Raio-X do Remo da Naval 1º de Maio

João Matias, Vogal da Direcção e um dos principais responsáveis do Remo navalista desvenda alguns dos segredos da “modalidade-mãe do nosso clube”. Foi com a paixão de um verdadeiro navalista e com a vontade empreendedora de fazer sempre mais que João Matias nos falou do estado actual do Remo da Associação Naval 1º de Maio. O Director abordou todos os temas aos quais foi questionado pelo nosso site e mostrou-se optimista para o futuro, embora sempre com os pés assentes no chão. As infra-estruturas, os atletas, a evolução do remador Diogo Pinheiro e os apoios, tudo isto foi abordado de forma frontal por João Matias. Para ler abaixo, em discurso directo. 

Instalações “Há cerca de dois, três anos a Direcção da Naval, com grande esforço financeiro, substituiu o telhado e fez uma remodelação, que já começava a ser urgente no Pavilhão Náutico, situado na Marina.” Barcos “Temos uma frota estabilizada, com todo o tipo de barcos que há a nível do nosso país. Há pouco mais de um ano adquirimos um barco para o Diogo Pinheiro, no âmbito do Campeonato da Europa que teve lugar em Montemor. Em termos de material podemos dizer que estamos bem, embora com algumas falhas, que sempre existiram.” 

Atletas “Temos 30 a 40 atletas nos escalões de formação. Nos seniores debatemo-nos com o mesmo problema de todos os outros clubes que estão afastados de centros universitários, que é o de um atleta, que completa o 12º ano, ter quase sempre de optar entre estudar em vez de seguir a prática da modalidade; muitas vezes pode continuar a remar, mas acaba por mudar de clube, o que se compreende, porque no remo é preciso o apoio e um material muito especial. No caso do Diogo Pinheiro, por vontade dele e também algum esforço financeiro da parte da Naval, conseguimos mantê-lo a remar connosco, havendo no início desta época o acordo com a Mega Craque, que foi importante. Por isto, a Naval é no Remo um clube mais formador.”

Competições e resultados “No ano passado, no Torneio de Escolas, que é a competição mais importante para atletas que iniciam a prática do remo nessa época, ficámos em 2º lugar a nível regional. No Campeonato Nacional fizemos o que estava dentro das expectativas e conseguimos uma medalha de prata e outra de bronze. O Diogo Pinheiro foi Campeão Nacional, esteve no Campeonato do Mundo e da Europa e foi ainda incluído num barco (Shell 4 sem Timoneiro) que tentará atingir os mínimos olímpicos. Mas sabemos que é difícil que isso aconteça, por já não faltarem muitos meses para os Jogos de Londres.” 

Apoios e investimentos “De época para época vamos tendo alguma necessidade de barcos. A nível de barcos de topo julgo que estamos bem servidos, mas se calhar precisaríamos de mais para disponibilizar àqueles miúdos que ainda estão numa etapa inicial. Os apoiso vêem essencialmente da Direcção da Naval, que tem investido fortemente na modalidade. Quando necessitamos de algo mais específico, dirigimo-nos a algumas firmas, que nos podem dar algum importante apoio. Mas às vezes, mais do que comprar material novo, o importante é a manutenção, que além de dar trabalho, faz com que o Remo seja um desporto caro.”

Novas inscrições “Nunca fechamos as portas, mas a melhor fase para entrarem novos atletas é quando acabam as aulas. É uma altura do ano em que está bom tempo e devido às férias os pais nem sempre têm onde deixar os miúdos e ali podem ficar connosco no Centro Náutico. Mas a partir da Páscoa já conseguimos integrar toda a gente que esteja interessada em remar.”
O Pavilhão Náutico da Naval 1º de Maio é a principal estrutura de apoio ao Remo. 

 Diogo Pinheiro é a principal referência do nosso Remo, mas de momento a Naval é um clube essencialemente formador. 


 O transporte e a manutenção das embarcações fazem parte das tarefas dos remadores.


0 comentários: