"Decisão por impulso"


Duas semanas depois de ter sido despedido do comando técnico da Naval, Daniel Ramos continua a não entender os motivos apresentados pelo presidente Aprígio Santos. "Ficamos todos surpreendidos, acredito que foi uma decisão tomada por um impulso", referiu, confidenciando que foi despedido via telemóvel. "O presidente disse-me que lamentava, mas que ia escolher outro treinador". Em termos desportivos, Daniel Ramos lembra que a equipa estava a cumprir com os objetivos delineados no início da época e que estava a atravessar um bom momento. "Até à derrota com o Belenenses vínhamos de um ciclo de 12 jogos sem perder. Aliás, a nossa segunda volta estava a ser exemplar", disse. Ainda assim, o técnico reconhece a falta de consistência nos jogos realizados na Figueira da Foz. "Perdemos vários pontos em casa, enquanto fora realizámos grandes exibições. E a equipa estava na luta pela subida, como continua a estar", destacou. Sobre as críticas de Aprígio Santos, que após a sua demissão classificou a equipa de indisciplinada, Daniel Ramos considera-as injustas. "É verdade que tivemos expulsões frente a Oliveirense e Belenenses, mas por contingências do futebol e não por agressões", recordando que na estreia de Filó, frente ao Estoril, a Naval terminou o jogo com dez jogadores, por expulsão de Leomar.
No próximo domingo, o técnico poderá assistir ao Naval-U. Madeira, equipas que já orientou.

Fonte: O Jogo

0 comentários: