clube), nem José Mário, ainda a guardar o resultado das avaliações diárias a que está submetido, devido ao traumatismo no joelho.
Ontem, e tal como prometido, os responsáveis navalistas pagaram os ordenados do mês de Outubro, cumprindo assim o determinado pela Liga de Clubes.
Hoje (15), a Naval treina às 10H00 e 15H30, no Centro de Estágios de Quiaios.


Aprígio Santos garante pagamento de salários

Presidente assegura que Naval não é "devedora"

O presidente da Naval garantiu, esta terça-feira, o pagamento do salário do mês de Outubro e de parte do mês de Novembro aos jogadores do clube. Aprígio Santos criticou também o regulamento da Liga assegurando que a Naval 1.º de Maio não é "devedora".
"Os clubes obrigam-se a entregar até ao dia 15 de Dezembro de cada época desportiva os documentos comprovativos do pagamento das remunerações base e compensações mensais emergentes entre 31 de maio e 10 de Novembro. A Naval vai entregar provas de que pagou. Não entrega declarações com acordos para pagar qualquer dia. Nisso não alinho", declarou o líder do clube da Figueira da Foz.
"Estamos a 100 quilómetros da sede da Liga. Os nossos recursos são para trabalhar no clube e não andar a passear na autoestrada. Se a prova de pagamento era até 15 de Dezembro, por que é que o nome da Naval apareceu como devedora antes de expirar o prazo?", questionou Aprígio Santos.

Fonte: Record

NAVAL COM 1 VITÓRIA E 5 PÓDIOS NA 2ª PROVA DE ESCOLAS

NOTA IMPRENSA





NAVAL COM 1 VITÓRIA E 5 PÓDIOS NA 2ª PROVA DE ESCOLAS

Realizou-se na Figueira da Foz, no passado dia 11 de Dezembro a 2ª Regata do Torneio de Escolas da Associação de Remo da Beira Litoral. 

A Naval participou nesta prova com 16 atletas tendo alcançado os seguintes resultados:

Escalão 0 Masc. 3º lugar, Fábio Branco; 
Escalão 1 Fem. 2º lugar, Ana Silva; 
Escalão 1 Masc. 3º lugar, David Jordão 
Escalão 2 Masc. 18º lugar, Fábio Alves, o Daniel Steiner foi desclassificado;
Escalão 3 Fem. 1º lugar, Nancy Cantante; 6º lugar, Patrícia Silva e 7º Soraia Pais. 

Nas provas complementares os resultados foram os seguintes: 

Iniciados Femininos: 4º lugar, Catarina Silva;
Iniciados Masculinos: 6º lugar, Bruno Acurcio e 13º Rodrigo Mota;
Juvenis Femininos: 7º lugar, Mariana Nunes;
Juvenis Masculinos: 2º lugar, Luis Lopes, 6º Francisco Azenha, 8º Francisco Oliveira, 9º Carlos Lourenço e 10º João Morgado. 

Junto enviamos foto da Nancy Cantante, 1ª classificada no escalão 3 feminino.

Com a salvação à maior distância de sempre

A má época do lanterna-vermelha Naval tem sido marcada por vários recordes negativos. A juntar ao pior arranque de sempre e ao mais longo jejum de vitórias totais (11 jogos) e de vitórias caseiras (12 jogos, a contar com os últimos da época passada), na atribulada jornada 13 os navalistas atingiram mais uma marca negativa: é que nunca o clube figueirense esteve tão abaixo da linha de água como está agora. O Setúbal, a primeira equipa imediatamente acima da linha de água, só tem 13 pontos, mas, mesmo assim, mais oito que a Naval; nesta altura, a formação de Rogério Gonçalves tem ainda 17 jogos para reverter a situação, mas se o conseguir, será uma recuperação inédita no clube. Até agora, e em seis épocas na Liga principal, o pior que a Naval tinha feito havia sido em 2005/06, quando, num campeonato com 18 equipas, os figueirenses chegaram a estar a sete pontos da zona segura, faltavam disputar 18 jogos. A recuperação começou com uma vitória caseira ante o Penafiel (4-1) e, no final, os navalistas acabaram com 39 pontos, os mesmos de Académica e Belenenses, sendo que os azuis acabaram por descer por desvantagem no confronto directo, sendo salvos depois, na secretaria, pelo caso Mateus. A recuperação da Naval em 2005/06 foi conduzida a meias por Álvaro Magalhães e Rogério Gonçalves.

Fonte: O Jogo

Resumindo e concluindo, ainda nada está perdido, e é preciso acreditar na reviravolta. :)
C.M.

Naval garante ordenados de Outubro até quarta-feira

Naval 1.º de Maio e Varzim, os únicos clubes que assumem ter problemas salariais, garantem pagar o mês de Outubro até 15 de Dezembro (quarta- feira), conseguindo assim cumprir os novos requisitos exigidos pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).
De acordo com o que a Lusa apurou junto dos 32 clubes que disputam os dois campeonatos profissionais, apenas Naval 1.º de Maio, da Liga principal, e Varzim, da Liga de Honra, não conseguiriam entregar hoje (13) a documentação necessária junto da LPFP.
Os clubes profissionais estão obrigados a apresentar até quarta-feira, 15, na LPFP os documentos comprovativos de que têm os compromissos salariais regularizados até ao final do mês de outubro, sob pena de subtração de pontos, de acordo com o artigo 58.º A do Regulamento Disciplinar.
O Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF) remeteu-se ao silêncio, apesar dos contactos estabelecidos pela Lusa para obter um comentário à situação salarial deste início de temporada.
Fontes da Direção e do plantel da Naval 1.º de Maio afirmaram à Lusa que, na sequência de um acordo estabelecido com a equipa profissional, o clube pagará o mês de outubro até quarta-feira, ficando ainda assim em falta o mês de novembro.
Depois de a Direção ter anunciado a 16 de novembro a possibilidade de a equipa falhar o encontro com o Benfica, devido a dificuldades de tesouraria, também o Beira-Mar tem a situação regularizada até outubro, segundo disse à Lusa fonte do clube da Liga principal.
Os restantes emblemas participantes da Liga e Liga de Honra asseguraram à Lusa que cumprem com os seus profissionais e muitos deles afirmaram que, inclusivamente, já pagaram o mês de novembro e os prémios desde o início da temporada.

Fonte: As Beiras

Em sintonia para voltar às vitórias



Orestes assume «momento difícil» mas assegura que ninguém vai desistir na Figueira da Foz.

Sem vencer em casa há 262 dias, o jogo com o Leiria, no domingo, é dos mais importantes da época para a Naval. Orestes assume «que equipa técnica e jogadores estão em sintonia» para vencer os leirienses.

O capitão diz que a Naval «atravessa um momento difícil», mas promete que «ninguém vai atirar a toalha ao chão.» 

Fonte: A Bola

Rogério prepara alterações

Treinador começa hoje afinar estratégia para o Leiria. Godemèche e Alex regressam

Rogério Gonçalves aproveitou o jogo de treino com o Feirense para experimentar mudanças na equipa. A disponibilidade de Godemèche e Alex provavelmente vai obrigar o treinador a recuar Orestes para central, abrindo a titularidade à dupla de médios gaulesa.

Giuliano pode ser outra novidade no sector intermédio. Gómis regressa em breve, enquanto José Mário ainda se movimenta com o auxílio de canadianas. 

Fonte: A Bola

Saída de Lucas está confirmada

Tudo indica que haverá reajustes no plantel de Rogério Gonçalves na reabertura do mercado, em Janeiro.

A partir de 31 de Dezembro, Lucas deixará de fazer parte dos quadros da Naval, motivo pelo qual se prevêem reajustes no plantel.

Os responsáveis navalistas não querem atirar a toalha ao chão e irão mostrar que confiam na equipa e numa segunda volta que possa levar à manutenção. 

Fonte: A Bola

Figueirenses vencem Feirense (3-2) em jogo particular

A Naval venceu esta manhã o Feirense, por 3-2, num jogo particular realizado na Figueira da Foz.

Rogério Gonçalves, treinador da Naval, apresentou na primeira parte um onze mais próximo do habitual e, aos 35 minutos, Bolívia colocou os figueirenses em vantagem.

Na segunda parte, já com vários jogadores que saltaram do banco, Hugo Machado fez o 2-0 aos 46 minutos e, aos 72, Davide aumentou o marcador.

Nos instantes finais, Fonseca e Henrique reduziram o marcador para 3-2.

Gómis, que trabalhou junto do fisioterapeuta, e José Mário, que esteve no estádio mas nem se equipou, recorrendo mesmo ao auxílio de canadianas, foram os únicos jogadores que não participaram no jogo.

Fonte: A Bola

José Mário ausente

O defesa José Mário falhou o treino matinal depois de ter-se lesionado na sessão de trabalho de ontem.

Esta manhã o jogador submeteu-se a exames complementares para o departamento médico possa avaliar a extensão da sua lesão.

Por sua vez, o francês Gómis trabalhou à margem do restante grupo, acompanhado pelo fisioterapeuta.

Amanhã, às 10:30 horas, a Naval recebe a visita do Feirense para a realização de um jogo particular.

Fonte: A Bola

É tempo de virar a página na Naval

Jorge Baptista fez a sua estreia como titular da Naval na presente temporada no jogo com o Nacional. Depois de tantos anos de futebol, o guardião garante que nunca viveu situação idêntica à passada no território madeirense.
“Nunca tinha feito um jogo que se prolongasse por três dias”, adianta ao DIÁRIO AS BEIRAS. O jogador ficou feliz por ser opção, mas, por tudo o que aconteceu “ficou-se um amargo de boca”, depois da derrota da Naval.
No próximo fim-de-semana, o campeonato sofre nova interrupção, algo que o guardião navalista não vê com bons olhos. “Bom seria jogar, pois, quando se vem de um resultado negativo, queremos é competir logo a seguir”. No entanto, e tal não sendo possível, há que preparar bem o desafio com a U. Leiria, que pode marcar a inversão deste ciclo negativo.
Antes de terminar, Jorge Baptista abordou as arbitragens e fala de alguns (graves) erros que têm sido cometidos contra a Naval e que têm prejudicado a equipa.
Mas o guarda-redes diz que é altura de virar a página e garante que a equipa vai “preparar com todo o cuidado a partida com a U. Leiria”. Para Jorge Baptista, “só podemos pensar numa coisa que é ganhar e não é por ser o Leiria, pois seria assim com outro adversário qualquer”.


Rogério Gonçalves lança alerta

Treinador reuniu o grupo no centro do relvado e foi perceptível o "puxão de orelhas".

O início do treino de ontem da Naval ficou marcado por uma reprimenda de Rogério Gonçalves ao grupo, tal a forma como gesticulou o técnico navalista, demonstrando o seu desagrado pelos últimos resultados.

Um treino que ficou ainda marcado pela lesão de José Mário, que abandonou o relvado mais cedo e hoje é sujeito a exames complementares.

Na memória está ainda o jogo com o Nacional, que durou três dias. «Foi uma experiência nova, nunca me tinha acontecido.

Agora segue-se o Leiria e só podemos ter no pensamento a vitória», considerou Jorge Baptista, que se estreou a titular na Madeira.

Fonte: A Bola

Teste no sábado com o Feirense

Devido ao afastamento da Taça de Portugal, a Naval realiza esta sábado um jogo particular com o Feirense. Um teste visando já a preparação para o encontro da próxima ronda, com o União de Leiria.

O plantel retoma os trabalhos esta tarde, apenas com uma dúvida no plantel. O defesa-central Gomis recupera de uma lesão muscular e continua a trabalhar de forma limitada.

Sem margem para o erro, a Naval, após a vitória do Marítimo em Coimbra, afundou-se ainda mais no último lugar da Liga. 

Fonte: A Bola

Nuno Cardoso: «Jogo começou após o Sp. Braga-Nacional»

Director-desportivo deixa críticas ao árbitro

No final do Nacional-Naval (2-1) de ontem, o diretor-desportivo do clube figueirense, Nuno Cardoso, deslocou-se à sala de imprensa para demonstrar o seu descontentamento com o desempenho do árbitro Hugo Pacheco.
“Este jogo começou a ser disputado logo após o Sp. Braga-Nacional da semana passada. Entendemos que a Naval não pode servir para compensar quem quer que seja e é um clube que não pode servir de cobaia para dar experiência ou maturidade aos outros intervenientes do jogo”, sublinhou o dirigente, que contesta o penálti que deu o empate (1-1) aos madeirenses. Nuno Cardoso acrescentou: “O que se passou aqui é incompreensível e injustificável. Estamos no fundo mas com a cabeça erguida. Não queremos é que nos ponham o pé na cabeça e foi isso que aconteceu aqui.” 

Fonte: Record

Rogério Gonçalves: «A Liga tem de pensar sobre isto»

Rogério Gonçalves, treinador da Naval, analisa a derrota frente ao Nacional (2-1), em jogo da 13ª jornada da Liga que se arrastou de domingo até terça-feira, por causa do nevoeiro:

«Estamos a falar de três ou quatro dias para um jogo não é? A Liga tem de reflectir muito bem sobre estas situações, porque uma equipa que sai no sábado e só na terça-feira é que termina o jogo, com as limitações que tivemos, não é correcto. Gostei da primeira parte de segunda-feira, pois a equipa esteve bem. No segundo período, após 55 minutos de espera, só tínhamos dois jogos de equipamentos, pois estamos na Madeira e não tínhamos mais roupa seca. Os jogadores estavam gelados. Mas a equipa portou-se bem e teve uma boa resposta, fez mais uns bons 10 minutos. Depois, do meio do nevoeiro saiu um penalty e em acto contínuo o jogo foi interrompido porque não se via. Se calhar 30 segundos antes via-se e depois deixou-se de ver. Hoje, o campo estava muito pesado. Fomos infelizes, pois previa-se que se alguém conseguisse marcar, face às condições do relvado, poderia vencer, pois a bola não circulava e não se podia jogar. Se calhar assistimos apenas a cinco minutos de jogo».

[sobre os três dias de duração do jogo] «Imaginem o que é isto e se volta a acontecer mais vezes. Em paragens prolongadas, o Nacional tinha sempre roupa seca para vestir e nós não».

[Está revoltado contra o árbitro?] «Vocês se calhar não viram. Mas quem estava junto ao relvado vê claramente que não é grande penalidade. Não estou a falar de uma possível penalidade a nosso favor. Por norma não falo dos árbitros e nunca fui penalizado. Mas situações destas tenho de me revoltar, foi por demais evidente que não foi falta».

[A Liga tem de tomar medidas nestas situações?] «A Liga tem de pensar sobre isto. O regulamento tem de ser alterado. Imaginem com o Inverno haver mais equipas a passar pelo que nós passámos aqui. Felizmente que não temos jogo no próximo fim-de-semana. Se pudermos embarcar daqui a pouco, só chegamos lá para duas ou três horas da manhã a casa. E estamos a falar já numa quarta-feira».

Nacional-Naval, 2-1 (destaques)

Camora ainda alimentou o sonho
Na primeira parte deste «filme» chamado Nacional-Naval, Camora ainda alimentou o sonho dos figueirenses. Não perdoou uma boa assistência de Michel e abriu o marcador. Nesses primeiros 45 minutos jogados, foi sempre um jogador em destaque, criando alguns problemas à defesa nacionalista.

 
Jorge Batista no melhor e no pior
Se o Nacional não marcou mais golos, em parte deve-se à boa exibição de Jorge Batista, que fez algumas boas defesas. Mas o guarda-redes da Naval fica directamente ligado ao jogo pela negativa também: o penalty assinalado por Hugo Pacheco é uma falta sua sobre Orlando Sá, embora ele negue que tal tenha acontecido; depois no aliviar de um mau atraso, chutou contra Nuno Pinto, oferecendo o 2-1. Infeliz.




Nacional-Naval, 2-1 (crónica)

Nacional vence o jogo mais longo da Liga

O Nacional faz anos amanhã: 100! E vai festejar com mais um triunfo na Liga que começou no domingo, passou pela segunda-feira à tarde e acabou nesta terça-feira. Uma história que vai ficar e durar de certeza muitos anos. Os madeirenses foram mais felizes e até poderiam ter vencido por mais golos. A Naval até começou a ganhar e sai do campo com mais uma derrota, e quase de cabeça perdida.

Parte I: Já era de esperar que a partida não terminasse

Com cerca de 15 minutos de atraso, Nacional e Naval entraram em campo, num relvado muito escorregadio, em más condições. Os madeirenses queriam chegar ao golo rapidamente, pois sabiam que à medida que o tempo decorria, as condições para jogar seriam por certo piores. E assumiram o jogo, mas num puro lance de contra-ataque, os figueirenses chegaram ao golo. Michel surgiu sozinho no lado direito do seu ataque cruzando bem para Camora no lado oposto e sem marcação empurrar para a baliza de Bracalli.

Os pupilos de Jokanovic tentaram reagir de pronto. E os visitantes fecharam cada vez mais e raramente saíam do seu meio campo, defendendo muitas vezes com 11 homens atrás da linha da bola. Ao minuto 25, Orlando Sá esteve perto de empatar após um bom passe de Luís Alberto, mas Jorge Batista, corajoso, parou um remate muito forte do avançado alvinegro. Já perto do intervalo (40m), Claudemir na cobrança de um livre directo voltou a por à prova o guarda-redes da turma da Figueira, que voou e desviou para canto. Atingiu-se então o intervalo já com um nevoeiro cerrado e com os locais a não conseguirem ultrapassar a bem fechada Naval.

Parte II: Uma longa espera inglória

Foi preciso esperar 73 minutos para o recomeço da partida, pois Hugo Pacheco entendeu que não havia condições para jogar, face ao nevoeiro cerrado que caiu sobre o relvado. E numa aberta, a partida recomeçou e o Nacional tirou vantagem. É que de novo sob algum nevoeiro, o juiz da partida assinalou uma grande penalidade contra os figueirenses quando estavam decorridos quatro minutos da segunda parte. Foi impossível ver ao certo o que se passou, mas supostamente terá acontecido uma falta sobre Orlando Sá. Claudemir, chamado a converter, não perdoou, e empatou aos 54 minutos.

Sobre muitos protestos de Rogério Gonçalves e dos seus jogadores, a partida foi interrompida, valendo-lhe já o título da mais longa da época. Tudo começou às 15 horas!

Parte III: Nuno Pinto conta com colaboração de Jorge Batista

E à terceira foi de vez. Este jogo mais longo da Liga finalmente chegou ao fim. Os madeirenses começaram da melhor forma, tal como ontem após o intervalo. Logo aos 57 minutos, dois minutos do dia de hoje, Nuno Pinto conseguiu aproveitar com sorte uma oferta de Jorge Batista que ao tentar aliviar a bola chutou-a contra as costas do lateral nacionalista e esta entrou para dentro da baliza da Naval. Estava desfeita a igualdade.

Seria de novo a turma da Choupana a estar perto do golo, quando aos 70 minutos, Orlando Sá isolado rematou fraco para defesa fácil de Jorge Batista. A Naval subiu no relvado e isso deixou os locais com mais espaço para contra atacar. Aos 79m, Skonik num bom trabalho remata para defesa de Jorge Batista. No minuto seguinte, mais uma perdida de Orlando Sá que sozinho chutou ao lado.

E o nevoeiro voltou a fazer das suas, com o árbitro a interromper a partida aos 84 minutos. Cinco minutos depois, nova aberta e aqui segue o jogo, mas apenas para mais três minutos. O banco da Naval foi protestando várias vezes com o árbitro e o jogo pouco ou nada teve mais de futebol. Foi meia bola e força, com os pupilos de Jokanovic a defenderem a vantagem como podiam e os homens da Figueira da Foz desesperados a tentar colocar a bola na área nacionalista. Aqui fica a crónica do jogo mais longo da Liga. E deve ser bem pensado o que se passou aqui. Cumprir as regras só, não chega, numa situação destas.


Nacional-Naval retomado às 16 horas de hoje


O Nacional-Naval, interrompido esta segunda-feira aos 54 minutos devido ao forte nevoeiro, será retomado hoje pelas 16 horas, acordaram os dois clubes.

As equipas entrarão assim em campo pela terceira vez, uma vez que o jogo estava inicialmente marcado para domingo e foi adiado para esta segunda-feira, pelas 15 horas.

Resultado até agora aos 54minutos de jogo: 1-1

Tentaremos acompanhar as incidências do jogo na nossa página do Facebook aqui

Nacional-Naval adiado para amanhã (15 horas)

A partida entre Nacional e Naval foi adiada para amanhã, segunda-feira, às 15 horas. O nevoeiro impossibiltou a realização da partida.

O jogo estava agendado para as 16 horas, mas o nevoeiro cobriu por completo o relvado do Estádio da Madeira. As duas equipas ainda esperaram trinta minutos, mas o nevoeiro nunca se dissipou na totalidade.

Assim sendo, após conversas entre Nacional, Naval e o trio de arbitragem, acordou-se a nova data. 

Fonte: A Bola