Augusto Inácio: «Temos de ter capacidade para marcar»


TÉCNICO QUER LEVAR EQUIPA DA FIGUEIRA À FINAL DA TAÇA

Amanhã, no Bento Pessoa, disputa-se um jogo grande e decisivo para apuramento do primeiro finalista da Taça de Portugal, edição 2009/2010. Naval ou Chaves, um dos clubes vai fazer história já que, pela primeira vez, estará no Jamor a disputar a final da prova rainha do nosso futebol.

Os visitantes partem em vantagem, já que venceram o jogo da primeira mão, mas os navalistas não querem desperdiçar a oportunidade de ir mais além.

Para a hipótese de prolongamento e recurso aos penáltis, Augusto Inácio, de 55 anos, faz questão de salientar que a formação da Figueira está preparada "para todas as contingências", mas acredita que "o jogo vai resolver-se nos 90 minutos." E acrescenta: "Neste último treino nem trabalhámos esse pormenor."

O técnico não considera um facto histórico a possível ida à final, até porque "para a história fica sempre aquele que vencer a Taça." "Primeiro vamos à procura do feito, depois iremos à procura da história, se Deus quiser."

Quanto ao jogo propriamente dito, Inácio diz que "vai ser complicado." Primeiro porque entramos a perder por 1-0, depois também temos que reconhecer que o Chaves tem uma equipa bem organizada e que, embora esteja mal classificada na Liga Vitalis, também sabe que este é um jogo para o seu historial, pelo que temos de ser muito rápidos e pressionantes. Não é muito habitual chegar a esta situação e há que limpar do subconsciente dos jogadores o medo que possam ter de sofrer um golo. Nós não podemos entrar com esse medo; temos é que ter capacidade para marcar".

O técnico dos navalistas tem uma ideia concebida para este encontro: "Marcar um golo o mais rápido possível, até porque, reconhecendo que o Chaves não é superior à Naval, é dentro do campo que temos de demonstrar essa superioridade, procurando pressionar o adversário no seu meio campo, até porque o Chaves não irá fazer o jogo pelo jogo, mas procurará, isso sim, resguardar-se o mais possível e apostar no contra-ataque".

Inácio lembra que "em Chaves quem começou a ganhar" foi a Naval mas o golo foi invalidado. "Fomos superiores em todos os sentidos pelo que, em termos de divisão de previsões, aposto 100 por cento na nossa vitória porque confiança nos nossos jogadores".

A concluir, Augusto Inácio considera que este "não é o jogo mais importante da época para a Naval; o mais importante foi em Setúbal, que garantiu a permanência na primeira Liga, o nosso grande objetivo".

Camora já foi campeão com Inácio

Camora, de 23 anos, jogador que tem sido utilizado em todos os setores da ala esquerda, foi campeão da Liga de Honra sob o comando de Augusto Inácio, quando ambos militavam no Beira-Mar.

"Esta é outra história, outra época, mas no seio da equipa vive-se um ambiente de confiança para dar a volta ao resultado da primeira mão, porque queremos ir à final a fim de escrevermos história nas nossas vidas e no clube", diz Camora, confiante.

"Estamos a perder por 1-0, mas vamos entrar com muita força, com muita raça, com a atitude que nos é habitual, tentando marcar um golo o mais rapidamente possível", acrescenta.

O primeiro objetivo está conseguido que, segundo jogador "era manter a equipa na primeira Liga." "Mas agora temos a oportunidade de ir ao Jamor, reconhecendo que tivemos sorte de esta época, na Taça, nunca nos ter calhado uma equipa do nosso campeonato, e vamos aproveitar a oportunidade para disputar a final", concluiu.

Fonte: Jornal Record - Editado por "Onavalista"

0 comentários: