Especial Benjamins B - Entrevista a Tiago Neves e Pedro Henriques

Estando o futebol de formação em rescaldo da época 2011-2012, O Navalista esteve à conversa com um dos nossos petizes, Tiago Neves, capitão dos Benjamins B da Associação Naval 1º de Maio e com o seu treinador Pedro Henriques. Aqui ficam as entrevistas. Esperamos que gostem.


Entrevista a Tiago Neves, capitão dos Benjamins B


O Navalista: Como te chamas? 


Tiago: Tiago Neves.

O Navalista: Idade?

Tiago: 10 anos.

O Navalista: Posição?

Tiago: Defesa Central.

O Navalista: Como surgiu a ideia de vires jogar futebol para a Associação?

Tiago: Desde os 5 anos que venho ver os jogos com o meu pai e apaixonei-me pela Naval. 


O Navalista: Há quantos anos jogas cá?

Tiago: 3 anos.


O Navalista: Como foram os primeiros tempos? 


Tiago: Um bocadinho complicados como qualquer chegada a um sítio mas com o tempo fui-me começando a safar e consegui ganhar amigos, muitos amigos mesmo. 


O Navalista: Como correu a presente época desportiva, em termos individuais e colectivos?

Tiago: Foi o primeiro ano de competição, gostei e estou feliz.


O Navalista: Que expectativas tens para a próxima época?

Tiago: Ter uma época sem lesões e o meu objectivo é ganhar o campeonato. 


O Navalista: O que significa para ti representar a Associação Naval 1º de Maio? 


Tiago: Um orgulho imenso. 


O Navalista: O que é ser capitão de uma equipa de futebol?

Tiago: Ser porta-voz da equipa, proteger os colegas e falar com os árbitros se alguma coisa não esta correcta.

O Navalista: Que conselhos podes deixar aos atletas que começam a dar as primeiras pisadas no futebol de formação?


Tiago: Que tenham amigos e que sejam felizes. Não devem entrar com receio porque senão pode correr mal.

O Navalista: Quais são as maiores dificuldades que enfrentas ao representar a nossa Associação?

Tiago: Falta de higiene dos balneários, do pelado.

O Navalista: Actualmente, quais são os teus jogadores de futebol preferidos?


Tiago: Neymar e Carlitos. 

O Navalista: Quais são os teus objectivos para o futuro? 


Tiago: Ser bom aluno. 

O Navalista: E em termos de futebol?

Tiago: Ser profissional. 


O Navalista: Como correram os estudos este ano? És bom aluno? 


Tiago: Correram bem. Tiro sempre Satisfaz Muito Bem.

O Navalista: Para além do futebol, que outras coisas gostas de fazer?


Tiago: Gosto de estar na internet, andar de bicicleta e jogar playstation.




Entrevista ao treinador dos Benjamins B, Pedro Henriques


O Navalista: Fala-nos um pouco de ti. Qual o teu percurso até chegares à Associação?

Pedro: Tenho mais ou menos 10 anos como treinador. Comecei com o ano de estágio no Abambres FC, isto é Vila Real e Trás-os-Montes, a Associação. Quando vim para cá estive no ACM (Atlético Clube Montemorense), onde estive 2 ou 3 anos. Estive em Alfarelos, nos pequeninos. Também entrei no futebol sénior, na Ereira , e tive em Vila Nova de Anços onde fui à fase final com os juniores …sem nenhuma derrota. Nos playoffs perdemos e não conseguimos subir ao nacional. A partir daí, tenho-me mantido aqui na Naval há 4/5 anos. Comecei com as equipas B de Iniciados e Juvenis. Após esse ano, passei pelos Kids e fui acumulando com os Juvenis B e agora acumulo Kids com Benjamins B. Os Benjamins B são a primeira fornalha dos Kids, misto com outra escola, portanto é a primeira fornalha dos Kids que está a dar os frutos que temos estado a ter.

O Navalista: Que balanço fazes até agora, da tua experiência aqui?

Pedro: Coisas boas e coisas más. As experiências são feitas de coisas boas e coisas más.

O Navalista: Mas o saldo é positivo?

Pedro: É. O recrutamento aqui não é mau. Os outros clubes não tinham estas condições, mesmo que as condições sejam más, aqui temos claramente melhores. Penso que nos últimos dois anos, todos os clubes têm melhorado as instalações e isso não é culpa do clube, é culpa das câmaras…as câmaras é que têm estado a financiar os clubes a nível de instalações e nós não temos essas hipóteses para já. Quando isto melhorar, temos de competir como a Académica, por exemplo, com quem competimos…Se o sintético vier, penso que poderemos lutar de igual para igual.

O Navalista: E qual é o balanço da época transata?

Pedro: A nível de classificação, penso que poderíamos ter tido mais um lugar. Nós ficamos em 5º, que é o normal das equipas B da Naval, mas o balanço é positivo.

O Navalista: Quais são os objectivos para a próxima época?

Pedro: Ser campeão sem dúvida. (risos)

O Navalista: Quais são as maiores dificuldades com que te deparas, no geral, e como é que as consegues ultrapassar?

Pedro: As maiores dificuldades são a nível de instalações para a prática. Por vezes, temos algumas coisas preparadas para certo tipo de exercício para o treino e temos de mudar porque o piso está muito rijo e a bola anda lá aos saltos. Por exemplo, quando trabalhamos o pressing, que é feito em espaços reduzidos, de repente temos de mudar e vamos fazer jogo ou manutenção, portanto uma coisa mais simples que não exige tanto tecnicamente, por causa do terreno.

O Navalista: Qual é a tua visão sobre o futebol de formação em Portugal?

Pedro: Podia ser melhor. E temos o exemplo do Ajax, da Holanda. Vemos que têm de abdicar de 5 ou 6 atacantes que nem sequer são convocados. Temos de ter um patamar maior que o da Holanda, no futebol de ataque. Temos de apostar no ataque. Quando nos vemos “à rasca” para arranjar um ou dois atacantes, vemos que não estamos melhor.

O Navalista: Decerto, deves viver muitas histórias engraçadas com os teus pupilos. Podes partilhar alguma(s) em particular?

Pedro: Tenho uma até com os seniores. Este ano aqui, até tem sido bastante pacífico, a nível de atletas. Houve um ano em que estava a treinar seniores e alguns não tinham costumes desportivos. Houve uma altura em que eles faltavam e não diziam nada. E eu comecei a pedir para me avisarem ou dizer alguma coisa. Então, eles faltavam porque, um ia às compras com a mãe, outro porque havia uma serie que era o Super Pai e ele ficava a vê-la e não lhe apetecia ir ao treino, isto tudo situações caricatas. Ao nível dos pequeninos, não há porque também estamos a formá-los e claro que há sempre a ajuda dos pais e de uma equipa técnica.

O Navalista: Que mensagem gostarias de deixar ao teu grupo de trabalho?

Pedro: Que continuem a trabalhar como estão, sempre a querer mais. Independentemente de ser eu para o ano ou daqui a dois anos, porque estamos sempre a mudar de situações. Continuem a trabalhar e sejam sérios. E queiram aprender e aproveitar sempre ao máximo quando estiverem em treino ou em jogo, porque é uma oportunidade que só passam por ela uma vez na vida e se não agarrarmos as oportunidades todas, nunca se sabe.

O Navalista agradece a disponibilidade de todos os intervenientes por este momento e para além de desejarmos sucesso e muitos êxitos para este grupo de trabalho, esperamos convictos de que as suas condições de trabalho melhorem o mais rápido possível, por forma a elevarmos o nome da Associação Naval 1º de Maio e da  Figueira da Foz bem mais alto.

As fotos foram gentilmente cedidas pelo administrador do perfil dos Benjamins B no Facebook, Humberto Neves.

0 comentários: