Ulisses melhora mas continua internado


Ulisses Morais continua internado, em repouso absoluto, no Hospital Distrital da Figueira da Foz mas o seu estado melhorou consideravelmente, prevendo-se que retome a sua actividade dentro de uma semana.

Apresenta-se como muito provável que já oriente a equipa no jogo com o Benfica, no Bento Pessoa, para a 21.ª jornada da Liga.

Mister Ulisses rápidas melhoras e que volte para fazer o seu exelente trabalho. Abraço "onavalista".

Taça Zona Centro arranca em Março


O vice-presidente da Associação de Futebol de Coimbra, Vítor Lopes, anunciou hoje que vai arrancar a 18 de Março a Taça Amizade do Centro, com as equipas da Naval 1º de Maio, Académica, União de Leiria e Beira-Mar.

“São quatro equipas em torneio quadrangular, a duas voltas, que visa dar uma rodagem maior a certos atletas que estão com menos competição e para observar novos”, disse á Agência Lusa o dirigente.

Vítor Lopes adiantou ainda que a ideia foi lançada pelo presidente da AFC, Horácio Antunes, há dois ou três meses, numa reunião de direcção, e que todos os quatro clubes aderentes reagiram bem à proposta.

O dirigente informou ainda que os jogos serão realizados às quartas-feiras, entre as 15:00 e as 17:00, salvo algumas alterações de última hora.

Questionado se a prova é uma espécie de Liga Intercalar do Centro, o dirigente associativo negou, embora venha colmatar uma lacuna na região, acrescentando que vai haver uma taça em disputa entre Março e Maio e que nos próximos anos será outra associação de futebol a organizar o evento.
A Naval 1 º de Maio está integrada neste quarteto e pode assim testar alguns jogadores que não são titulares.

As melhoras "mister" Ulisses Morais



Fonte: A Bola

Nota: Em meu nome pessoal e do blogue "O Navalista", endereço daqui um votos de rápidas melhoras ao nosso "mister".

Afinar pontaria



Fonte: A Bola

Diego Ângelo cobiçado no estrangeiro

BRASILEIRO TEM CONTRATO ATÉ 2010

O central brasileiro Diego Ângelo já é uma referência no onze navalista, sendo há muito cobiçado por clubes estrangeiros que têm seguido atentamente a sua carreira.

Diego, que tem contrato com o clube até 2010, pode estar a um passo de abandonar o emblema figueirense, tudo devendo resolver-se nas próximas horas, se bem que Aprígio Santos, contactado por Record, lute com sérias dúvidas, dada a posição da equipa que ainda não garantiu a manutenção.

Caso o jogador abandone, este tem dois sérios candidatos à sucesso: João Real e Fabrício Lopes.

Ulisses tem todo o plantel à disposição

Ulisses Morais inicia amanhã, a partir das 10 horas, no Bento Pessoa, a preparação para a viagem até ao Restelo, aonde os figueirenses vão defrontar o “lanterna vermelha”, o Belenenses de Jaime Pacheco.

Na primeira volta registou-se um empate a um golo, com Baradji a inaugurar o marcador aos 71 minutos e Porta, quando decorria o quarto minuto de compensação, a lançar um balde de água fria no Estádio.

A equipa da Figueira da Foz não se tem dado bem com a deslocação aos campos dos últimos classificados mas, desta feita, as responsabilidades acumulam-se, na medida em que se aproxima perigosamente da zona de despromoção, de que dista apenas quatro pontos.

O técnico navalista tem, com excepção de José Mário e Kovacevic, todo o plantel à disposição, podendo regressar ao lote dos convocados Bruno Lazaroni, que cumpriu um jogo de castigo.

Fonte: Record online

Futuro de Diego decide-se hoje


CLUBE ANALISA PROPOSTA

A Naval decide hoje o futuro de Diego Ângelo. O clube tem em mãos uma proposta para a saída do jogador para o futebol brasileiro, mas ainda não há acordo total.

Em declarações a Record, o presidente Aprígio Santos diz que o assunto 'não pode passar' de hoje, até porque o arrastar das negociações pode ser prejudicial para o jovem atleta, o segundo mais utilizado do plantel figueirense na Liga.

A poucos dias do fecho das inscrições no Brasil, a Naval quer dar por encerrado o dossiê, não fechando as portas a um encaixe financeiro, mas também não descura a importância do jogador na equipa de Ulisses Morais, ainda para mais na fase decisiva da temporada.

Ulisses e o castigo duro...

«Foi muito castigador e injusto, mas a vida tem disto. Castigador pela forma e altura como aconteceu o resultado. Reconheço que o Sp. Baga é uma equipa fortíssima.

Fizemos um reconhecimento nos primeiros cinco minutos, conseguimos anular o Sp. Braga e começámos a criar contra-ataque rápido, assim surgiu a ocasião do Simplício e depois a penalidade.
Se tivéssemos marcado poderia ser diferente, o jogo tinha tendência a mudar e talvez pudéssemos aumentar o resultado na primeira parte.
Tivemos as melhores oportunidades nesse período.

Começámos a segunda parte com um golo ingrato, empatámos e viemos a perder o jogo deste modo.
Há que evidenciar o comportamento dos jogadores. Estivemos perto de conseguir outro resultado. 

[acerca dos três penalties falhados nos últimos jogos] É doloroso para os jogadores e para nós, que vivemos em função daquele momento do futebolista.
É uma situação que trabalhamos, temos registo dos jogadores que o fazem de melhor forma.
Por isso vamos variando, para retirar essa carga psicológica. Faz parte do jogo e temos de dar-lhes coragem.» 

[comentando a eventual saída de Diego:] O tratamento ao Diego tem sido o mesmo.
Temos trabalhado com ele e, até sair, não há outra forma de o fazer. Jogou e se algum negócio acontecer reformularemos a estratégia.»

Naval-Sp. Braga, 1-2 (crónica) - Ainda não foi desta


Ulisses Morais podia entrar na história da equipa da Figueira da Foz como o primeiro treinador a vencer os bracarenses (no historial, apenas uma eliminatória ganha na Taça de Portugal, mas nas grandes penalidades). Estruturou a equipa no habitual 4x3x3, com Simplício na frente. Mas era Marinho quem mais aparecia a desgastar a defesa contrária, bem ajudado pelo construtor Alex Hauw. 

A Naval teve ocasião clara de golo logo aos nove minutos, mas o grande Eduardo salvou o Sp. Braga pela primeira vez na tarde/noite deste domingo. Seguir-se-ia uma outra, bem mais espectacular. 

Pela quarta vez esta temporada, A NAVAL desperdiça grandes penalidades. Pela terceira ocasião na Lia, Eduardo defendeu um penalty. A mão de Frechaut podia ter punido, e de que maneira, a equipa de Jorge Kesus, mas o guardião está em grande forma e defendeu o remate de Bolívia. 

A partida estava bem equilibrada e, mesmo a terminar o primeiro tempo, foi a vez de Peiser segurar o nulo, numa saída arrojada aos pés de Rentería, que se preparava para festejar. 

No final dos primeiros 45 minutos, o empate aceitava-se. Ninguém tinha sido superior e apens Eduardo e Peiser jogavam num patamar acima, com intervenções decisivas. 

32 segundos e golo 

O Sp. Braga não podia ter desejado melhor recomeço de partida. João Pereira fez uma assistência com as mãos (!!!), num lançamento lateral. Rentería apareceu na área e e, com 32 segundos na segunda parte, colocou os visitantes em vantagem. 

Ulisses Morais fez alterações logo a seguir. Para ir em busca do empate, lançou Marcelinho e Dudu; tirou Carlitos e Davide. A reacção figueirense fez-se, contudo, de longe. Ou seja, sem conseguir furar na muralha adversária, tentou o pontapé de fora da área. Mas Eduardo negou sempre as tentativas. 

Aliás, o Sp. Braga até teve melhores ocasiões, sobretudo uma desperdiçada por Luís Aguiar, aos 74 minutos. Nessa altura, já os visitantes estavam serenos, jogavam com maior à vontade e o uruguaio podia ter acabado com o jogo. Falhou e os bracarenses viriam a pagar caro. Marinho apareceu ao segundo poste para emendar um cruzamento de Dudu e fez o empate. 

João Pereira terá responsabilidade nesse golo, mas foi ele próprio que garantiu o triunfo, com um golo em cima dos 90. Ulisses Morais poderá dizer que merecia o empate, mas a verdade é que nos momentos em que o Sp. Braga dominou, fê-lo melhor do que quando a Naval esteve por cima. 

Assim, ainda não é desta que a Naval consegue bater o Sp. Braga que acreditou até ao fim para colar-se ao Nacional no quinto lugar.

19ª Jornada - Naval Vs Braga (Será desta??)


Jogo a contar para a 19º Jornada para a liga Sagres, Amanha ás 18H, estádio José Bento Pessoa, onde a nossa Naval necessita urgentemente segurança de pontos para o objectivo da liga este ano. A Naval parte em desvantagem na tabela classificativa em 10º lugar e o S. Braga pressionado com a presença da taça UEFA em 7º lugar. As duas equipes certamente irão procurar ganhar, mas a Naval conta com o factor casa.

Todos nós gostaríamos de um bom futebol e que a Naval realmente mostre a qualidade e superioridade futebolística que tem para poder ganhar tranquilamente este jogo.

Jogo muito decisivo para a Naval, para não andar a fazer contas inesperadas de ultima hora na liga. Esperamos uma grande vitória para a nossa Naval e que faça o que realmente é como clube, ser a melhor. Assim a equipe do "onavalista" dá uma grande força à Nossa Naval e também ao grande amigo comentador da Rádio Foz do Mondego, o Sr. Custódio Cruz, o homem das verdades, e abre olhos do nosso futebol, a ele um bem haja.

PS: Já agora, Sr. Custódio gostaria de saber se é possivel publicitar na rádio, este grande blog que dedica tempo voluntáriamente para a Naval. Obrigado...

Também queremos dizer que para amanha o Colectivo Maravilhas vai estar como sempre está no José Bento a apoiar a Nossa Naval. Ficam os dados do Colectivo para quem quiser acompanhar.

LIGA SAGRES

19ª Jornada

22/FEV/2009
18H00
NAVAL - Braga
Vem apoiar a NAVAL

INFOLINE96 292 59 88

As imagens do clube não estão perfeitas devido a um problema técnico do pc, que tinha todos os dados do blog e software para alteração de imagens, na falta de melhor foi o que se consegui, compreensão a todos vós, Obrigado.

Alex e Godeméche de regresso


Alex Hauw e Godeméche são as principais novidades da convocatória da Naval para a recepção ao Sporting de Braga, da 19.ª jornada da Liga.

Face à última convocatória do treinador Ulisses Morais, para o jogo com o Trofense (2-2), saíram Lazaroni, sancionado com um jogo de suspensão, Tiago Freitas e Igor.

De fora continuam Kovacevic e Zé Mário, por impedimento físico, além de Tiago Rannown, Bruno e Gilmar por opção técnica.

'Vamos defrontar uma equipa de grande qualidade, que nos obriga a muita concentração e motivação para um futebol de nível elevado, de forma a não nos deixarmos surpreender' assegurou Ulisses Morais.

O técnico desvalorizou o facto de o adversário ter jogado a meio da semana, para a Taça UEFA, e espera um 'jogo extremamente difícil, perante uma equipa que tem vindo a demonstrar neste campeonato e nas competições europeias enorme valia'.

'O Braga vai estar mais forte do que nunca. O manancial de soluções disponíveis não permite que a eventual mudança de um ou outro jogador possa afectar o conjunto', advertiu.

Lista de convocados: Guarda-redes: Peiser e Jorge Batista.
Defesas: Paulão, Fabrício Lopes, Daniel Cruz, Carlitos, Diego e Real.

Médios: Alex Hauw, Godeméche, Dudu, Camora e Baradji.
Avançados: Michel Simplício, Bolívia, Marcelinho, Márinho e Davide.

Fonte: Jornal Record Online

Saída de Diego pode estar por dias (Fala Aprígio)

Fonte: Jornal ABola Online

João Real avança

CANDIDATO À SUCESSÃO DE DIEGO ÂNGELO

A saída de Diego Ângelo da Naval pode estar por horas e isso ficou bem evidente no treino de ontem, em Quiaios, com o técnico Ulisses Morais a deixar o brasileiro de fora dos habituais titulares. A novidade foi a chamada de João Real para jogar ao lado do capitão Paulão, em detrimento de Fabrício Lopes.

Outro sinal de que o ex-central do Sp. Covilhã parte na frente da corrida pela sucessão de Diego Ângelo no centro da defesa foi o facto de João Real se ter estreado na Liga diante do Trofense, entrando aos 84’.

Além da defesa, Ulisses Morais vai ser forçado a mexer no meio-campo para o jogo com o Sp. Braga. Perante o castigo de Bruno Lazaroni, o técnico figueirense deve promover o regresso de Godemèche à condição de trinco, enquanto Baradji voltará ao banco para permitir a inclusão de Alex Hauw, que cumpriu castigo na Trofa.

No ataque, tudo indica que Michel Simplício se manterá como referência no eixo.

Marcelinho volta ao onze

Para o embate de domingo, o técnico Ulisses Morais deve voltar a apostar no avançado Marcelinho (na foto), afastado da titularidade nas duas últimas jornadas.

O atacante brasileiro tem agora a companhia de Marinho na lista de melhores marcadores do clube na Liga Sagres, ambos com três golos.

Bolívia, que já apontou dois golos no campeonato, iniciou a semana condicionado.

Certa é a ausência do brasileiro Bruno Lazaroni, o que vai obrigar o treinador da equipa da Figueira da Foz a alterações no meio-campo.

Boa nova é o regresso de Alex Huaw depois de cumprido o jogo de castigo.

Fonte: O Jogo Online

Bolívia é dúvida para o SP. Braga

AVANÇADO TEM TREINADO CONDICIONADO

O avançado Bolívia treina-se condicionado e a sua utilização na receção ao Sp. Braga, domingo, às 18 horas, para a 19.ª jornada da Liga Sagres, vai depender da evolução até final da semana.

Com Bruno Lazaroni suspenso por um jogo, Ulisses Morais deve chamar ao onze um dos médios franceses, Domenèche ou Alex Hauw, que cumpriu castigo na última ronda.

Hoje, o plantel navalista treina-se em Quiaios, às 10 horas.

Marcelinho marcou quatro na goleada (5-1) ao Tocha


A Naval venceu na tarde desta terça-feira o Tocha, da III Divisão, Série C, por 5-1, em encontro que permitiu a Ulisses Morais ver em acção alguns dos jogadores menos utilizados do plantel e outros que acabam de recuperar de lesões (Lazaroni, Marcelinho e Godemèche) ou vêm de castigo (Hauw).

Marcelinho, melhor marcador dos figueirenses, não deixou créditos por mãos alheias e apontou quatro dos cinco golos (o outro foi apontado por Carlitos), mas ao intervalo o equilíbrio era a nota dominante, já que o resultado estava em 1-1, tendo Baldé marcado para o Tocha.

A Naval alinhou com Jorge Batista; Tiago Rannow, Fabrício Lopes, Real e Igor; Lazaroni, Hauw e Tiago Freitas; Dudu, Marcelinho e Camora. Na segunda parte, entraram Godemèche, Carlitos, Bruno, Davide e os junuores César, André Sousa, Paulo Bio e Madeira.

A equipa regressa aos treinos, para preparar a recepção ao Sp. Braga, hoje quarta-feira, pela 10h00, na Figueira da Foz.

Fonte: Mais Futebol

Saída de Diego Ângelo quase consumada

JOGADOR BRASILEIRO TEM HOJE REUNIÃO DECISIVA


A saída de Diego Ângelo para o futebol brasileiro está quase consumada e pode ficar definida no decorrer do dia de hoje, já que está prevista uma reunião entre o jogador e o presidente da Naval.

No encontro, Aprígio Santos vai dar a conhecer ao central a proposta que chegou à Figueira da Foz por parte de um emblema do Brasileirão, havendo todas as condições para que a transferência se consume, na pior das hipóteses, até ao final da semana.

Tal comoRecord noticiou, em cima da mesa está uma oferta de um clube brasileiro de nomeada, mas faltam, ainda, limar certas arestas, nomeadamente o modo de pagamento.

A Naval deverá ceder a maior parte do passe de Diego Ângelo, mas ainda ficará detentora de direitos desportivos sobre um atleta de 23 anos que tem uma larga margem de progressão e que ainda poderá regressar à Europa.

Lazaroni de fora

O médio Bruno Lazaroni, que regressou à competição após longa paragem no empate com oTrofense, completou uma série de cinco cartões amarelos e vai falhar o importante jogo de domingo, em casa, com o Sp. Braga.

Entretanto, após a folga de ontem, o plantel figueirense regressa hoje aos trabalhos com uma sessão matinal no José Bento Pessoa.

Às 19 horas, a Naval realiza um jogo-treino com oTocha, num desafio que servirá para assinalar o 2.º aniversário da inauguração do complexo desportivo local.

Trofense 2-2 Naval - Crónica


Confronto de aflitos no Estádio do Trofense, com três pontos em disputa que ganham outra dimensão à medida que as jornadas passam e o tempo para garantir a manutenção encurta. Foi o empate, no entanto, que prevaleceu no final.

O Trofense partia mais «apertado» à entrada para esta 18ª jornada, com apenas 13 pontos, mesmo acima da linha-de-água. Os adeptos exigiam uma vitória contra um rival directo, depois dos bons resultados contra os três grandes e o surpreendente Leixões, e da desilusão frente ao também aflito P. Ferreira.

No 10º lugar, a Naval entrava em campo mais segura, mas com o peso de três derrotas consecutivas, a última delas bem pesada, em casa, contra o Nacional, por 0-4.

Tulipa foi obrigado a mudar devido à ausência de Delfim, castigado, um jogador fulcral no meio-campo dos homens da Trofa. Do outro lado, Ulisses Morais podia queixar-se da falta de Hauw, suspenso, e de Godemeche, lesionado, mas podia sorrir com o regresso tão esperado de Lazaroni, assim como de Daniel Cruz e Marcelinho.

O «velhinho» Rui Borges foi determinante

Surpreendeu mais o treinador do Trofense, colocando Charles Chad de início, fazendo um triângulo temível com Reguila e Hélder Barbosa.
No entanto, o extremo do F. C. Porto não está, claramente, nas melhores condições físicas e, depois de algumas tentativas infrutíferas, acabou mesmo por ser substituído.

Mas já lá vamos, porque antes já a Naval estava em vantagem.

Aos 22 minutos, na marcação de um livre indirecto frontal, mas a muitos metros da baliza do Trofense, Daniel Cruz deixou para Diego Ângelo e o central rematou muito forte para o fundo das redes.

Paulo Lopes ficou pregado ao chão, tentando desviar a bola com o olhar, mas não havia nada a fazer. O central da Naval, que deverá estar de saída para o estrangeiro, tinha a melhor despedida possível.
Ao ver que a sua equipa não conseguia travar o ímpeto do ataque navalista, Tulipa mexeu e fez entrar Rui Borges, uma substituição que viria a ser determinante no desenrolar da partida. Antes, porém, Marinho fazia o segundo da Naval, depois de uma jogada de ataque perfeita dos três homens da frente.

A Naval parecia ter o jogo completamente controlado, mas eis que surge Valdomiro, o central goleador, a fazer o quarto da sua conta pessoal esta época, reduzindo e dando o mote para uns últimos minutos da primeira parte alucinantes. Ainda estamos para perceber como é que, aos 41 minutos, a bola não entrou na baliza de Peiser, depois do mesmo Valdomiro ter rematado duas vezes ao poste.

Eficácia a menos no Trofense, ambição a menos na Naval .

Dos balneários regressou um Trofense ainda mais determinado, com Hugo Leal a assumir a batuta. Aos 58 minutos, um grande passe do médio renascido na Trofa desmarcou Rui Borges, que, com um remate cruzado sem hipóteses, fez a igualdade e deixou os adeptos trofenses em êxtase.

Os treinadores mexeram muito à medida que os minutos passavam, mas o empate parecia predestinado a duas equipas que falharam em ambição, no caso da Naval, e em eficácia, no caso do Trofense.

No final, soube a pouco a divisão de pontos, tanto de um lado como do outro. À Naval, porque esteve a vencer por dois golos, mas não foi capaz de segurar uma vantagem que parecia confortável. E ao Trofense, porque, com uma reacção tão positiva, até merecia mais.

Diego Ângelo pode despedir-se hoje

CENTRAL DEVE SAIR PARA O BRASIL


O defesa-central Diego Ângelo pode fazer hoje, na Trofa, o último jogo com a camisola da Naval. O clube figueirense estuda uma proposta de um grande emblema brasileiro e amanhã o negócio poderá ficar definido.

Frente ao Trofense, o objetivo dos jogadores orientados por Ulisses Morais é somar pontos para guardar uma distância segura para os lugares de despromoção.

O treinador não espera facilidades: "A necessidade da conquista de pontos aumenta significativamente as dificuldades aos dois conjuntos."

Michel Simplício hipótese no onze

NA FIGUEIRA PREPARA-SE O TROFENSE


Depois da copiosa derrota caseira com o Nacional, o treinador Ulisses Morais prepara diversas alterações no onze da Naval para o importante jogo com o Trofense.

Um dos candidatos a entrar na equipa titular é o brasileiro Michel Simplício, que ontem foi testado na frente do ataque no jogo-treino com os juniores, tendo apontado 3 golos.

No meio-campo, após um longo período de ausência, Bruno Lazaroni deve ser utilizado a trinco, cabendo a Bolívia a função de organizador de jogo.

Ginásio Figueirense corta relações com a Naval

DEMOLIÇÃO DA CARREIRA DE TIRO EM CAUSA

O Ginásio Clube Figueirense cortou relações com a Associação Naval 1.º de Maio, foi hoje anunciado em comunicado. De acordo com o documento, a suspensão de relações surge na sequência da demolição da carreira de tiro da Figueira da Foz, algo que a Naval considera um "grave atentado ao desporto".

O Ginásio, proprietário do terreno onde está instalada a carreira de tiro por doação da Câmara Municipal em 2004 para construção de uma piscina, evoca ainda a "persistência e agressividade de procedimentos" da Naval, considerados ofensivos da dignidade do Ginásio.

A direcção do clube figueirense refere que pretende repor "a veracidade dos factos sobre a demolição da Carreira de Tiro Municipal da Figueira da Foz", e alega que tudo foi "executado conforme os preâmbulos da lei", além de desmentirem a existência de quaisquer pertences da Naval no interior da estrutura demolida, adiantando que isso pode ser comprovado fotograficamente.

Contactada a Naval 1.º de Maio, Nuno Mateus, jurista do clube, disse à agência Lusa que, além de desconhecer o comunicado do Ginásio, este assunto era do foro diretivo. A Carreira de Tiro Municipal da Figueira da Foz foi demolida terça-feira sob responsabilidade do Ginásio Clube Figueirense, instituição a quem o terreno foi doado em 2004 pela autarquia, para construção de uma piscina.

A Naval 1.º de Maio, clube que reclama ser há várias décadas utilitária única daquele equipamento, contestou o processo de demolição, considerando tratar-se de "um atentado ao desporto", tomando como alvo a Câmara Municipal da Figueira da Foz.

Na sequência da doação por parte da Câmara Municipal ao Ginásio Figueirense do terreno onde estava implantada a carreira de tiro municipal, a Naval tem tentado fazer valer aquilo que entende serem os seus direitos em tribunal.

Depois de ter sido dada razão ao Ginásio Figueirense por duas vezes, decorre agora novo processo judicial, intentado pela Naval, no Tribunal Judicial da Figueira da Foz.

Carreira de Tiro da Figueira da Foz foi demolida

A Carreira de Tiro Municipal da Figueira da Foz foi hoje demolida sob responsabilidade do Ginásio Clube Figueirense, instituição a quem o terreno foi doado em 2004 pela autarquia, para construção de uma piscina.

A Naval 1º de Maio, clube que reclama ser há várias décadas utilitária única daquele equipamento, contestou o processo de demolição, considerando tratar-se de "um atentado ao Desporto", tomando como alvo a Câmara Municipal da Figueira da Foz.

Na sequência da doação por parte da Câmara Municipal ao Ginásio Figueirense do terreno onde estava implantada a Carreira de Tiro Municipal, a Naval tem tentado fazer valer aquilo que entende serem os seus direitos em tribunal.

Depois de ter sido dada razão ao Ginásio Figueirense por duas vezes, decorre agora novo processo judicial, intentado pela Naval, no Tribunal Judicial da Figueira da Foz.

O presidente do Ginásio, José Tomé, contactado pela Lusa afirmou o clube "iniciou hoje o processo de demolição face ao Alvará de Licença de Demolição de que é detentor e dentro dos prazos impostos pelo mesmo".

Por seu turno, Nuno Mateus, jurista da Naval, criticou o procedimento, afirmando que "foi executado sem qualquer Edital que avisasse publicamente o início da demolição da estrutura, o que é manifestamente ilegal" e questionou a existência do alvára.

"Onde está o relatório de medição de resíduos de chumbo, processo considerado obrigatório para a passagem do Alvará?", questionou. "Existem estudos que comprovam que o chumbo de bala é considerado um metal dos mais perigosos. Naquela estrutura pratica-se tiro há cerca de cinquenta anos", acrescentou.

O representante do clube navalista questionou ainda se "não existirá uma vontade de escamotear a existência desses mesmos resíduos", sublinhando que "o terreno onde está implementada a Carreira de Tiro está transcrito na 1ª Conservatória Predial da Figueira da Foz como sendo um terreno de cultura e pinhal".

O dirigente navalista reiterou que este processo "não visa o Ginásio Figueirense ou a construção de qualquer piscina, apenas um direito inquestionável que assiste à Naval de defender os seus atletas e uma modalidade de grande tradição no clube".

Contactado pela Lusa, o chefe de gabinete do presidente da Câmara Municipal e responsável pela área do Urbanismo garantiu que "a demolição está licenciada".

Por último, João Costa, atirador Olímpico que representa a Naval, diz que a sua carreira pode estar em causa: "Estou no velório de uma instalação desportiva e quem sabe da minha carreira".

"Lamento a falta de palavra de quem prometeu que esta carreira não seria demolida sem estar outra erguida. Depois de três anos a dominar o Ranking Mundial de Tiro, nunca pensei que isto me fosse acontecer", expressou.

Fonte: O Jogo

Colectivo Maravilhas - Comunicado

"A nossa Sede já não está no café Maravilhas. Até novas eleições está provisóriamente numa garagem pois não se podem custear despesas até à data destas eleições.

Qualquer assunto sobre a Claque estamos ao vosso dispor no numero de telemovel
96 292 59 88

Temos também um blog com informações actualizadas diariamente
colmaravilhas.blogspot.com

Como é lógico não vai ser agora,num momento menos bom da nossa NAVAL que nos vamos esquecer de os apoiar

POR ISSO

Domingo, 15 de FEVEREIRO de 2009
16H00

Trofense - NAVAL

Saída às 10H00 do Casal do Rato
(atrás da Estação de Correios)

Preços desde 15 Maravilhas
Viagem + Bilhete para o jogo

VEM APOIAR A NAVAL
Info line 96 292 59 88

Pedro Taborda
Colectivo Maravilhas
"

Nota: Comunicado recebido por e-mail

Bruno Paixão apita Trofense-Naval


O árbitro de Setúbal Bruno Paixão foi nomeado para "apitar" o encontro Trofense-Naval, referente à 18ª jornada da Liga Sagres. O encontro disputa-se no próximo Domingo, dia 15, no Estádio Clube Desportivo Trofense.

Ainda a demolição da Carreira de Tiro

Imgem gentilmente sacada ao blogue Marcha do Vapor

Remeto para ESTE post do blogue Marcha do Vapor, do jornalista Rogério Neves.

Boas notícias


Fonte: A Bola

Regresso ao trabalho

Regresso ao trabalho
PREPARA-SE DESLOCAÇÃO À TROFA

O plantel da Naval começa hoje, após um dia de folga, a preparar a deslocação à Trofa para o jogo de domingo, a contar para a 19.ª jornada do campeonato.
O grupo navalista vai cumprir uma única sessão de treino. Oapronto está agendado para o Centro de Estágios de Quiaios, pelas 10.30.

O técnico Ulisses Morais continua a não poder contar com cinco jogadores: Kovacevic, José Mário, Marcelinho e Gilmar, todos lesionados, e com Alex, castigado.
O francês Godemeche, por sua vez, deverá continuar a trabalhar de forma condicionada. Porém, ainda antes da sessão matutina, será submetido a reavaliação médica.

Fonte: Record online

Naval «perde» totalista Hauw para a Trofa

A Naval 1º de Maio desloca-se à Trofa no próximo domingo com uma baixa de vulto: o médio Alexandre Hauw.

O francês, um dos poucos jogadores do plantel que já participaram em todas as partidas da Liga, juntamente com Paulão, Diego Ângelo, Bolívia e Marinho, vai falhar o encontro com o Trofense depois de ter visto o quinto amarelo na prova no último jogo, frente ao Nacional.

Hauw é, aliás, o terceiro atleta da Naval com mais minutos em campo (1471), perdendo apenas para os centrais Paulão, que detém o pleno nos 17 jogos, e Diego, que soma 1506 minutos de utilização.

Todos estes dados atestam bem a importância que o camisola 15 dos figueirenses assume na estratégia de Ulisses Morais, que terá agora de encontrar um substituto para o influente centro-campista.

No treino desta segunda-feira, houve, todavia, boas notícias. Marcelinho, melhor marcador da equipa, já trabalhou no relvado, cumprindo programa específico de recuperação. Dado o lapso de tempo até ao próximo encontro é provável que já possa jogar depois de ter falhado o compromisso com o Nacional devido a problemas musculares.

Já Tiago Rannow, outros dos ausentes do último jogo, voltou a treinar-se sem limitações. Diego Ângelo, com uma bolha num pé, ficou-se pelo ginásio, tal com Gilmar.

Depois da folga desta terça-feira, o plantel navalista regressa aos trabalhos na próxima quarta-feira, pelas 10h30, em Quiaios.

Fonte: Mais Futebol

Ginásio demoliu Carreira de Tiro (NAVAL) para construir piscina

A demolição física da Carreira de Tiro verificou-se ontem, com a “actuação” das máquinas no terreno, derrubando os muros que delimitavam o espaço.

Todavia, este é um processo que se arrasta desde 2007, quando a Associação Naval 1.o de Maio interpôs uma providência cautelar para evitar a demolição da Carreira de Tiro, visando defender os interesses dos seus atiradores, enquanto não fossem criadas alternativas.

Um tema que tem motivado alguma polémica e “feito correr muita tinta”, com o Ginásio e a Naval a defenderem vários pontos de vista contrários e que “acabou” com o indeferimento, por parte do Tribunal Judicial da Figueira da Foz da providência cautelar interposta pela Naval «contra a Câmara Municipal e o Ginásio, visando impedir as obras da nova piscina no terreno onde actualmente se situa a Carreira de Tiro Municipal», como reza um comunicado emitido na altura pelo Ginásio Figueirense.

A autarquia - que sempre esteve envolvida no processo – chegou, recorde-se, a celebrar protocolos com a GNR, no sentido desta força de segurança disponibilizar as suas carreiras de tiro para os atiradores navalistas treinarem. Por outro lado, a edilidade também encetou conversações com o Clube de Caçadores para disponibilização do espaço na carreira de tiro em Quiaios, onde poderiam ser criadas condições de acordo com as necessidades específicas do tiro de competição.

O principal projecto do Ginásio nesta altura é a construção da nova Piscina coberta, destinada a substituir a actual, cuja capacidade se encontra esgotada.

O terreno para a construção, contíguo ao Pavilhão “Galamba Marques”, foi cedido pela Câmara Municipal, mediante escritura de doação celebrada em 24 de Maio de 2004, e a piscina vai ser comparticipado por fundos estatais.

O projecto do Ginásio prevê uma piscina com as dimensões de 25.00 x 16,67 metros, destinada a competição, e outra com 16.67 x 8 metros, para aprendizagem, entre outras infraestruturas de apoio. A primeira pedra do empreendimento foi lançada em Maio de 2007, pelo secretário de Estado do Desporto, Laurentino Dias.
Ontem, a Carreira de Tiro Municipal veio abaixo, dando-se, assim, um passo decisivo para o avanço as obras. José Tomé, presidente da direcção do Ginásio disse ao nosso Jornal que, em cumprimento com os prazos do alvará, foi solicitada «autorização à Câmara Municipal para a demolição», que está a ser feita «de acordo com a lei».

Por outro lado, adianta aquele responsável, a demolição foi encetada «salvaguardando os possíveis objectos ou bens que ali estivessem».Interpelado relativamente aos resíduos, alegadamente tóxicos, que se encontram nos terrenos, uma vez que estes estão “crivados de chumbo”, José Tomé explicou «que tudo está previsto» e será feito «de acordo com as regras estabelecidas».

Direcção da Naval reage à demolição - Nuno Mateus, director geral e responsável pelo Gabinete Jurídico da Naval 1.o de Maio, ontem à tarde, em conferência de Imprensa, teceu fazer algumas considerações sobre a demolição da carreira de tiro, «numa altura em que nem a data do julgamento do processo judicial n.o 2257/08, movido pela Naval, é conhecida», disse.
«A culpa é de quem tomou esta decisão e será assumida pelos responsáveis», mas, continuou Nuno Mateus, «vai colidir com os interesses dos atiradores navalistas (um olímpico e dois a prepararem-se para o Europeu)».

A Naval não deu conhecimento oficial desta atitude a nenhuma autoridade, segundo explicou o porta-voz navalista, que justificou a ausência do presidente da direcção do Clube, Aprígio Santos, que ontem se encontrava em Lisboa.

Aquele responsável aproveitou a ocasião para denunciar outros problemas resultantes da demolição da Carreira de Tiro, nomeadamente, os resíduos tóxicos do chumbo, acumulados numa carreira com mais de 50 anos. «Não há medição e o chumbo é um metal perigoso», alertou.

Por outro lado, continuou o director-geral navalista, «isto não é contra ninguém, mas sim em defesa dos interesses da Naval, porque se a Câmara Municipal nos pagar os 653.146,70 euros que nos deve, a Naval faz uma carreira de tiro».

Alex Hauw vai falhar visita à Trofa

MÉDIO COMPLETOU SÉRIE DE 5 CARTÕES AMARELOS

Alex Hauw completou uma série de 5 amarelos no jogo com o Nacional e vai falhar a importante deslocação à Trofa, no domingo. Ulisses Morais terá, assim, de voltar a mexer no onze da Naval.

O brasileiro Dudu é candidato a ocupar a vaga no meio-campo deixada pelo francês, um dos jogadores mais utilizados esta temporada no conjunto figueirense, enquanto na defesa é provável o regresso de Daniel Cruz ao flanco esquerdo.

Perto do regresso às opções do técnico navalista, estão os brasileiros Lazaroni e Marcelinho, que no treino de ontem fizeram corrida. Apesar da derrota com o Nacional, a mais pesada de sempre do clube em casa, na Liga, o ambiente é bom.

Encantar sem fato de gala

Para que um jogo entre "iguais" termine com um desnível de quatro golos é preciso que se conjuguem uma série de factores. Curiosamente, neste jogo não foi preciso uma exibição particularmente inspirada da equipa ganhadora para ajudar à goleada. O Nacional limitou-se a ser igual a si próprio e esperar que a Naval estivesse muito abaixo do que é costume. Em suma, e perante uma goleada fora, a equipa de Manuel Machado conseguiu encantar, mas não foi propriamente preciso vestir o melhor fato.

A Naval apresentou-se em campo sem poder contar com alguns dos habituais titulares, o que já por si lhe concedia o estatuto de "outsider" na discussão do jogo perante um candidato europeu. A juntar a isto, Ulisses Morais montou um esquema de três centrais para o qual a equipa não estava rotinada e desde o primeiro minuto que se notou algum desnorte nos navalistas, especialmente a defender. A prova disso é que quando inaugurou o marcador ao minuto 15, Nené já tinha visto colegas seus desperdiçarem três ocasiões soberanas.

Depois de dar um golo e um quarto de hora de avanço, o técnico navalista percebeu bem que aquela espécie de 3x5x2 não dava e o 4x3x3 equilibrou a contenda. E o facto é que, mesmo sem ter feito muito por isso, a Naval beneficiou de uma grande penalidade instantes depois da mutação táctica; o problema é que Alex Hauw não converteu o penálti que ele próprio havia ganho. E para agravar as coisas, Nené bisou logo a seguir, levando novamente a melhor no duelo desigual que travou com Diego Ângelo. Foi um rude golpe psicológico para os visitados, que compreensivelmente não conseguiram reentrar na discussão do jogo.

Com o jogo decidido antes do minuto 30, o que se viu daí para a frente foi uma Naval transpirada, mas desinspirada e um Nacional que sabe bem os terrenos que pisa, seja a jogar no tal 3x5x2 que tão mal funcionou com os figueirenses, seja num losango cheio de dinâmica. A goleada surgiu naturalmente, não por falta de atitude de quem perdeu, mas porque quem ganhou foi excessivamente melhor.

Naval 0-4 Nacional
Estádio Municipal José Bento Pessoa

relvado razoável

713 espectadores

Árbitro Luís Reforço (AF Setúbal)

Assistentes Nuno Roque e João Pedro Ferreira

4º árbitro Paulo Rodrigues

Naval

Treinador Ulisses Morais

16 Peiser GR 4
3 Paulão DC 4
4 Fabrício Lopes DC a INT 3
66 Diego Ângelo DC 3
7 Carlitos LD 4
15 Alex Hauw MD 5
19 Baradji MD 4
13 Igor LE a INT 3
10 Dudu MO 6
77 Marinho AV a 69' 4
18 Bolívia AV 4
-
1 Jorge Batista GR
83 Real DC
25 Godemèche MD
45 Camora AE
70 Davide AD d INT 3
11 Tiago Freitas AV d 69' 3
9 Michel Simplício AV d INT 4
-
amarelos 14' Fabrício Lopes; 47' Dudu; 89' Alex Hauw
remates à baliza 3 [2+1] remates fora 6 [2+4] faltas cometidas 12 [5+7]
pontapés de canto 5 [3+2] foras-de-jogo 2 [2+0]

Nacional

Treinador Manuel Machado

1 Rafael Bracalli GR 5
33 Maicon DC 6
3 Felipe Lopes DC 6
6 Cléber DC 6
2 Patacas LD 6
43 Luís Alberto MD a 78' 6
5 Alonso AE 8
8 Bruno Amaro MO a 55' 6
14 Ruben Micael MO 7
20 Mateus AV 6
18 Nené AV a 82' 8
-
12 Douglas GR
49 Igor Pita DC
26 Edson MD
7 Juliano MO d 78' 4
30 Leandro Salino MO d 55' 5
16 Miguel Fidalgo AV
19 Fabiano Oliveira AV d 82' 3
-
Golos [0-1] 15' Nené; [0-2] 27' Nené[0-3] 73' Ruben Micael, [0-4] 90'+1' Mateus
amarelos 22' Alonso; 90'+1' Leandro Salino
remates à baliza 7 [3+4] remates fora 7 [6+1] faltas cometidas 13 [6+7]
pontapés de canto 2 [1+1] foras-de-jogo 3 [2+1]

Fonte: O Jogo

Tiago e Marcelinho no relvado...

Fonte: A Bola On-line

Resumo...

Aqui fica um resumo do Jogo de Ontem, após desaire da Naval em permitir um resultado tão pesado na sua História.

Continuamos a acreditar que a Naval, vai continuar na Liga Sagres e que este seja um bom motivo, para a equipe mudar de atitude perante este resultado. (Para Visualizar têm de carregar 2 vezes no Play)


Original Video- More videos at TinyPic

«Foi uma derrota inevitável»


Ulisses Morais: «Foi uma derrota inevitável»

TÉCNICO RESIGNADO COM GOLEADA (0-4) FRENTE AO NACIONAL

Ulisses Morais mostrou-se resignado com o desfecho do encontro com o Nacional, queixando-se sobretudo das condicionantes que afetaram a equipa figueirense ao longo da semana.

"Este resultado foi o reflexo das infelicidades e condicionantes com que nos deparámos durante a semana. Tentámos supri-las e enfrentá-las, mas elas refletiram-se no jogo, apesar dos meus jogadores tudo tentarem, mas não conseguindo ser felizes.
Foi uma derrota inevitável", adiantou.


Fonte: Record

Naval-Nacional: Crónica + ficha de jogo

Nacional goleia Naval na Figueira da Foz

Dois golos de Nené no decorrer da primeira meia hora da partida deram o mote para a goleada (4-0) do Nacional no terreno da Naval, em jogo da 17ª jornada da Liga Sagres.

O triunfo permitiu aos insulares, que na segunda metade ampliaram a vantagem por intermédio de Ruben Micael e Mateus, acabar com o enguiço que tinham na Figueira da Foz e manter-se na corrida as competições europeias.

Face à vitória, a turma do Nacional subiu, provisoriamente, ao quinto lugar da tabela com 29 pontos, enquanto os figueirenses conservam a 10ª posição, provisoriamente.

Os insulares que melhor entraram na partida e criaram logo as primeiras oportunidades de golo, pelo que o golo apontado por Nené, à passagem do minuto 15, não apanhou ninguém de surpresa.

Tentaram reagir os figueirenses e tiveram a sua melhor hipótese ao minuto 21, quando beneficiaram de uma grande penalidade por derrube de Alonso a Alex, que na cobrança acertou na barra.

Aproveitando a falha dos anfitriões, o Nacional ampliou a vantagem aos 26 minutos, novamente por Nené, que se destacou na liderança dos melhores marcadores com 12.

No reatamento da partida Ulisses Morais prescindiu de dois defesas, Fabrício e Igor, e lançou na partida Davide e Simplício, passando a equipa a actuar na base de um 4x3x3.

Melhorou a movimentação da turma da casa, passando a aproximar-se com maior acuidade da baliza insular e Marinho, no minuto 58, não consegue a emenda a um cruzamento de Simplício.

Aos 73 minutos, após um cruzamento de Alonso, Nené ganhou nas alturas e assistiu Ruben Micael para o terceiro golo dos insulares, acabando ali com as ténues esperanças figueirenses.

Já em tempo de descontos Mateus finalmente deu com o caminho da baliza e assinou o quarto golo do Nacional.

Ficha de Jogo:

Naval 1º de Maio 0-4 Nacional
Estádio Municipal José Bento Pessoa, na Figueira da Foz

Intervalo: 0-2

Marcadores:
0-1, Nené, 15 minutos.
0-2, Nené, 26.
0-3, Ruben Micael, 73.
0-4, Mateus, 90+1.

Equipas:

- Naval 1º de Maio: Peiser, Carlitos, Paulão, Diego, Fabrício Lopes (Davide, 46), Igor (Simplício, 46), Dudu, Alex Hauw, Baradji, Bolívia e Marinho (Tiago Freitas, 70)
(Suplentes: Jorge Batista, Simplício, Tiago Freitas, Godeméche, Camora, Davide e Real).

- Nacional: Bracalli, Patacas, Filipe Lopes, Maicon, Alonso, Cléber Oliveira, Bruno Amaro (Leandro Salino, 55), Ruben Micael, Luís Alberto (Juliano, 79), Nené (Fabiano, 83) e Mateus.
(Suplentes: Douglas, Juliano, Miguel Fidalgo, Fabiano, Edson, Leandro Salino e Igor).

Árbitro: Luís Reforço (Setúbal).

Acção disciplinar: cartão amarelo para Fabrício Lopes (14), Alonso (21), Dudu (47), Alex Hauw (89) e Leandro (90).

Assistência: 713 espectadores.

Fonte: O Jogo

Tarde negra...


Nacional goleou a Naval na Figueira da Foz

Dois golos de Nenê nos primeiros vinte e seis minutos abriram o caminho para a goleada (4-0) do Nacional no terreno da Naval, em jogo da 17.ª jornada da Liga.

A equipa madeirense entrou melhor na partida e o golo apontado por Nenê, aos 15’, acabou por surgir com naturalidade. A Naval, no entanto, conseguiu reagir e dispôs mesmo de uma grande penalidade, aos 21’, mas Alex, na conversão, acertou na barra da baliza de Bracalli.

Aproveitando a falha, o Nacional ampliou a vantagem aos 26’, novamente por Nenê, que leva já 12 golos na Liga.
Na segunda-parte, o treinador da Naval, Ulisses Morais, prescindiu de dois defesas (Fabrício e Igor) e lançou dois jogadores de características ofensivas: Davide e Simplício.

Os figueirenses melhoraram, mas acabou por ser o Nacional a chegar novamente ao golo: aos 73’ Nenê ganhou nas alturas e assistiu Ruben Micael para o terceiro golo. Já em tempo de descontos, Mateus fixou o resultado final em 4-0 para a equipa treinada por Manuel Machado.

Fonte: Público

Outras notícias sobre o jogo Naval-Nacional:
- Diário Digital
- TVI

FORÇA NAVAL!


NAVAL 1º DE MAIO vs C.D. NACIONAL
08-02-2009, DOMINGO 16H00
ESTÁDIO JOSÉ BENTO PESSOA
FIGUEIRA DA FOZ
17ª JORNADA DA 1ª LIGA

Ven­cer as con­tra­ri­e­da­des


Ven­cer as con­tra­ri­e­da­des invo­can­do a uni­ão do colectivo

Não se pode dizer que tenha sido uma sema­na tran­qui­la, aque­la que ser­viu de pre­pa­ra­ção para o encon­tro des­ta tar­de.
As mui­tas lesões e ausên­cias no plan­tel figuei­ren­se fize­ram com que o tra­ba­lho do téc­ni­co Ulis­ses Mora­is tenha sido difi­cul­ta­do.
Ape­sar das con­tra­ri­e­da­des, o trei­na­dor mos­tra-se con­fi­an­te de que «elas não inter­fi­ram na con­fi­an­ça e tran­qui­li­da­de» dos joga­do­res nava­lis­tas. «O adver­sá­rio é difí­cil por exce­lên­cia, mas con­ti­nua­mos a acre­di­tar no valor que temos, o que nos con­fe­re con­di­ções para lutar pela vitó­ria».
Duas der­ro­tas con­se­cu­ti­vas, em Paços de Fer­rei­ra, para a Taça de Por­tu­gal, e no Fun­chal, fren­te ao Marí­ti­mo, é sinó­ni­mo de que a equi­pa de Ulis­ses Mora­is que­re­rá, rapi­da­men­te, regres­sar aos bons resul­ta­dos.
A ver­da­de é que jogar fren­te ao Naci­o­nal con­fe­re gran­des difi­cul­da­des ao jogo de hoje, pelo que no seio nava­lis­ta todos sabem das bar­rei­ras que têm de ser supe­ra­das, a come­çar pelo trei­na­dor: «Esta­mos con­sci­en­tes de que o adver­sá­rio é uma das melho­res equi­pas do cam­pe­o­na­to», refe­re Ulis­ses, subli­nhan­do a «boa orga­ni­za­ção e exce­len­te capa­ci­da­de téc­ni­ca de joga­do­res exce­len­tes e mui­to bem ori­en­ta­dos» fri­sa o trei­na­dor dos “ver­de e bran­cos”.
Mui­tas vezes se refe­re de que é nas horas de mai­o­res difi­cul­da­des que se vê a uni­ão das equi­pas. Ulis­ses Mora­is “embar­ca” pelo mes­mo pen­sa­men­to, na aná­li­se a esta desa­fio con­tra a equi­pa insu­lar. «Estou con­ven­ci­do de que a equi­pa está uni­da e coe­sa», res­sal­va o téc­ni­co. «Estes momen­tos de con­tra­ri­e­da­de con­tri­bu­em para fazer cres­cer a nos­sa capa­ci­da­de de supe­ra­ção», afir­ma.
Sem poder con­tar com o gole­a­dor Mar­ce­li­nho, que con­ti­nua ausen­te dos trei­nos da equi­pa, nenhum dos casos pen­den­tes con­se­guiu recu­pe­rar a tem­po des­te encon­tro. Casos de Ran­now e Laza­ro­ni, mas tam­bém Gode­mé­che que, ape­sar de con­vo­ca­do, não esta­rá nas con­di­ções sufi­ci­en­tes para ali­nhar fren­te ao Naci­o­nal. Estas ausên­cias moti­va­ram a cha­ma­da, pela pri­mei­ra vez, do refor­ço Camo­ra para a lis­ta de con­vo­ca­dos. Barad­ji é outro regres­so nota­do, já que o nome do fran­cês não figu­ra­va na lis­ta de opções de um jogo des­de o dér­bi com a Naval, no iní­cio de Janei­ro. De fora por opção ape­nas ficou o guar­da-redes Bru­no e o jovem João Ribei­ro – ain­da a trei­nar à par­te do gru­po de tra­ba­lho - e por cas­ti­go o late­ral esquer­do Dani­el Cruz.

Insu­la­res na máxi­ma for­ça
O Naci­o­nal da Madei­ra des­lo­ca-se na sua máxi­ma for­ça à Figuei­ra da Foz. Todo o plan­tel está à dis­po­si­ção do trei­na­dor Manu­el Macha­do, à excep­ção do bra­si­lei­ro Juni­nho, alvo de pro­ces­so dis­ci­pli­nar e que pode­rá ver inclu­si­va­men­te ver o seu con­tra­to res­cin­di­do por jus­ta cau­sa.
Manu­el Macha­do cha­mou 18 joga­do­res para esta par­ti­da, dei­xan­do de fora o defe­sa João Auré­lio e o avan­ça­do Duj Cope, que tam­bém foram cha­ma­dos na últi­ma par­ti­da, no empa­te casei­ro (0-0) ante o Lei­xões.

Fonte: Diário de Coimbra

Naval sem Marcelinho e mais sete baixas para o Nacional

Quase no limite, Ulisses Morais conseguiu reunir 18 jogadores para a partida deste domingo, na Figueira, frente ao Nacional. De fora, devido a lesão, ficaram, ainda assim seis jogadores Lazaroni, Zé Mário, Kovacevic, Gilmar, Tiago Rannow e Marcelinho, este último apenas e só o melhor marcador dos navalistas. Aos jogadores com problemas físicos, junta-se ainda Daniel Cruz, castigado.

As novidades nos convocados são Camora, único reforço de inverno da Naval, que se estreia logo na primeira oportunidade, e Baradji, de volta depois de algum tempo de ausência.

De fora, por opção, ficou apenas o guarda-redes Bruno, além de João Ribeiro, que se mantém a trabalhar à parte do plantel.

Lista de convocados:

Guarda-redes: Peiser e Jorge Batista.
Defesas: Carlitos, Paulão, Fabrício Lopes, Diego, João Real e Igor.
Médios: Godeméche, Baradji, Alex Hauw, Davide e Dudu.
Avançados: Camora, Michel Simplício, Tiago Freitas, Bolívia e Marinho.


Fonte: Mais Futebol

A estreia de Camora nos convocados

Os médios Baradji e Camora são as novidades nos convocados da Naval 1º de Maio para a recepção, domingo, ao Nacional da Madeira, em jogo da 17ª jornada da Liga portuguesa de futebol.

Face à última convocatória, derrota (1-0), no Funchal, com o Marítimo, saíram Daniel Cruz e Marcelinho, o primeiro com um jogo de suspensão a cumprir, o segundo por impedimento físico.

De fora ficaram também Kovacevic, Zé Mário, Lazaroni, Gilmar e Tiago Rannown, todos por impedimento físico, bem como o guarda-redes Bruno, por opção técnica.

«Vai ser um jogo de grande dificuldade. Apesar das contrariedades que nos foram surgindo ao longo da semana, estas de forma alguma não podem ser factor decisivo de não encarar o jogo com confiança e tranquilidade», disse o técnico Ulisses Morais na antevisão do jogo.

O treinador salientou que a equipa está consciente que vai encontrar uma formação «que é seguramente uma das melhores equipas do campeonato, com boa organização, excelente capacidade, excelentes jogadores e muito bem orientada».

O jogo entre Naval 1º de Maio, 10ª classificada com 19 pontos, e Nacional, sétimo da tabela com 26, está agendado para as 16:00 de domingo, no Estádio Municipal José Bento Pessoa, na Figueira da Foz, encontro que será dirigido pelo árbitro de Setúbal Luís Reforço.

Fonte: Diário Digital

Ulisses antevê "dificuldades" frente ao Nacional



Fonte: A Bola

Convocados para 17ª jornada



Fonte: A Bola

Fim de Semana com Reforço Cansado???

Este fim de semana o árbitro escolhido para o jogo da Naval-Nacional, cujo seu nome é Luís Alberto Reforço Cansado, que não deixa de ser algo interessante, mas isso não interessa, desde que ele faça o que têm feito em todos o jogos que arbitrou a Naval, que acaba sempre por ganhar os jogos. Que corra tudo bem e que faça o seu papel.

Loic Vincent ganha processo em tribunal


EX-GUARDIÃO FRANCÊS RECLAMA 101 MIL EUROS

O Tribunal de Trabalho de Lisboa condenou a Naval num processo interposto pelo antigo guarda-redes do clube Loic Vincent, há quase sete anos. O jogador francês foi despedido na sequência de um processo disciplinar, mas a decisão judicial, ontem anunciada e ainda passível de recurso, veio confirmar a inexistência de justa causa para o despedimento.

Loic Vincent representou a Naval na temporada 2001/02, quando o clube disputava a Liga de Honra. Foi titular durante grande parte da época, mas depois foi preterido na baliza figueirense.
O litígio entre clube e jogador teve origem no final de um jogo com o Maia. O guardião francês foi acusado de tentar agredir física e verbalmente um elemento da equipa técnica, acabando por ser suspenso de toda a atividade desportiva.

O processo disciplinar correu os trâmites habituais e redundou no despedimento do atleta, com a Naval a invocar justa causa. Porém, Vincent recorreu para os tribunais e, quase sete anos depois, viu ser-lhe dada razão.

Segundo o acórdão do Tribunal de Trabalho de Lisboa, o clube figueirense foi condenado a pagar 5.835 euros de 'retribuições e subsídio de alojamento relativas aos meses de abril e maio de 2002', além de uma indemnização de 101 mil euros. A estas verbas acrescem juros de mora desde 30 de junho de 2002.

A Naval mantém-se, para já, em silêncio sobre este caso, enquanto o jogador, à hora do fecho desta edição, se mantinha incontactável.

Fonte: Record online

Só 16 disponíveis

ONDA DE LESÕES NA EQUIPA DA FIGUEIRA DA FOZ

Ulisses Morais só pode contar com 16 jogadores para a recepção ao Nacional, em jogo da 17.ª jornada da Liga.

Depois dos lesionados de longa data, Kovacevic e Zé Mário submetidos a cirurgias ao ligamento, também Gilmar e Lazaroni não têm dado o seu contributo à equipa desde há cerca de mês e meio.

Nos treinos de quinta-feira e hoje lesionaram-se Marcelinho, Tiago Rannown e Godeméche, o que totaliza sete lesionados.

Num outro plano, Daniel Cruz e João Ribeiro estão de igual modo indisponíveis, o primeiro castigado com um jogo de suspensão, enquanto o segundo mantém um braço de ferro com o clube por motivos disciplinares, estando a trabalhar À parte do grupo.

Face ao quadro do plantel constituído por 27 unidades restam 18 jogadores, sendo três deles guarda-redes, o que equivale a dizer que o treinador navalista só dispõe de 16 jogadores.

Fonte: Record online

Onda de lesões deixa apenas 16 jogadores

O treinador da Naval 1º de Maio, face à onda de lesões que vem afectando a equipa, só pode contar com 16 jogadores para a recepção ao Nacional, em jogo da 17ª jornada da Liga portuguesa de futebol.

Depois dos lesionados de longa data, Kovacevic e Zé Mário submetidos a cirurgias ao ligamento, também Gilmar e Lazaroni não têm dado o seu contributo à equipa desde há cerca de mês e meio.

Nos treinos de quinta-feira e hoje lesionaram-se Marcelinho, Tiago Rannown e Godeméche, o que totaliza sete lesionados.

Num outro plano, Daniel Cruz e João Ribeiro estão de igual modo indisponíveis, o primeiro castigado com um jogo de suspensão, enquanto o segundo mantém um braço de ferro com o clube por motivos disciplinares, estando a trabalhar à parte do grupo.

Face ao quadro do plantel constituído por 27 unidades restam 18 jogadores, sendo três deles guarda-redes, o que equivale a dizer que o treinador navalista só dispõe de 16 jogadores.

Naval e Nacional, 10º e 7º classificados da Liga portuguesa de futebol, respectivamente, defrontam-se domingo, às 16:00, no Municipal José Bento Pessoa, na Figueira da Foz, em partida que será dirigida pelo setubalense Luís Reforço.

Fonte: Destak.pt

Mais preocupações para a 17ª jornada

Fonte: A Bola

Candidatos laterais

«Com Daniel Cruz a cumprir um jogo de castigo, o treinador Ulisses Morais vê-se obrigado a mudar o onze.
À falta do habitual-lateral esquerdo, o técnico da Naval terá de escolher entre uma lista de candidatos: Igor, Dudu ou até mesmo Baradji»

Fonte: O Jogo

Lazaroni pode voltar em breve

FEZ UMA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

Bruno Lazaroni efetuou uma ressonância magnética ao joelho direito e as notícias são animadoras.
“A situação clínica registou uma melhoria considerável e é de admitir que possa vir a ser utilizado dentro em breve”, refere o médico do clube, Pedro Santos.
Além do médio, também Gilmar se encontra em tratamento médico, enquanto Godemèche já integrou o treino sem limitações.

Hoje, a sessão, em Quiaios, foi ás 10 horas.

Super Glórias do Passado


A pedido de um Anónimo que fez comentário aqui no "onavalista", informo a todos vocês esta maravilhosa obra de arte conseguida pelo Autor Alberto de Castro Abreu, Vitoriano, mas ao mesmo tempo adepto de grandes glórias que passaram em vários clubes nacionais.

Uma dessas Glórias é a Naval 1º de Maio. Se der-mos uma olhadela pelo site, iremos ver como bem está construída a história da Naval. Link para ver

Obteremos fotos com um valor sentimental para muitos, mas ao mesmo tempo momentos gloriosos que viveram dentre deste grande clube na época em que jogaram com as cores da Naval.

Algo de muito valioso para "onavalista", e para todos o que gostarem de reavivar a memoria de momentos passados e como foi realmente essa história.

Passei os olhos durante umas horas, e vimos realmente coisas interessantes e engraçadas que com o passar dos anos, foram aparecendo alguns jogadores bem jovens que hoje são grandes no futebol.

Um bem haja para este autor.

Irei tentar obter contacto com este autor para tentar fazer parte dos conterrâneos do onavalista.